conecte-se conosco


Política

STF volta hoje a julgar Geddel e irmão no caso dos R$ 51 milhões

Publicado

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) deve retomar na tarde de hoje (15) o julgamento do ex-ministro Geddel Vieira Lima e de seu irmão, o ex-deputado Lucio Vieira Lima, no caso dos R$ 51 milhões em espécie encontrados dentro de malas e sacos num apartamento de Salvador.

Em duas sessões anteriores, o relator do caso, ministro Edson Fachin, e o revisor, Celso de Mello, votaram pela condenação de ambos pelo crime de lavagem de dinheiro.

Nesta terça-feira (15), o julgamento será retomado com a continuidade do voto de Celso de Mello, que deve se pronunciar a respeito de outros crimes de lavagem atribuídos aos irmãos e também pelo de associação criminosa. Por este crime, Fachin votou também pela condenação.

Celso de Mello deverá votar também sobre a situação de Job Brandão, ex-assessor parlamentar de Lúcio, e do empresário Luiz Fernando Machado, também denunciados pelo Ministério Público Federal por envolvimento no caso. Ambos foram absolvidos por Fachin.

Além de relator e revisor, devem ainda votar no caso os demais ministros da Segunda Turma: Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

Leia mais:  Secretários cobram Governo Federal para bloqueio de celulares em estabelecimentos penais

Geddel está preso desde 2017 no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, em decorrência deste e de outros casos de corrupção do qual é alvo de investigação.

As defesa dos irmãos Vieira Lima alega que os laudos e as investigações da Polícia Federal não foram capazes de comprovar a ligação entre eles e dinheiro, e que nulidades processuais devem levar à absolvição de ambos.

As defesas de Job Brandão e de Luiz Fernando Machado sustentam que eles não tinham conhecimento da natureza ilícita do dinheiro.

Denúncia

A denúncia foi apresentada ao STF pela ex-procuradora-geral da República Raquel Dodge. Na acusação, ela sustentou que o dinheiro apreendido seria proveniente de esquemas de corrupção na Caixa Econômica Federal investigados em outras ações penais. Geddel foi vice-presidente do banco.

Outra parte teria sido acumulada por Lúcio Vieira Lima por meio do crime de peculato, em que o parlamentar se apropriou de parte do salário do ex-assessor parlamentar Job Brandão.

Além do dinheiro encontrado, outros R$ 12 milhões teriam sido lavados por Geddel e Lúcio por meio de investimentos em imóveis de alto padrão em Salvador, em empreendimentos da empresa Cosbat, administrada por Luiz Fernando Machado.

Leia mais:  Vereador Renivaldo Nascimento é o mais atuante em trabalhos externos na Câmara de Cuiabá

Saiba mais

Edição: Valéria Aguiar

Comentários Facebook
publicidade

Cidades

Corpos são trocados em hospital e família enterra parente errado

Publicado

por

Corpo de Adélio João de Souza, que tinha problemas cardíacos, foi enterrado pela família de Alaíde Rosa de Aquino, que estava com suspeita de covid-19

Um fato inusitado aconteceu na última terça-feira (26) no Hospital São Luiz, em Cáceres (225 km da Capital). Dois corpos foram trocados.  A família de Alaíde Rosa de Aquino enterrou na verdade de Adélio João de Souza, sem saber.

Adélio estava internado com problemas cardíacos e Alaíde com suspeita de covid-19. Os dois morreram na terça-feira.

Devido à confusão, o corpo de Adélio foi enterrado pela família de Alaíde, no Cemitério Park dos Ipês, em Cáceres. Alaíde é de São José dos Quatro Marcos (315 km da Capital).

Quem percebeu a confusão foi o filho de Adélio, devido à resistência do hospital em liberar o corpo de seu pai para os serviços funerários. Ao procurar o Hospital São Luiz, ele ficou sabendo que seu pai já havia sido enterrado.

Diante disso, ele procurou a família de Alaíde e ambos registraram uma denúncia na Polícia Civil.

Leia mais:  Bolsonaro tem dieta oral suspensa e vai para alimentação endovenosa

Os familiares denunciam que a unidade hospitalar tratou a situação com descaso.

O Hospital São Luiz, por meio de nota, informou que abriu uma investigação interna para apurar o que aconteceu e tomar todas as medidas cabíveis. Além disso, salientou que ofereceu suporte para as famílias.

Veja nota na íntegra:

A direção do Hospital São Luiz informa que abriu sindicância para apurar o ocorrido e adotará todas as medidas cabíveis.

A gestão mantém, de forma contínua, a revisão de protocolos de segurança e o caso mencionado não está de acordo com o rigor dos procedimentos do São Luiz.

Os familiares dos pacientes envolvidos foram informados, imediatamente, após identificada a situação, sendo oferecido todo o suporte para a resolução dos trâmites necessários.

Neste momento, o Hospital São Luiz lamenta o ocorrido e reitera seu compromisso com a população, amparado por seus princípios e a busca permanente pela qualidade, humanização e segurança nos serviços oferecidos.

Assessoria de Comunicação – Hospital São Luiz

Por: RepórterMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana