conecte-se conosco


Polícia

Travesti é presa em flagrante após matar garota de programa a pedradas em Cuiabá

Publicado

Assessoria | PJC-MT

A Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) realizou a prisão em flagrante de uma travesti, suspeita de matar uma garota de programa na madrugada desta quinta-feira (25), na Capital.

A vítima E.R.M, 43, foi encontrada inconsciente em frente a um ginásio no bairro CPA 3, por volta da meia-noite. Após ser acionada pela Polícia Militar, uma equipe do Samu constatou o óbito da mulher. Durante atendimento da ocorrência uma travesti que estava no local se apresentou como testemunha do crime. Ela apresentava as mãos sujas de sangue e justificou que havia tentado reanimar a vítima.

Com a chegada da equipe da Polícia Civil (DHPP) a travesti começou a iniciar uma série de contradições – que a vítima estava atendendo 04 clientes ao mesmo tempo, depois que era um apenas, etc. Também apresentou nome falso aos policiais e foi conduzida a delegacia para esclarecimentos.

Na unidade policial ela foi identificada com o nome de registro de Adelmar de Carvalho Amorim, 31, (nome social: “Michele Latrocínia”). Ela possui ao menos seis passagens criminais, incluindo roubos, ameaças e um homicídio anterior.

Leia mais:  PRF apreende semirreboque adulterado em Sorriso/MT

Durante o procedimento de interrogatório, a travesti acabou confessando o crime e disse que apedrejou a vítima por desentendimento referente a compra de entorpecentes. Michele declarou que havia dado dinheiro para que a colega comprasse drogas para ambas, o que não veio a ocorrer.

A travesti foi autuada em flagrante pela delegada Jannira Laranjeira pelo crime de homicídio qualificado. Após os procedimentos de praxe na delegacia e recolha de material a ser periciado, Michele será encaminhada para audiência de custódia, no Fórum da Capital.

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Delegados de Mato Grosso ganham o maior salário do Brasil

Publicado

Um levantamento realizado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) mostrou que os delegados de Mato Grosso são os que ganham o maior salário da categoria no país. O salário mensal de um delegado da Polícia Civil no estado é de R$ 24,5 mil.

Enquanto o salário dos delegados de Mato Grosso é o maior do país, o vencimento de escrivães e investigadores – as outras carreiras da Polícia Civil-, está bem longe do primeiro lugar.

Para os escrivães, profissionais responsáveis pelo registro de ocorrências e pela documentação das investigações, o salário é de R$ 5,5 mil, o 11º no ranking brasileiro.

Já para os investigadores, policiais que coletam provas sobre os crimes, localizam e interrogam suspeitos e mantém a segurança dos locais de investigação, o vencimento inicial é de R$ 5,5 mil, o 9º maior na comparação com o mesmo cargo em outros estados.

Dados da Polícia Civil mostram que no quarto trimestre de 2020 havia 400 cargos para delegados, porém, 158 estavam vagos. Já para escrivão de polícia, são 1,2 mil vagas, mas só 2.056 ocupados. E para investigador são 4 mil vagas, com 1.944 cargos vagos.

Leia mais:  Dois motoristas são presos pela PRF em MT com carros roubados

Por ser uma carreira típica de Estado, ou seja, que não podem ser substituída por profissional contratado, os cargos da Polícia Civil só podem ser ocupados através de concurso público. No entanto, para conseguir benefícios com o governo federal durante a crise, o Estado se comprometeu a não criar novos gastos até 2022, o que incluem os concursos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana