conecte-se conosco


Política

Tucanos lançam rodada de cursos para capacitar filiados em Mato Grosso

Publicado

Com o objetivo de fortalecer a sigla no estado, o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) lançou, nesta segunda-feira (8), uma série de cursos de qualificação para os seus filiados em Mato Grosso.

Nesta primeira rodada, que aconteceu na sede tucana, em Cuiabá, o presidente estadual do partido no estado, deputado estadual Carlos Avallone ministrou o primeiro módulo do curso “Estratégias de Mobilização Política e Eleitoral”, cujo tema abordado foi “Ideologia Política”. Durante o evento, o parlamentar falou sobre o legado tucano, a social democracia e as bandeiras do partido, que visam o desenvolvimento econômico e social do país.

“Demos hoje esse pontapé inicial. Uma das premissas do partido é oportunizar o aprimoramento do conhecimento e qualificação dos nossos filiados para as próximas eleições e para a vida política.

Conhecer a história do PSDB, seu legado e, principalmente, as suas propostas e posicionamentos é fundamental. Temos grandes quadros dentro do partido e essa formação da militância fortalece não só o PSDB como o debate político em si. Conhecimento nunca é demais e a política precisa de pessoas qualificadas”, defendeu.

Leia mais:  Moradores de ruas sem saída podem solicitar o fechamento de vias

A iniciativa de oferecer os cursos de formação aos filiados partiu da presidente do PSDB Mulher, Maria Avallone. Para ela, o exercício da cidadania passa pelo debate político. “

Quanto mais pessoas interessadas, informadas e engajadas, mais cidadania. Infelizmente, muitas pessoas veem a política com pouco interesse. Por isso, é importante mostrarmos que, quando uma pessoa diz que não se interessa por política, ela está abrindo mão de cuidar do destino da sua própria vida e do seu direito de escolher o representante mais capacitado para lutar pelos seus ideais e interesses de uma melhor qualidade de vida”, ressaltou.

O Instituto Têotonio Vilela (ITV/MT) também deu sua contribuição através do seu presidente, André Barcelos, que ressaltou a importância do combate às “fake news”, tanto no processo eleitoral como no cotidiano.

“É preciso aprender a detectar informações falsas na internet e isso deve contar com os esforços dos nossos filiados, para evitar que as chamadas “fake news” tumultuem o debate público. As pessoas precisam criar o hábito de verificar as notícias antes de compartilhá-las. Isso é muito sério”, enfatizou.

Leia mais:  Câmara presta homenagem aos líderes comunitários da Capital

As próximas etapas da qualificação serão realizadas de forma virtual e incluirão os seguintes temas: Lições aprendidas nas eleições, mobilização da militância e o comportamento eleitoral.

Comentários Facebook
publicidade

Política

MPE pede que ex-namorado de atiradora e pai sejam investigados

Publicado

por

O Ministério Público Estadual quer uma nova investigação contra o ex-sogro e o ex-namorado da menor que matou Isabele Ramos, no ano passado no Condomínio Alphaville, em Cuiabá. Foi o garoto quem levou a pistola – de propriedade do pai – para casa da então namorada.

O pedido à Justiça foi feito após a defesa dos pais da atiradora anexar no processo novas fotos e vídeos do menor portando arma de fogo.

O recebimento das imagens resultou em um pedido de abertura de investigação em desfavor do pai do garoto em relação ao crime de entrega de armas de fogo a adolescente.

O promotor de Justiça Milton Pereira Merquíades, que assina o procedimento, ainda pediu que as imagens sejam encaminhadas para a Vara da Infância e Juventude de Cuiabá para possíveis providências contra o adolescente.

As imagens mostram o adolescente – que é praticante de tiro esportivo – portando arma de fogo com e sem munição dentro de sua residência e até dentro de um carro.

“Posou em diferentes oportunidades para fotos e vídeos que, segundo a defesa, foram retiradas no interior da residência do menor e em outros locais, nas quais sempre tinha em sua posse arma de fogo, municiadas e desmuniciadas, inclusive, fazendo exibições de técnicas cognitivas e destreza com armas de fogo, pois é praticante de tiro esportivo”, consta em trecho do documento..

Leia mais:  Falta pouco para acordo Mercosul-União Europeia, diz Bolsonaro

O porte e posse de arma por adolescentes são vedados pela legislação brasileira. É permitido a menores de idade atiradores apenas portar arma em clubes de tiro apropriado, e com a supervisão de um responsável ou de um instrutor.

“Possível crime”

De acordo com os pais da atiradora, as armas que aparecem nas imagens são do pai do garoto e também de um terceiro.

“Assim, estamos diante de forte indício da prática de possível crime de entrega de armas de fogo a adolescente (artigo 16, § 1º, V da Lei nº 10.826/03) em desacordo com a lei e determinação regulamentar, possivelmente praticado pelo seu genitor […] e até mesmo por terceiros”.

“Pois, repita-se, o manuseio de armas para menores praticantes de tiro somente pode ser feito no clube de tiro apropriado, com a supervisão do responsável ou instrutor”, disse o promotor em procedimento.

O adolescente já foi condenado a prestar serviços à comunidade por seis meses, por ato infracional análogo ao porte ilegal de arma de fogo em fevereiro deste ano, pelo juízo da 2ª Vara Especializada da Criança e do Adolescente..

Leia mais:  Na Tribuna Livre, sindicato da educação fala sobre Lei Orgânica

Já o pai, fez um acordo de transação penal no Juizado Especial Criminal Unificado de Cuiabá, pagou R$ 40 mil a uma instituição de caridade e teve a punibilidade extinta.

O caso

A tragédia aconteceu quando o pai da atiradora, o empresário Marcelo Cestari, pediu que a filha guardasse uma arma – que havia sido levada pelo então genro – no quarto principal no andar de cima.

No caminho, porém, a garota desviou e seguiu em direção ao banheiro de seu quarto, ainda carregando a arma. Lá ela encontrou Isabele, em quem acabou desferindo um tiro.

A Politec apontou que a adolescente estava com a arma apontada para o rosto da vítima, entre 20 a 30 centímetros de distância, e a 1,44 m de altura.

Em janeiro deste ano, a Justiça condenou a atiradora a 3 anos de internação por ato infracional análogo ao crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar. Desde então, ela está internado no Complexo do Pomeri, em Cuiabá.

Os pais da atiradora também respondem pelo caso. Eles foram denunciados pelo Ministério Público Estadual por homicídio culposo, entrega de arma de fogo a pessoa menor, fraude processual e corrupção de menores e aguardam julgamento.

 

 

 

 

 

Fonte: MidiaNews

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana