conecte-se conosco


Esportes

Trajano manda indireta para desafeto e fala em “morte definitiva” da ESPN

Publicado

Trajano e Palomino arrow-options
Reprodução

Trajano mandou indireta para Palomino, que o demitiu da ESPN em 2016

Após as demissões em massa na ESPN Brasil , um dos nomes foi criticado por um dos maiores jornalistas da história da emissora. O agora ex-vice-presidente de jornalismo da emissora João Palomino foi alvo de uma indireta por parte de José Trajano , fundador dos canais no país e primeiro ocupante do cargo de diretor geral de jornalismo.

Leia também: Juca Kfouri explica saída da ESPN e revela surpresa com demissões

“Essa vai para o ex-manda chuva (Palomino) e não para os queridos companheiros que saíram ontem da ESPN . 14 de agosto de 2019: o dia em que provamos, de modo cabal, que a Terra é muito, mas muito redonda. E como dá voltas!”, afirmou Trajano em sua página no Facebook.

Leia também: Juca Kfouri demitido da ESPN: relembre polêmicas do jornalista na emissora

Trajano sempre foi bastante vocal sobre seu desafeto com João Palomino ao longo dos anos. A rusga entre os dois começou quando a cúpula do canal optou por substituir Trajano por Palomino na direção geral do canal, em 2012. Palomino optou por renovar o conteúdo da emissora em prol do entretenimento, enquanto sob a tutela do veterano jornalista, prezava pelo bom e velho jornalismo em sua forma original.

Leia mais:  Seleção feminina perde nos pênaltis e é vice de Torneio Amistoso Internacional

Leia também: ESPN Brasil demite vice-presidente e outros nomes de peso do jornalismo

Em 2016, Trajano, que continuou na grade como comentarista, teve seu contrato rescindido pela emissora por opção de Palomino, insatisfeito com algumas manifestações de cunho político proferidas por José ao longo de alguns episódios. O veterano sempre reclamou da decisão tomada pelo diretor, e desde então, sempre deixou mensagens críticas ao seu desafeto na internet.

“Morte definitiva”

Em seu programa na TVT, emissora do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Trajano classificou o dia das demissões como a morte da ESPN.

Leia também: Em nota, entidade diz que Mauro Cezar, da ESPN, ‘destila veneno’ contra técnicos

“Hoje, houve uma série de demissões de pessoas queridas e pessoas não tão queridas assim. Só um breve comentário, quero falar sobre isso com mais detalhes amanhã, mas hoje é a segunda morte e definitiva do canal ESPN ”, disse de forma dura o jornalista.

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Fórmula 1 cancela GP Brasil este ano em Interlagos

Publicado

A Fórmula 1 cancelou hoje (24) o Grande Prêmio (GP) do Brasil que ocorreria em 15 de novembro. Será a primeira vez, desde 1973, que a corrida não será realizada no país. O anúncio feito nesta sexta-feira (24) por meio de nota oficial da  Fórmula One Management, organizadora do evento. 

Além do GP do Brasil no autódromo de Interlagos, também foram cortadas da temporada deste ano outras três provas: Canadá, Estados Unidos e México. As corridas estavam previstas para acontecer entre outubro e novembro, com exceção do GP do Canadá, que seriam em em junho.

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, comentou a decisão durante coletiva de imprensa sobre a situação da pandemia do novo coronavírus (covid-19), em São Paulo. Covas disse que a prefeitura vai respeitar a decisão dos organizadores da Fórmula 1. No entanto, ressaltou que a capital paulista, em novembro, estará em situação melhor do que nas cidades onde já ocorreram corridas este ano. Covas afirmou ainda que as tratativas pra renovação do contrato da Fórmula 1 em Interlagos no ano que vem continuam. O contrato termina este ano.

No início deste mês, o chefe da Mercedes, o austríaco Toto Wolff, já havia se pronunciado sobre a inviabilidade de realização do GP no país. Na ocasião, ele revelou o teor da conversa que teve com o diretor executivo da F1, o norte-americano Ross Brown, sobre o risco de realizar o GP no Brasil diante do descontrole da pandemia do novo coronavírus (covid-19) no país.

Leia mais:  Fernando Diniz é demitido do Fluminense após derrota para o CSA

Por meio de mensagem publicada o Twitter, os organizadores comentaram a decisão.

“Com a pandemia da COVID-19 em curso, significa que, infelizmente, não será possível competir no Brasil, EUA, México e Canadá este ano. Esperamos voltar na próxima temporada para as Américas para fazer um show para nossos fãs apaixonados da região.” e ainda completou em nota publicada no site – “Também queremos prestar homenagem aos nossos incríveis parceiros nas Américas e esperamos voltar com eles na próxima temporada, quando mais uma vez conseguirem emocionar milhões de fãs ao redor do mundo.”

Por meio de nota oficial, a  assessoria de comunicação da empresa Interpub, responsável pelo GP Brasil, disse: “Sobre as notícias divulgadas hoje, 24/07/2020, dando conta do cancelamento do GP Brasil de Fórmula 1 e das demais corridas das Américas, comunicamos que não recebemos até o presente momento nenhuma comunicação oficial da Federação Internacional de Automobilismo e, dessa forma, não poderemos nos manifestar”.

A Fórmula 1 deveria iniciar em março, mas teve de ser adiada por causa da explosão de casos de covid-19 pelo mundo. Ao todo, 15 provas já foram afetadas pela insegurança sanitária, sendo que sete delas (Austrália, Mônaco, França, Holanda, Azerbaijão, Cingapura, Japão, Brasil, Canadá, Estados Unidos e México) foram canceladas. Já outras quatro provas acabaram adiadas (Bahrein, Vietnã, China e Espanha).

Leia mais:  Emiliano Sala enviou áudio antes de avião desaparecer “está caindo aos pedaços”

Por outro lado, mais três circuitos foram confirmados para a temporada 2020. Em Nürburgring (GP da Alemanha), acontecerá em 11 de outubro. Já o de Portimão (GP de Portugal) aparece como novidade. Ele foi agendado para 25 de outubro, e será a primeira vez que o Circuito Internacional de Algarve sediará uma corrida de F1. O país não recebia um evento de Campeonato Mundial da categoria desde 1996. Por fim, o de Ímola (GP da Emilia Romagna) está marcado para 1º de novembro, na Itália.

Com o calendário revisado devido à pandemia, os organizadores da Fórmula 1 reiteraram o objetivo de completar o Campeonato Mundial com a disputa de 15 a 18 provas. Inicialmente era previsto 22 circuitos. O encerramento da competição deverá acontecer em dezembro, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Por Rafael Monteiro – Repórter da Rádio Nacional – Rio de Janeiro

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana