conecte-se conosco


Mato Grosso

UFMT, IFMT, Unemat e escolas aderem à mobilização contra bloqueios de recurso da educação

Publicado

Segundo o governo federal, a queda na arrecadação obrigou a contenção de recursos. O bloqueio deverá voltar a ser valiado posteriormente.
Instituições federais, estaduais e municipais de educação em Mato Grosso aderiram à mobilização nacional contra o bloqueio de 24,84%dos recursos para a educação anunciado pelo Ministério da Educação (MEC).

Entidades ligadas a movimentos estudantis, sociais e a partidos políticos e sindicatos convocaram a população para uma greve de um dia contra as medidas na educação anunciadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Segundo o governo federal, a queda na arrecadação obrigou a contenção de recursos. O bloqueio deverá voltar a ser valiado posteriormente.
De acordo com o MEC, o bloqueio é nas chamadas despesas discricionárias — aquelas consideradas não obrigatórias, que incluem gastos como contas de água, luz, compra de material básico, contratação de terceirizados e realização de pesquisas.

O valor total contingenciado, considerando todas as universidades, é de R$ 1,704 bilhões.

Cortes na UFMT

Com o bloqueio no orçamento, o campus Cuiabá tem garantia de funcionamento até julho, segundo a reitora da instituição, Myrian Serra. Nos outros três campi, a previsão é que as atividades sejam interrompidas a partir de agosto.

Leia mais:  Mato Grosso busca arrecadar R$ 35 milhões para combater incêndios florestais na Amazônia

A média de custeio da UFMT é de aproximadamente R$ 90 milhões ao mês. Com o bloqueio de 30%, a verba mensal passaria a ser de no máximo R$ 60 milhões, segundo Myrian. Na conta entram os custos básicos, como água, luz, segurança do campus, internet e limpeza.

O corte no fornecimento de energia elétrica, uma das maiores consequências citadas por Myrian, inviabiliza, por exemplo, o uso de equipamentos eletrônicos dentro das salas de aula.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Mato Grosso Saúde e Procon criam canal de comunicação direta para resolver problemas

Publicado

por

O Mato Grosso Saúde e o Procon estadual irão criar um canal de comunicação direto, com o objetivo de resolver as demandas dos servidores beneficiários do Plano. A presidente do Mato Grosso Saúde Misma Thalita dos Anjos e a secretária adjunta do Procon, Gisela Simona, se reuniram na tarde desta quarta-feira (18.09) para apresentação de uma proposta de aproximação entre os órgãos.

A presidente Misma Thalita dos Anjos salientou a importância dessa aproximação e da criação desse instrumento de comunicação. “Trata-se de uma agenda positiva de cooperação entre o Mato Grosso Saúde e o Procon para somar esforços nos esclarecimentos aos beneficiários do Plano”, frisou.

Gisela Simona destacou o resultado do encontro. “Foi muito positiva a reunião visto que criamos uma linha direta entre Procon e Mato Grosso Saúde para solucionar eventuais reclamações sobre o plano evitando com isso a judiciliazação e ao mesmo tempo agilizando a solução para o consumidor”.

A criação da linha direta facilita a solução de eventuais problemas dos beneficiários do plano, assim que eles procurarem o Procon. Os atendentes entrarão em contato com o Plano de Saúde em busca de um acordo imediato, sem que o processo tenha que seguir adiante.

Leia mais:  Mulheres indígenas são cadastradas como artesãs para fomentar o comércio

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana