conecte-se conosco


Polícia

Temor de ‘salve geral’ deixa ruas de Cuiabá vazias e provoca reforço policial

Publicado

O temor da ocorrência de um novo ‘salve geral’ série de ataques realizados por bandidos contra o Estado, deixou as ruas de Cuiabá vazias na noite da última terça-feira (14) e provocou um reforço policial em regiões estratégicas da capital mato-grossense e de Várzea Grande, que fica na região metropolitana. Desde a noite de terça-feira (13), áudios têm circulado pelas redes sociais apontando para um possível ataque. A Secretaria de Segurança Pública (Sesp) trata internamente o fato como boato, mas deixou seus profissionais em alerta.

A reportagem transitou por algumas ruas e avenidas de Cuiabá na noite da última quarta-feira. Pôde-se perceber um movimento bastante menor do que o normal pelas vias e também de pedestres na rua. Os ônibus circulavam normalmente.

Além disto, Cuiabá e Várzea Grande receberam ações de saturação da Polícia Militar, que fez um trabalho preventivo pelas ruas das duas cidades. Na ‘Cidade Industrial’, a Força Tática realizou uma operação com rondas e abordagens em diversos bairros, na intenção de coibir qualquer prática criminosa.

Uma fonte da Segurança Pública que, por enquanto, o cenário é de tranquilidade. Isso porque grande parte das mensagens é tratada como boatos espalhados para causar temor na população. Porém, não está descartado que algo aconteça. Sendo assim, policiais e agentes estão em alerta.

Os grupos estão sendo monitorados pelos setores de inteligência do Estado, que avaliam a veracidade das ameaças. Uma das pessoas que difundiram áudio, Samuel de Souza Valdivino, foi preso em flagrante ontem às 15h30, em uma ação integrada pelas polícias Judiciária Civil e Militar, no município de Lucas do Rio de Verde (360 km de Cuiabá).

A presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindspen), Jacira Maria da Costa, reforçou o aviso para que os profissionais da categoria estejam atentos durantes os próximos dias. “Queremos dizer aos agentes para tomar cuidado com retaliação por esta operação. Sair com cautela de casa, não ir a bares, não sair com uniformes. Quando chegar em casa, sugerimos dar uma rodada antes de entrar. Quando tem este tipo de operação, existe a retaliação dos que estão com excesso de regalias”.

Leia mais:  Polícia Civil prende pastor por assédio sexual a criança em Poconé

A operação de reforma na Penitenciária Central do Estado foi iniciada na segunda-feira (12.08) e estão sendo realizadas mudanças nas celas, pinturas e retirada de produtos que estão em desconformidade com o Manual de Procedimento Operacional Padrão do Sistema Penitenciário.

Além da reforma, a operação de revista geral tem o objetivo de fortalecer as ações de enfrentamento a crimes que possam ser cometidos dentro da unidade penal, além de se antecipar a possíveis atos delituosos.

Durante esta semana estão suspensas as visitas aos reeducandos, assim como o atendimento a advogados e defensores públicos. Apenas as escoltas emergenciais, em caso de saúde, serão realizadas.

A operação é realizada apenas na Penitenciária Central do Estado, não sendo estendida a nenhuma outra unidade no interior ou mesmo na Capital.

Entre os materiais em excesso que estão sendo retirados, segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindspen), estão televisores, ventiladores, prestobarba, sanduicheiras e outros eletrodomésticos. “É uma limpa. O excesso atrapalha o trabalho de revista dentro da unidade. É até uma questão de saúde, temos um número alarmante de doenças infectos contagiosas”, disse a presidente do Sindspen, Jacira Maria da Costa.

Ameaça

Áudios que circulam pelas redes sociais apontam para a possibilidade de um novo ‘salve geral’ em Cuiabá. As mensagens começaram a circular na última terça-feira (13), após um limpa ser feito dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE), com o objetivo de fortalecer as ações de enfrentamento a crimes que possam ser cometidos dentro da unidade penal, além de se antecipar a possíveis atos delituosos. A Secretaria de Segurança Pública (Sesp) informou que os envolvidos serão responsabilizados criminalmente.

Leia mais:  Madeiras apreendidas pela PRF são utilizadas na revitalização de parque ambiental em Mato Grosso

 

 

Confira a nota da Sesp na íntegra:

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) esclarece que os áudios de “salve” atribuídos a uma facção criminosa estão sendo analisados e os responsáveis por difundi-los serão responsabilizados criminalmente.

Uma das pessoas que difundiram áudio, Samuel de Souza Valdivino, foi preso em flagrante ontem às 15h30, em uma ação integrada pelas Polícia Judiciária Civil e Polícia Militar no município de Lucas do Rio de Verde (360 km ao Médio Norte) pelos crimes de tráfico de drogas e enquadrado no artigo 2º da Lei 12850/2013 por promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa, cuja a pena é de 3 a 8 anos reclusão, além de multa.

A operação de reforma na Penitenciária Central do Estado foi iniciada na segunda-feira (12.08) e estão sendo realizadas mudanças nas celas, pinturas e retirada produtos que estão em desconformidade com o Manual de Procedimento Operacional Padrão do Sistema Penitenciário, como freezer, por exemplo.

Além da reforma, a operação de revista geral tem objetivo de fortalecer as ações de enfrentamento a crimes que possam ser cometidos dentro da unidade penal, além de se antecipar a possíveis atos delituosos.

Durante esta semana estão suspensas as visitas aos reeducandos, assim como o atendimento a advogados e defensores públicos. Apenas as escoltas emergenciais, em caso de saúde, serão realizadas.

A operação é realizada apenas na Penitenciária Central do Estado, não sendo estendida e nenhuma outra unidade no interior ou mesmo na Capital.

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

PRF apreende mais de 800 m³ de madeira ilegal em Mato Grosso

Publicado

por

Além do combate ao transporte irregular de produto florestal, equipes realizaram fiscalização de emissão de poluentes

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) deflagrou, entre os dias 2 e 8 de julho, a terceira etapa da Operação Caapora. Em mais uma ação de combate aos crimes ambientais com foco na fiscalização de produto florestal a PRF apreendeu 842 m³ de madeira e carvão vegetal. Foram também registradas 14 ocorrências envolvendo cometimento de crime de poluição.

As fiscalizações ocorreram na BR-174, em Comodoro/MT e contaram com uma equipe de aproximadamente 16 PRFs. O INDEA (Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso) também participou das fiscalizações com 2 servidores, além de militares do Exército Brasileiro.

As cargas de madeira necessitam ser acompanhadas de nota fiscal e documento de origem florestal ou guia florestal. Qualquer irregularidade entre os documentos ou entre eles e a carga, tornam os documentos inválidos e a carga ilegal.

Com relação aos crimes de poluição, as ocorrências foram por irregularidades com ARLA 32, que é o Agente Redutor Líquido de Óxido de Nitrogênio Automotivo. Trata-se de um reagente utilizado juntamente com o Sistema de Redução Catalítica (SRC) para reduzir a emissão de óxido de nitrogênio nos gases de escape de veículos à diesel.

Leia mais:  Força-tarefa fecha duas clínicas de recuperação em Várzea Grande

Confira os resultados da Operação em Mato Grosso:

Veículos fiscalizados 629
Veículos apreendidos 39
Ocorrências 41
Madeira apreendida 842 m³
Pessoas detidas e encaminhadas 41

No ano de 2019, Mato Grosso foi o estado que mais apreendeu madeira no país, totalizando 7.000 m³. Em 2020 (de 01 de janeiro à 08 de julho), os números já somam 5.840 m³, mais que o dobro em relação ao mesmo período em 2019 (2.340 m³).

Mesmo em tempos de pandemia, a PRF vem atuando fortemente no combate aos crimes ambientais afim de garantir um meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum e direito de todos, previsto constitucionalmente.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana