conecte-se conosco


Política

Secretaria de Saúde orienta municípios no combate e prevenção à hanseníase

Publicado

Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso (SES-MT) inicia o ano de 2020 estimulando a conscientização da população quanto à necessidade de prevenção e combate à Hanseníase, por meio da campanha Janeiro Roxo, que tem como objetivo a promoção do diagnóstico precoce, o tratamento, a prevenção e a quebra de preconceitos.

Neste contexto, a SES-MT conclama a sociedade em geral para utilizar a cor roxa, internacionalmente adotada nas fachadas de prédios e repartições públicas e/ou de sedes com grande circulação de pessoas.

As Coordenadorias de Atenção às Doenças Crônicas (COAC) e de Promoção e Humanização da Saúde (COPHS) chamam a atenção para o lema da Campanha Nacional de 2020, adotado pela Sociedade Brasileira de Hansenologia: “Todos Contra a Hanseníase”.

Para o Janeiro Roxo, a SES alerta para a importância dos municípios intensificarem as ações e discussões acerca da hanseníase, em especial nos programas Saúde na Escola, Bolsa Família, Estadual Pró-Família e demais ações intersetoriais das Secretarias Municipais de Educação, Assistência Social e outras. A iniciativa tem foco na intra e intersetorialidade destas ações, ressaltando a importância do diagnóstico precoce de pessoas com hanseníase e a avaliação de seus contatos (familiares de convívio próximo e prolongado).

“A avaliação dos contatos das pessoas acometidas pela hanseníase durante, pelo menos, cinco anos após o diagnóstico é outra iniciativa de primordial importância”, ressalta Edriane Cristhina Catarin, servidora da Coordenadoria de Atenção às Doenças Crônicas da SES.

De acordo com os profissionais especializados, é prioritário o desenvolvimento de estratégias para a busca ativa dos contatos pelas equipes de atenção primária da Saúde em articulação com os demais setores do poder público. Também é fundamental a ampla divulgação de informações relacionadas à doença, visto que a hanseníase tem cura e o tratamento é feito no Sistema Único de Saúde (SUS).

Estatísticas

O Brasil ocupa a 2ª posição no ranking entre os países que registram casos novos, ficando atrás somente da Índia. O Estado de Mato Grosso detém as maiores taxas de detecção de hanseníase do país e, por esse motivo, é reconhecido como hiperendêmico.

Segundo os dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), no ano de 2016, foram registrados 2.658 casos novos em Mato Grosso, correspondendo a uma taxa de detecção de 80,4/100.000 habitantes.

No ano de 2017, foram registrados 3.477 casos novos, correspondendo a uma taxa de detecção de 105,2/100.000 habitantes. Em 2018, foram registrados 4.713 casos novos correspondendo a uma taxa de detecção de 134,1/100.000 habitantes. Destes, 199 casos novos ocorreram em menores de 15 anos.

Leia mais:  Governo Mauro fala até em demitir efetivos

Os dados disponíveis no SINAN para o Estado de Mato Grosso reforçam a presença de focos de infecção sem diagnóstico e de cadeias de transmissão recentes da doença.

Para enfrentar a hanseníase, a partir da consciência plena de Estado Hiperendêmico, a SES construiu o Plano Estadual Estratégico de Enfrentamento da Hanseníase – PEHAN 2018-2020 –, enfatizando estratégias possíveis para a redução da carga da hanseníase no Estado, pautadas nos direitos humanos fundamentais de respeito à vida e à dignidade humana, na humanização das práticas e na promoção da saúde.

“Há uma escolha estratégica, por parte do Governo do Estado, pelo diagnóstico precoce da doença e pela execução do Plano Estratégico de Enfrentamento da Hanseníase. Neste cenário, Mato Grosso faz um grande esforço junto à atenção primária, com um trabalho efetivo de qualificação das equipes de saúde. A busca por pacientes que possivelmente estão contaminados deve ser uma iniciativa de interesse nacional. Muitas pessoas podem, neste momento, transmitir a doença sem nem sequer saberem que estão contaminadas”, explica o secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo.

O Plano foi elaborado pela SES, conjuntamente ao Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Mato Grosso (Cosems), e legitimado como um plano de Estado por meio do cumprimento de uma extensa agenda de capacitações voltadas ao diagnóstico e enfrentamento da doença em vários pontos estratégicos do Estado; a gestão estadual também conta com as parcerias do Instituto Lauro de Souza Lima e Alliance Against Leprosy Institute, que auxiliam no melhor alcance do conhecimento necessário e promovem a melhoria do desempenho clínico e multiprofissional.

A SES também realiza o serviço de orientação permanente aos profissionais de saúde por meio do Núcleo Telessaúde de Mato Grosso, direcionado aos servidores que atuam na atenção primária, com serviços de Teleconsultoria, Telediagnóstico e Tele Educação. Profissionais da atenção primária cadastrados na plataforma do Telessaúde podem solicitar teleconsultorias para auxílio na elucidação diagnóstica de casos clínicos ou outras informações pertinentes sobre a abordagem da doença: http://www.telessaude.mt.gov.br/.

No Telessaúde, também é possível acessar e reproduzir o Manual Informativo nº 1, que trata o tema hanseníase para os agentes comunitários de saúde: http://www.telessaude.mt.gov.br/Arquivo/Download/4201.

O que é hanseníase

Leia mais:  Onyx: europeus usam discurso ambiental como barreira ao Brasil

A hanseníase é uma doença crônica, transmissível, de notificação compulsória e investigação obrigatória em todo o território nacional. A doença acomete homens e mulheres de qualquer idade. Entretanto, para que ocorra a infecção, é necessário um longo período de exposição à bactéria denominada Mycobacterium leprae, por meio de contato próximo e prolongado com uma pessoa acometida pela hanseníase; apenas uma parcela da população infectada realmente adoece.

A doença pode ocasionar lesões neurais, conferindo-lhe um alto poder incapacitante. Esta é a característica principal relacionada ao estigma e discriminação às pessoas acometidas pela hanseníase.

Informações sobre a hanseníase

Para facilitar o acesso da população às informações o diagnóstico e tratamento da hanseníase, vários endereços eletrônicos disponibilizam farto material instrutivo e de alta qualidade e relevância. O site oficial do Ministério da Saúde mantém uma página atualizada sobre a hanseníase, contendo fluxos, protocolos clínicos, diretrizes terapêuticas, informações técnicas e publicações da área: http://saude.gov.br/saude-de-a-z/hanseniase.

A Organização Mundial da Saúde orienta sobre a Estratégia global para hanseníase 2016-2020: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/06/Estrategia-Global-paraHanseniase-OMS-2016-2020.pdf.

A Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) disponibilizou o acesso às peças da campanha “Todos Contra a Hanseníase”: http://www.sbhansenologia.org.br/campanha/janeiro-roxo.

A SBH criou a página de Facebook da campanha “Todos Contra a Hanseníase”. Trata-se de página interativa contendo fotos e vídeos de casos clínicos e atividades desenvolvidas pela SBH com o lema da campanha:  https://www.facebook.com/todoscontraahanseniase/. Além de também disponibilizar as ações desenvolvidas pela SBH no seguinte endereço eletrônico: https://www.facebook.com/SBHansenologia/.

O enfrentamento à hanseníase conta com o importante apoio da Associação Alemã de Assistência aos acometidos pela hanseníase e tuberculosos (DAHW – Deutsche Lepra – und Tuberkulosehilfe). No Brasil, a organização está presente em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas e Maranhão. Contudo, desde o ano de 2016, a FUNDHANS assumiu a gestão dos projetos da DAHW no Brasil: https://www.dahw.org.br/.

O Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (MORHAN) tem como missão “possibilitar que a hanseníase seja compreendida na sociedade como uma doença normal, como qualquer outra com tratamento e cura, eliminando assim o preconceito e estigma em torno da doença”. O site possibilita uma viagem na linha do tempo para conhecer a história de sofrimento e superação de Francisco Nunes, o Bacurau, ícone de resistência e luta pelos direitos das pessoas com hanseníase: http://www.morhan.org.br/. A ONG disponibiliza ainda o serviço de Telehansen, desenvolvido pela MORHAN, que é um canal voltado ao esclarecimento de dúvidas sobre a hanseníase, ligue 0800 026 2001.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Após anúncio de fechamento, parlamentar visita Escola Estadual Nilo Póvoas

Publicado

por

Foto: MARCOS LOPES / ALMT

No início de 2020, a direção da Escola Estadual Nilo Póvoas, no bairro Bandeirantes, em Cuiabá, foi informada de que o prédio será fechado e os alunos remanejados para a Escola Estadual Antônio Epaminondas, no bairro Lixeira. Mas, em inspeção na unidade, a partir do argumento de que não há alunos sufientes para justificar a ocupação das salas de aula local, o deputado estadual Ulysses Moraes ficou surpreendido ao constatar que a escola está com todas as salas ocupadas e que atualmente já é frequentada por alunos de três unidades fechadas na capital nos últimos anos.

A orientadora de Ciências Humanas, Lilian Novack Silva, informou que nenhuma portaria foi publicada sobre a decisão de fechar a escola; apenas uma conversa foi feita de forma informal com a direção. “As informações, que também não são oficiais, relatam que os alunos serão remanejados para outra escola que possui apenas oito salas, ou seja, não tem capacidade para atender nem os alunos que já estão lá. A estrutura interna e externa está comprometida, a locomoção dos alunos do Nilo Póvoas será dificultada, além da unidade ao qual citam como local de remanejamento estar com pendências administrativas. Estamos com a sensação de que seremos jogados na rua a qualquer momento, o sentimento é de velório”, falou emocionada a orientadora.

Leia mais:  Bolsonaro defende excludente de ilicitude contra protestos violentos

Das 20 salas que estão ocupadas na escola Nilo Póvoas, 12 delas são temáticas, a estrutura ainda possui dois laboratórios de informática, uma biblioteca, duas quadras esportivas, dois vestiários, cinco banheiros, dois auditórios e disciplina de robótica, que a diferencia de outros modelos de ensino.

“No ano passado, fiquei afastado da escola porque tive que cuidar do meu avô e, quando retornei, não pensei em outro lugar, voltei aqui para a [escola] Nilo Póvoas. Não é falta de alunos como dizem, acredito que quem quer estudar está aqui porque o ensino é bom”, relatou o estudante João Henrique Aparecido Freitas, de 17 anos, estudante do 3° ano do ensino médio.

“Vamos encaminhar requerimento de informação para saber qual a justificativa para fechamento de uma unidade que está em pleno funcionamento e se a secretaria tem algum objetivo para querer este prédio que está em uma região central”, questiona Ulysses Moraes.

A Escola Nilo Póvoas está encerrando o ano letivo de 2019 devido às greves que ocorreram por mais de 70 dias no ano passado e acreditam que o comunicado de fechamento será feito assim que concluírem as atividades no próximo mês.

Leia mais:  Comissão aprecia novos projetos para irem à votação

Pais e alunos ainda não foram comunicados oficialmente da decisão para realizar a matrícula do ano letivo de 2020. A escola possui 30 profissionais, destes, quatro são concursados e os demais contratados.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana