conecte-se conosco


Brasil / Mundo

Sisu 2019 abre inscrições; tire suas dúvidas e saiba como funciona

Publicado

Candidatos devem usar nota do Enem para pleitear vagas em universidades públicas.

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) abriu as inscrições nesta terça-feira (22) aos candidatos que desejam disputar uma vaga nas universidades públicas participantes. Por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), serão selecionados 235.461 estudantes para 129 instituições.

É possível se inscrever até sexta-feira, dia 25.

Abaixo, veja as principais dúvidas sobre o Sisu:

Quem pode participar do Sisu?

Para participar, é necessário ter feito o Enem 2018 e tirado nota acima de zero na redação. Os resultados individuais do exame foram divulgados na última sexta (18) e podem ser consultados na página do participante. Basta digitar o CPF e a senha cadastrada no sistema.

Para que serve o Sisu?

O Sisu oferece 235.461 vagas em diversas universidades públicas. Deixa de ser necessário fazer um vestibular para cada uma – por esse sistema, o candidato usa a nota do Enem para pleitear uma vaga nas 129 instituições de ensino participantes.

Como funciona?

O Sisu é um sistema que usa a nota do Enem para selecionar alunos que desejam estudar em universidades públicas do país. Ele funciona assim:

  • a partir do dia 22 de janeiro, o candidato deve entrar no site do Sisu (http://sisu.mec.gov.br/)
  • na página do sistema, é possível fazer uma busca por universidade, curso ou município. Por exemplo: “odontologia” em “Curitiba”. O sistema exibirá todas as instituições na capital paranaense que dispõem de vagas nessa graduação.
  • o candidato deve escolher duas vagas para disputar e confirmar a inscrição para elas. Atenção: é preciso indicar a ordem de preferência.

Feito isso, o ideal é que o candidato fique atento até sexta-feira, dia 25, quando o sistema fechará as inscrições. É possível mudar as opções de curso no decorrer da semana, com base nas notas de corte parciais que são divulgadas.

Leia mais:  Ministro do STJ concede liberdade a Neri Geller

O que são essas notas de corte?

O Sisu divulga, uma vez por dia, uma nota de corte parcial para cada modalidade e curso. Ela é uma referência para ajudar o estudante a se inscrever em uma opção na qual realmente tenha chances de aprovação.

Ela é calculada da seguinte forma: supondo que sejam 30 vagas de ampla concorrência no curso de educação física, na universidade X. No primeiro dia, 60 candidatos se inscrevem para essa opção. Entre eles, vão ser aprovados os que tiverem as 30 maiores notas no Enem. Ou seja: a nota de corte será a 30ª mais alta. Exemplo: 642 pontos.

Se, no dia seguinte, alunos com desempenho melhor se inscreverem, esse patamar vai subir. Por isso, é importante ficar atento e selecionar opções em que haja chance real de aprovação. Se a nota do candidato for de 450, dificilmente ele será selecionado em um curso cuja pontuação mínima seja 642. Vale procurar outra opção.

É bom repetir: a nota de corte é só uma referência. Mesmo após a última ser divulgada, na sexta-feira, outros participantes podem se inscrever até o fim do dia – o que muda a nota mínima. Consequentemente, só é possível saber se realmente foi aprovado quando os resultados forem publicados (28/01).

O que acontece se eu passar só na segunda opção?

Se o candidato for selecionado somente na segunda opção de curso, essa será sua única oportunidade de se matricular pelo Sisu. Ele não poderá participar da lista de espera.

O que acontece se eu não passar em nenhuma das opções? Participo da lista de espera?

Caso o candidato não seja aprovado, precisará manifestar interesse em participar da lista de espera. Ele deverá escolher uma das opções de curso para tentar novamente.

Leia mais:  Posse de Jair Bolsonaro terá cobertura especial

Cada universidade disponibilizará um determinado número de vagas com base nas que não foram ocupadas na 1ª chamada.

Comentários Facebook
publicidade

Brasil / Mundo

Jornalista Boechat, um farol para várias gerações de jornalistas até denunciando presidiário golpista: Olhe vídeo

Publicado

por

Ricardo Boechat era um exímio jornalista e tinha uma grande habilidade em revelar notícias. Durante a carreira, ganhou três prêmios Esso de jornalismo, a mais importante premiação do Brasil.

Uma das reportagens foi “Sinal verde para o contrabando”, escrita para o jornal “O Globo” e publicada em 2001 em parceria com Bernardo de La Peña e Chico Otavio. Nela, Boechat e os outros dois jornalistas revelaram as fragilidades da alfândega brasileira e a facilidade que os importadores encontravam para trazer suas mercadorias para o país sem qualquer endosso formal.

Ricardo Boechat trabalhou com o colunista Ibrahim Sued de 1970 a 1983.

Neste vídeo é possível ver a habilidade de Boechat mesmo no momento de fazer denúncia.  O Jornalista conversa  com presidiário que aplica golpes através de mensagens de celular, de dentro da Casa de Privação Provisória de Liberdade IV ( CPPL IV), no município de Itaitinga, Ceará.

Comentários Facebook
Leia mais:  Corpo do jornalista Ricardo Boechat é velado no Museu da Imagem e do Som em SP
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana