conecte-se conosco


Política

Segundo suplente aponta irregularidade de Cattani e requer posse imediata

Publicado

Diplomado como segundo suplente do Partido Social Cristão (PSL) nas eleições de 2018, o médico Emílio Populo Souza Machado requereu na manhã desta segunda-feira (15) a posse imediata do cargo de deputado estadual na vaga deixada por Silvio Fávero.

Em sua defesa, Emílio afirmou que o primeiro suplente, Gilberto Cattani, – que assumiu a vaga após a morte de Fávero – não poderia ocupar a cadeira, uma vez que saiu do PSL em 2020 e concorreu à eleição suplementar ao Senado pelo PRTB.

Em documento encaminhado ao presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado Max Russi (PSB), Emílio destacou 3 pontos que supostamente o tornariam o suplente adequado para ocupar a vaga.

O primeiro ponto sinaliza a incompatibilidade de Cattani com a vaga sob a prerrogativa de que os laços com o PSL foram rompidos com sua ida para o PRTB.

Emílio também sustenta que Cattani defendeu pautas de outro partido no pleito de 2020, o que configuraria “desvio de finalidade da refiliação”. Além disso, argumentou que o primeiro suplente não poderia retornar para o partido sem “nenhum ônus”.

Leia mais:  Kalil nomeia primo e gera insatisfação

Conforme noticiado pelo portal , o presidente estadual do PSL, Aécio Rodrigues, afirmou que o caso renderia “briga interna” na legenda, que provavelmente evoluiria para disputa judicial.

“Hoje a vaga é do Cattani que foi diplomado como primeiro suplente e ele está filiado no PSL desde o dia 22 de fevereiro deste ano”, disse o presidente. “Vai ter briga interna, mas acho que poucos vão questionar”, acrescentou.

Cattani foi procurado pela reportagem e se reservou a não comentar sobre o tema, destacando o fato de ser próximo da família de Fávero e pontuando que respeitaria o momento de luto.

Sílvio Fávero morreu no último sábado (13) de infecção generalizada, em decorrência da covid-19, após 9 dias de internação.  Advogado e produtor rural, o político chegou a Mato Grosso em 1990 e foi vice-prefeito de Lucas.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Secretário vê risco em reabrir escolas e afirma que neta estudante foi infectada

Publicado

Andhressa Barboza/ rdnews

O retorno das aulas presenciais em Mato Grosso não deve ocorrer em breve. Com risco alto de contaminação pela Covid-19, as escolas são locais críticos para espalhar o vírus e preocupa autoridades como o secretário chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho. Ele relata ter visto toda sua família ser infectada após sua neta de apenas 4 anos, que estava frequentando a escola, ficar doente e acabar contaminado parentes próximos.

Na minha família, até dias atrás, estavam todos contaminados e quem trouxe o vírus para casa foi minha neta de 4 anos que estuda em uma escola privada

Chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho

Ele contou o caso, que é recente, após ser questionado sobre um Projeto de Lei que tramita na Assembleia que prevê a inclusão das instituições de ensino públicas e privadas na lista de serviços essenciais.

“Eu tenho muita dúvida com relação a isso. Na minha família, até dias atrás, estavam todos contaminados e quem trouxe o vírus para casa foi minha neta de 4 anos que estuda em uma escola privada. Então, tenho muita dúvida com relação ao retorno das aulas”, alertou.

Leia mais:  Comissão de Constituição e Justiça tem 22 matérias na pauta dessa terça-feira

Na última semana, o governador Mauro Mendes (DEM) sinalizou que não deve sancionar o projeto que já passou em primeira votação pela AL. Ele também alertou, sem citar o caso de Carvalho, que crianças podem ser infectadas e contaminar parentes.

“Você pega uma escola estadual como a presidente Médici, tem 2 ou 3 mil alunos uma escola dessa. Como vamos fazer? Temos que avaliar cientificamente e eu não gostaria de dar a minha opinião, até pelo que aconteceu com a minha família, mas é uma situação que vamos avaliar com muito carinho”, ponderou Mauro Carvalho.

Em relação ao PL, o secretário preferiu não ser direto em defender uma postura contrária. Mas quis deixar evidente o risco de abrir escolas em um momento crítico para a saúde pública que está em colapso há mais de um mês. Já são mais de 8,4 mil mortos pela doença no Estado e, diariamente, a fila de espera de pessoas graves que aguardam vaga em UTI passa de 100 pessoas.

Leia mais:  Kalil nomeia primo e gera insatisfação

“Eu não conversei com o governador sobre essa situação (do PL), mas isso merece um estudo bem aprofundado para que a gente não cometa nenhum ato que vá prejudicar as pessoas. Os critérios precisam ser pensados com muito equilíbrio”, concluiu.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana