conecte-se conosco


Tecnologia

Xiaomi aposta na relação custo-benefício e vê participação no mercado disparar

Publicado

Desde que retornou ao Brasil, inclusive com direito a loja física em São Paulo , a Xiaomi tem aplicado uma estratégia agressiva para ganhar mercado e rapidamente se tornou uma sensação entre os aficionados por tecnologia.

Segundo o site Statcounter, que monitora o mercado de eletrônicos e smartphones, a Xiaomi (4,22%) já está perto de alcançar a LG (7,66%) e segue em um ritmo que deve começar a incomodar Apple (13,79%) e Motorola (22,94%) nos próximos dois anos. A Samsung segue líder com uma fatia de 44,23% de acordo com números de setembro.

Leia também: Apple pode perder pódio para Xiaomi entre as maiores vendedoras de smartphones

Toda essa movimentação se dá pelo fato de que a gigante chinesa disponibiliza uma série de smartphones, os lançamentos chegam a se atropelar, a um preço consideravelmente mais atraente do que os concorrentes.

Em fevereiro deste ano, quando anunciou seu retorno ao País após uma mal planejada chegada em 2015, a empresa disponibilizou dois modelos, o Redmi Note 6 Pro e o Pocophone F1. Desde então foram mais de 30 lançamentos nas séries Mi e Redmi, o grande carro-chefe da Xiaomi.

Os paralelos entre Xiaomi e Apple não são gratuitos. Há esforço e diligência da empresa chinesa por eles. O Mi 9 já suscita comparações com o novíssimo iPhone 11 e ganha em praticamente todas as especificações técnicas custando menos da metade. Enquanto a versão mais básica do iPhone 11 sai em média por R$ 4.399, o modelo mais sofisticado do Mi 9 custa R$ 2.700.

Enquanto o Mi 9 tem três câmeras, o iPhone 11 conta com duas. O dispositivo chinês aposta no amoled e tem tela Full HD (1080 x 2340), enquanto que a mais recente atualização da empresa criada por Steve Jobs aposta no LCD e tem uma tela de HD (828 x 1792). A resolução do Mi 9 também é superior (403 ppi contra 326 ppi).

O desempenho é equivalente entre os processadores snapdragon, da chinesa, e A13 Bionic, da americana, mas a capacidade de armazenamento do iPhone é maior com modelos de até 256GB, enquanto que o Mi 9 vai até 128GB.

Leia mais:  Cuidado! Novo golpe usa Nubank para roubar dados dos usuários

A potência do Redmi

A série que foi criada em 2013, e valeu um recorde mundial de mais de dois milhões de exemplares vendidos em um único dia na plataforma online da empresa na China, é uma coqueluche entre os fãs da marca no Brasil e no Mundo. Por aqui, os valores variam entre R$ 500 e R$ 1.400 e garantem o impulso da gigante chinesa no varejo nacional.

Os celulares da série ofertam um processador (o snapdragon 632 Octa-core) melhor do que a faixa de preço oferece entre os líderes do segmento. A partir do Redmi 8 (também nas versões Note e Pro) as câmeras também ganham potência em resolução com uma qualidade digna dos smartphones top de linha.

Diferentemente do Mi, a tela é LCD e não amoled, mas a resolução é a mesma.

O ano de 2019 tem se provado de fácil adaptação para a Xiaomi no Brasil que ainda tem pela frente datas de forte apelo comercial  como a black friday e o Natal para embolar ainda mais a disputa pelo agitado mercado de smartphones brasileiro.

Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

WhatsApp deixa de mostrar status ‘online’ e ‘visto por último’, relatam usuários

Publicado

O WhatsApp se tornou um dos assuntos mais comentados no Twitter nesta sexta-feira (19) depois que usuários perceberam mudanças inusitadas em seu funcionamento. O aplicativo de mensagens deixou de mostrar o status “online”, “visto por último”, “digitando” e “gravando áudio” em suas conversas. Ao atualizar o aplicativo mudanças serão percebidas.

As novidades deixaram os internautas confusos sobre um possível erro no sistema, já que a empresa de Mark Zuckerberg não anunciou as atualizações. Antes, os usuários do aplicativo conseguiam apenas optar por desabilitar a função de “visto por último” e a de “confirmação de leitura” nas configurações de privacidade.

REUTERS/Thomas White

Segundo o site Downdetector, que monitora o relato de erros em redes sociais, o número de reclamações sobre o mau funcionamento do Whatsapp começou às 13h e atingiu seu pico às 14h.

Downdetector gráfico

Gráfico do Downdetector mostra pico de reclamações sobre mau funcionamento do WhatsApp

Entre os afetados pelas alterações repentinas, existem os que ficaram felizes pela maior privacidade e aqueles que lamentaram a falta de informações sobre seus contatos. E ainda no final da tarde desta sexta, alguns perfis no Twitter também começaram a relatar o retorno da visualização do status.

Leia mais:  Cuidado! Novo golpe usa Nubank para roubar dados dos usuários

Já entre os concorrentes, o Telegram ironizou a suposta falha no sistema, convidando os insatisfeitos com as novidades a “convidarem um amigo para ficar online” no aplicativo.

Procurada pela CNN, a assessoria do WhatsApp ainda não respondeu ao contato para explicar as mudanças.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana