conecte-se conosco


Entretenimento

Universitária cobra na Justiça que ex-BBB Antônio Rafaski reconheça sua filha

Publicado

A estudante de Engenharia Mecânica Luiza Araújo
, de 24 anos, recorreu à Justiça recentemente para que o ex-BBB
Antônio Rafaski, de 25 anos, registre sua filha, que deve completar três meses na próxima sexta-feira (02) de novembro.

Leia também: Bafão! Patrícia responde Jéssica após participação no “Luciana By Night”


Ex-BBB Antônio Rafaski é acusado de não registrar filha
Divulgação

Ex-BBB Antônio Rafaski é acusado de não registrar filha

Ao iG Gente
, Luiza Araújo explicou que o ex-participante do “Big Brother Brasil” soube da gestação desde o quarto mês: “Ele ficou assustado, não acreditava muito que poderia ser filha dele”, comentou sobre a reação de Antônio Rafaski
ao receber a notícia.

Leia também: Ex-BBB Patrícia Leitte posa de lingerie e diz não precisar de photoshop

Em contrapartida a estudante, o influencer alegou: “Quando fiz o DNA, o realizei consciente da responsabilidade que a partir daquele momento poderia fazer parte de minha vida como um todo e após o resultado positivo, é inevitável que a alegria tomou conta de mim”.

Fruto de um relacionamento casual contemplado em novembro de 2017, segundo Luiza, a gravidez foi um momento que viveu sem a presença e ajuda do pai da criança: “Todas as vezes que entrava em contato ele me dava respostas vagas, sempre demorando muito para responder”.

Leia mais:  Marcos Mion é confundido com Bial e Gugu na estreia de “A Fazenda”

Luiza Araújo teve um breve envolvimento com o ex-BBB Antônio Rafaski e está o citando judicialmente para registrar a filha
Divulgação

Luiza Araújo teve um breve envolvimento com o ex-BBB Antônio Rafaski e está o citando judicialmente para registrar a filha

Segundo a mãe da criança, “ela (a bebê) já estava com 40 dias quando até que enfim ele (Antônio) decidiu tomar uma atitude e comparecer ao exame de DNA”. De acordo com a estudante, o modelo “sempre tinha uma desculpa, às vezes falava até que não poderia pagar”.

Sobre a dificuldade de comunicação, Antônio comentou: “como um influenciador digital, meu cotidiano é diariamente registrado e todos que têm acesso às redes sociais acabam por saber cada local que estou”.

Luiza ainda recorda o dia que combinou de registrar Cecília. Após ter ficado no “vácuo” durante uma troca de mensagens, ela afirma que o ex-BBB apareceu e que, juntos, combinaram de ir ao cartório. No entanto, “em cima da hora, eu estava a caminho, ele se irritou, disse que eu estava  o apressando e que ele não gosta de ser apressado”. Em seguida, a jovem declarou que Antônio disse que teria “deixado um documento para que sua mãe fizesse isso por ele”.

Ao chegar ao cartório Luiza, no entanto, teria se surpreendido ao entrar em contato com a mãe de Antônio: “a família dele não sabia de nada”. Por fim, a estudante resolveu registrar a criança no dia 1º de outubro apenas em seu nome, como mãe solteira, e cobrar judicialmente que o ex-BBB cumprisse com suas obrigações parentais.

Leia mais:  Finalmente! Bolsa de Sabrina Sato rompe e Zoe está a caminho

Em contrapartida, Rafaski alega: “Jamais fugiria de minhas responsabilidades, como homem e principalmente, como pai. Entretanto estou em uma sequência intensa de trabalhos que preciso cumpri-los, antes do meu retorno à Vila Velha (ES) para evitar multas contratuais”.

Antônio Rafaski e o encontro com a bebê


Antônio Rafaski
Divulgação

Antônio Rafaski

Questionada se Antônio mostrou-se mais presente após esta exposição, Luiza disse que “ele entrou em contato com a família e falou que irá aparecer”. Em seu esclarecimento, o ex-brother finalizou exaltando a vontade de encontrar a filha: “Estou particularmente ansioso para conhecer minha filha e poder tê-la em meus braços”.

Leia também: Emoção! Depois de sete anos separados, ex-BBB Kaysar reencontra sua família

A assessoria de Antônio Rafaski
ainda salientou que ele está em um evento no Maranhão e já pediu para cancelarem um evento no Nordeste, que ele iria em seguida, para que possa ir até Vitória, no Espírito Santo. “Ele está extremamente chateado com toda a repercussão, não esperava esta postura da mãe da bebê, visto que a versão de que ‘sumiu’ não procede. Mas ele não quer e não vai expor nem Luiza, muito menos, sua pequena Cecília”.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Viúva de Mr. Catra é assaltada e tem carro roubado no Rio

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Finalmente! Bolsa de Sabrina Sato rompe e Zoe está a caminho

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana