conecte-se conosco


Entretenimento

Viviane Araujo encarna Gabriela de Jorge Amado e celebra “êxtase” do carnaval

Publicado

Durante entrevista para a revista “Joyce Pascowitch” a atriz, Viviane Araujo, contou sobre a sua vontade em desfilar na Avenida, mas que nunca tinha imaginado ser “Rainha de Bateria”. Vivi foi escolhida como capa dessa edição da Revista e ganhou um ensaio fotográfico inspirado em duas musas do Jorge Amado. A revista chega às bancas nessa sexta-feira (11).


Viviane Araujo como Gabriela na capa da Revista Joyce Pascowitch
Adriano Damas / Joyce Pascowitch

Viviane Araujo como Gabriela na capa da Revista Joyce Pascowitch

Foi em 1995, quando Viviane Araujo estudava Educação Física, que ela começou a brincar de sambar. Em entrevista para a Revista J.P, ela contou que tinha apenas um biquíni e na época, ela nunca tinha imaginado que seria vista como musa do carnaval.

 Leia também: Rainha! Viviane Araújo ostenta corpão ao sambar só de biquíni

Hoje ela é a queridinha do dramaturgo, Aguinaldo Silva. Foi ele quem viu que a rainha de bateria tinha um talento especial para as telinhas. Sua primeira novela foi “Império” com a personagem “Naná”, hoje já totaliza três novelas e duas delas no horário nobre da rede Globo. Na época, ninguém sabia se ela iria se consolidar na emissora.

Leia mais:  Cristiane Machado sobre sequelas da violência: “Não sei se volto a ser quem era”

Viviane Araujo e Vanessa Giacomo no set de gravação de
Reprodução/Instagram

Viviane Araujo e Vanessa Giacomo no set de gravação de “O Sétimo Guardião”

Atualmente está no ar em “O Sétimo Guardião” como Neide mãe da personagem Luz, interpretado por Marina Ruy Barbosa.

Viviane contou para a Revista J.P sobre suas duas paixões – a Globo e o carnaval: “São duas maravilhas, o Carnaval me contagia, fico em êxtase. Já estar na Globo é desejo realizado de que eu fui capaz. É uma vitória”.

Leia também: Viviane Araujo faz sucesso com foto natural: “Diva até sem make”

Aos 45 anos, Viviane apresenta um corpo de dar inveja, e mesmo assim ainda tem que lidar com alguns comentários sobre “estar com uma gordurinha fora do lugar”. A atriz contou para a Revista Joyce Pascowitch como é sua rotina para manter o corpo em forma: “Passo duas horas e meia na academia, ainda mais com novela, Carnaval… Tenho personal , endócrino, faço uma dieta para secar e ficar mais firme… Se ficar de biquíni e tiver uma dobrinha aqui, ali, as pessoas já comentam que engordei. Elas olham tudo!”.

Leia mais:  “A Favorita” satiriza jogos de poder na Inglaterra do século XVIII

Viviane Araujo no carnaval de 2016
Reprodução/Instagram

Viviane Araujo no carnaval de 2016

No Instagram, Viviane Araujo está sempre mostrando seu corpão, seja de biquíni ou em alguma fantasia carnavalesca. Nessa terça-feira (8),  ela postou uma foto no seu perfil oficial que rendeu muitos elogios dos seus fãs . Pelas suas publicações é possível perceber o quanto a Vivi gosta do que faz.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Direitos autorais no audiovisual ganha regulamentação e pode afetar Globo

Publicado

por

Antes de se tornar uma Secretaria dentro do Ministério da Cidadania, o Ministério da Cultura, em uma de suas últimas determinações, estabeleceu uma  nova habilitação dentro da lei de direitos autorais.


Glória Pires, ao lado de Victor Drummond e Cássia Kiss, é um dos nomes mais vocais na defesa da habilitação de instituições
Reprodução/Twitter

Glória Pires, ao lado de Victor Drummond e Cássia Kiss, é um dos nomes mais vocais na defesa da habilitação de instituições

A partir de 03 de dezembro de 2018, três instituições artísticas foram autorizadas a arrecadar direitos autorais . São elas a Gedar (Gestão de Direitos de Autores Roteiristas), a Interartis (Associação de Gestão Coletiva de Artistas Intérpretes do Audiovisual do Brasil), e a DBCA (Direitos Brasileiros do Cinema e Audiovisual).

A reivindicação da classe era antiga, e a própria lei de direitos é de 2013. “A luta por direitos autorais pela exibição pública de suas obras esteve no radar de associações de roteiristas organizadas a partir da década de oitenta”, explica Paula Vergueiro, advogada e diretora jurídica da Gedar.

Paula conta que só a partir dos anos 2000 a classe começou a se organizar, com a criação da Associação dos Roteiristas. A lei de 2013, porém, determina uma série de pré-requisitos para que associações fossem habilitadas por um órgão de administração pública – no caso, a Secretaria do Direito Autoral e Propriedade Intelectual.

Essas instituições farão a gestão coletiva nas três áreas do audiovisual : roteiro, direção e interpretação. A ideia é que, cada vez que uma obra seja exibida, os artistas por trás dela recebam uma remuneração compensatória.

“Esta concessão permite que as associações que foram habilitadas possam cobrar e distribuir direitos de autor e conexos no território brasileiro, nos termos da nossa legislação”, esclarece Victor Drummond, advogado e diretor geral da Interartis .

Antes dessa nova determinação, não existia uma instituição específica para fazer esse recolhimento, que era feito, se chegasse a isso, individualmente. “Em tese, tinha que colher direto do exibidor”, explica a advogada Tânia Aoki, da Mariangelo & Aoki Advogados.

Ela comenta que a nova habilitação é um ganho para os artistas, já que muitas vezes o recolhimento nem acontecia. Apesar de ser uma obra coletiva, a produção audiovisual costuma ter apenas um dono dos direitos da obra, que normalmente é o produtor.

Na prática


Drica Moraes e Sophie Charlotte estão entre os artistas que defenderam habilitação de instituições
Reprodução/Instagram

Drica Moraes e Sophie Charlotte estão entre os artistas que defenderam habilitação de instituições

“Havia de tudo um pouco” comenta Victor sobre como a arrecadação era feita antes. Por conta dessas instituições não serem habilitadas para isso, não existia uma regra específica, e o valor era entregue – quando havia pagamento – de acordo com cada caso.

Leia mais:  Filha de Silvio Santos! Em ascensão, Rebeca Abravanel é a bola da vez no SBT

“Algumas empresas que atuam no setor promoviam o pagamento de direitos autorais diretamente aos artistas, outras o faziam de forma muito incipiente e não reconhecida pelos artistas e ainda havia outras que não pagavam nada e também não reconheciam os direitos”, conta Victor.

De acordo com a Secretaria Especial da Cultura, o licenciamento para a utilização das obras era mais comumente realizado diretamente com o produtor. Agora a concessão da habilitação permite, em tese, que a cobrança junto aos exibidores possa ser realizada diretamente pelos titulares, por meio de suas associações, de modo que possam ter um aproveitamento econômico proporcional ao sucesso que a obra alcança.

Para que os artistas de cada categoria recebam direitos autorais a partir de agora eles devem ser vinculados a alguma das três instituições. No caso da Gedar, o ato de filiação ocorre com a assinatura de três documentos: a declaração de associação, a autorização para o cadastro de obras audiovisuais em um sistema de dados utilizados pelas associações de gestão coletiva em todo mundo e uma declaração de autoria da obra. Qualquer roteirista que atue em meios de comunicação do audiovisual pode se associar.

Já na Interartis a única exigência é que o intérprete tenha participado de pelo menos uma obra audiovisual. “Quanto mais artistas forem associados mais representatividade se alcança”, explica Victor.

“Os artistas brasileiros alcançaram, com a Interartis, um enorme grau de comprometimento coletivo, excluindo definitivamente do imaginário a ideia de que são desunidos. Nunca estivemos tão fortes”, completa Gloria Pires, que assumiu um papel de destaque no debate e é Presidente da instituição.

De fato, muitos artistas se uniram no final de 2018 pedindo que o então Ministro Sérgio Sá Leitão habilitasse as instituições. Nomes como Drica Moraes, Sophie Charlotte, Dira Paes, Alessandra Negrini e Antônio Fagundes se pronunciaram entre setembro e outubro, meses antes da habilitação ser anunciada.

Agora confirmada, ela não é retroativa, ou seja, as instituições requerem direitos apenas de obras criadas a partir de 3 de dezembro, quando foi publicado no Diário Oficial da União. E, a partir de agora, essas instituições serão avaliadas anualmente para garantir que seguem cumprindo os critérios estabelecidos pela normativa.

“As associações devem apresentar ao respectivo órgão da Administração Pública Federal uma série de documentos e informações, com a finalidade de permitirem a atividade fiscalizatória e a aplicação de eventuais sanções”, explica a advogada do Gedar Paula Vergueiro.

Do contra


Antônio Fagundes também pediu que o então Ministério liberasse a habilitação. Sua participação em
Reprodução/Globo

Antônio Fagundes também pediu que o então Ministério liberasse a habilitação. Sua participação em “Por Amor” será reprisada novamente na TV

De acordo com informações da Secretaria Especial da Cultura, houve recurso da decisão, sem efeito suspensivo, mas que encontra-se para apreciação do Secretário de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual.

Leia mais:  Cinema-memória, “Roma” se fia na beleza e nos afetos para encantar o público

Victor explica algumas pessoas são contra alegando que o consumidor final vai “pagar” a conta, ou seja, as produções audiovisuais ficarão mais caras para consumo. A seu ver, porém, isso não deve acontecer e esse pensamento precisa ser desconstruído.

“Em nenhum país em que a gestão coletiva foi implementada houve qualquer aumento de custos para o consumidor”, comentou. Para ele, é compreensível que empresários queiram diminuir custos, “o que não pode ocorrer é a supressão ou desconsideração de direitos em nome de lucros exorbitantes”, acredita o advogado.

Seus dados, inclusive, apontam para o oposto: considerando do exemplo de outros países que tem habilitações similares, houve um aumento na produção nacional, já que a possibilidade de remuneração adequada incentiva os criadores. E ele crê que o mesmo deve acontecer no Brasil. Inclusive, a esperança da Interartis é criar um novo cenário artístico contributivo entre os artistas e as empresas que deverão pagar os direitos.

Leia também: Luz, câmera e ação: os 50 anos de carreira de Gloria Pires

Efeito no audiovisual


Sônia Braga em
Reprodução

Sônia Braga em “Dancin’ Days”: ela chegou a processar a Globo pelos direitos de reexibição

A nova legislação pode ou não afetar programas que são reexibidos na televisão? Pode, pois agora se uma produção for reexibida na televisão os artistas tem uma instituição para apoiá-los nessa cobrança, mas não pode por conta de cada contrato que o artista assinou relacionado à obra.

Nem Globo nem Record responderam pedidos para comentar sobre a nova determinação do Ministério, mas essa habilitação pode interferir em um hábito comum aos dois canais: a reexibição de novelas antigas.  

 O caso mais conhecido em relação a isso é o de Sônia Braga, que em 2014  processou a Globo por conta da reexibição de “Dancin’ Days” no Canal Viva . Ela pedia direitos de imagem por seu trabalho como a protagonista Júlia. Na época a emissora comunicou que os artistas recebiam os direitos de imagem, e Braga acabou perdendo o processo em 2018.

De acordo com Tânia, esse caso não sofreria alterações agora, pois quando foi julgado, não havia entidades habilitadas. Mas o novo cenário pode tornar mais favorável para os artistas exigirem suas compensações financeiras.

Em sua fase inicial, a nova habilitação de direitos autorais ainda deve passar por muitos entraves e acertos, mas em geral a determinação é considerada uma vitória para a classe artística. “O Direito é uma construção. E deve ser uma construção de elementos justos e equilibrados. Quando um grupo de pessoas luta por direitos e os alcança, todo o esforço valeu a pena”, concluiu Gloria Pires.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana