conecte-se conosco


Política

Secretário e deputado batem boca durante audiência na AL

Publicado

A audiência com o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, na manhã desta quinta-feira (11), terminou com uma discussão acalorada com o deputado estadual Ulysses Moraes (PSL). Figueiredo foi convidado para prestar esclarecimentos sobre a vacinação contra a covid-19.

Essa não é a primeira vez que secretário e deputado se enfrentam. No fim de janeiro, o parlamentar acusou o Estado de “sumir” com 30 mil doses da vacina. Desta vez, Ulysses apontou diferenças nas doses que sobraram após a destinação aos municípios, onde dois documentos foram assinados com a mesma data, mas continham dados diferentes.

O secretário acusou Ulysses de fazer “show pirotécnico, midiático para simplesmente aparecer”. Durante a discussão, Gilberto chegou a afirmar que o deputado “não iria dar ordens” a ele e que os “ataques” feitos contra a Secretaria de Saúde seriam “maldade para quem está no combate da pandemia”.

 

Com os ânimos exaltados, a discussão precisou ser intermediada pelos outros deputados presentes. Lúdio Cabral (PT), pediu que Ulysses Moraes fizesse todos os questionamentos que seriam respondidos ao final pelo secretário.

Leia mais:  Projeto proíbe cobrança de taxa de religação de água

 

Já o deputado Dr. Eugênio (PSB) afirmou que Ulysses foi desrespeitosi com o secretário e que os parlamentares não poderiam agir de “forma indelicada” com o convidado.

 

Sobre a diferença nas resoluções aplicadas, Gilberto afirmou que não iria responder apenas porque o deputado “ficou balançando os papéis na mão e fazendo acusações”, mas que iria checar a situação para responder formalmente a demanda.

 

Enquanto os dois discutiam, o secretário não respondeu sobre a demora para a vacina no estado, que está em 13º lugar na imunização da população entre os estados brasileiros.

Por outro lado, ele também não poupou críticas aos prefeitos que abriram a vacinação para idosos com menos de 90 anos, pois a indicação do Ministério da Saúde para essa nova remessa é para uma faixa etária específica.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Após denúncia de falsa aplicação, MPMT quer que municípios guardem frascos vazios de vacina

Publicado

Para evitar possíveis desvios de estoque de vacinas contra a Covid-19, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT) recomendou aos municípios de Cuiabá e Rondonópolis que adotem o controle de frascos após o esvaziamento das doses e confiram a quantidade de unidades antes do descarte

No documento, os promotores de Justiça destacam a importância da adoção de medidas para evitar irregularidades não só na organização do estoque, mas também em relação à aplicação dos frascos da vacina.

“A sugestão apresentada é para que sejam definidos protocolos de transparência na aplicação das vacinas contra a Covid-19, nos quais o usuário possa verificar a entrada e saída do imunizante, com a dose em seu interior antes da aplicação e vazia após sua inserção”, destacou o MPMT.

Na terça-feira (23), uma família de Cuiabá, denunciou que o idoso Benedito Barros Santiago, 88 anos, não teria sido realmente vacinado. O momento da imunização foi gravado e compartilhado nas redes sociais. Entretanto, conforme os familiares quando a agulha é retirada do braço do idoso, o líquido ou parte dele continuou na seringa.

Leia mais:  Tucanos lançam rodada de cursos para capacitar filiados em Mato Grosso

De acordo com a fotógrafa Jakeline Zaiden, parente de Benedito, ele teria sido vacinado em 12 de fevereiro no Centro de Eventos do Pantanal.

“Duas amigas me disseram para olhar novamente o vídeo alertando que ele não teria sido vacinado. Enquanto eu aguardava os 15 minutos para ver se não tinha contrarreação, eu vi que foi algo bem rápido e não foi completo. Eu falei com outros profissionais de saúde e me disseram que não foi aplicado”, disse a mulher em entrevista à TV Centro América.

Jakeline ressaltou que devido às dúvidas, a família decidiu procurar o MPMT.

Por meio de nota, a Prefeitura de Cuiabá informou que as imagens foram encaminhadas às autoridades policiais competentes para análise e perícia. Conforme a pasta, a decisão foi tomada para que não haja o risco de se cometer uma injustiça com os profissionais de Saúde envolvidos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana