conecte-se conosco


Mato Grosso

Secel organiza encontro para reunir setor esportivo do Estado

Publicado

Depois de mais de cinco anos, integrantes do Sistema Estadual de Desporto de Mato Grosso voltaram a se reunir para tratar de assuntos da área na terça-feira (16.10). O encontro, convocado pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), contou com a participação de atletas, árbitros, treinadores e representantes de Federações, de associações, clubes e ligas esportivas e do Conselho Estadual do Desporto (Consed). 

“Nós precisamos reorganizar urgentemente a atuação de nossas instituições esportivas, precisamos trabalhar juntos para avançarmos na prática do esporte em Mato Grosso”, expressou logo no início da reunião o titular da Secel, Allan Kardec.

O encontro teve como objetivo o fortalecimento do Sistema Estadual de Desporto, iniciativa elogiada pelos participantes, já que há muito tempo o setor não era chamado para discutir em conjunto os rumos e as dificuldades do esporte no Estado. 

“É muito importante os esportistas se reunirem, mesmo que a representatividade ainda tenha sido pequena nessa primeira reunião, mas já é um bom recomeço. No governo  passado nem isso havia. É impar essa reunião, é impar que todos tenham participação, temos que ser críticos sim, temos que fazer tudo para conquistar o melhor, para que todos os esportes tenham seu lugar ao sol”, manifestou Vladmir Leonardo Zanca, presidente da Federação de Karatê- Dô Tradicional de Mato Grosso.

Leia mais:  Pediatra do Mato Grosso Saúde orienta mães sobre cuidados com a saúde dos filhos

Pautados principalmente pela necessidade de cadastro das entidades esportivas e os critérios para escolha dos membros do Consed para o próximo quadriênio, os participantes puderam expor suas reclamações, opiniões e sugestões sobre os dois processos. Problemas para efetivar o cadastramento e propostas de melhorias foram elencadas e serão analisadas em próximas reuniões do Conselho, conforme afirmou o presidente da entidade representativa, Francisco Pessoa Fernandes Júnior.

De acordo com o secretário adjunto de Esporte e Lazer da Secel, Jefferson Carvalho Neves, é fundamental que todas as instituições esportivas de Mato Grosso, e não somente as federações, se cadastrem no Consed e façam parte efetivamente do Sistema Estadual do Desporto. “Se as entidades não participam, o Conselho deixa de ser representativo”, frisou.

O adjunto também destacou a relevância do envolvimento de todo o setor esportivo para a gestão da pasta de Esporte e Lazer.  “Nossa intenção é construir juntos a política e o plano estadual, que inclusive está sendo implementado com a participação da sociedade. E sabemos que é fundamental dialogar com quem representa os esportistas mato-grossenses, precisamos nos conhecer, nos unir”, declarou Jefferson. 

Leia mais:  Chamamento público abre credenciamento para fornecedores de insumos médicos

Participaram do encontro Federações Esportivas como as de futsal, jiu-jitsu, karatê dô tradicional, voleibol, futebol 7 society, handebol, basquete, basquete máster, judô e atletismo. 

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Pesquisa da Unemat avalia efeito da variação de temperatura sobre a pressão arterial

Publicado

por

Considerada a epidemia do milênio, a doença renal crônica tem como principais causas a pressão arterial alta e a diabetes. É sabido que o descontrole da pressão arterial está presente em até 90% dos pacientes em hemodiálise, e muitos estudos apontam a influência dos fatores meteorológicos na pressão arterial. O perfil dos pacientes renais crônicos é composto, em sua maioria, por homens, idosos, hipertensos e que fazem uso de vários medicamentos para o controle da pressão alta.

Quando a enfermeira nefrologista Shaiana Vilella Hartwig fez a revisão bibliográfica para a sua tese de doutorado, “Fatores Meteorológicos e as alterações na pressão arterial e laboratorial dos pacientes em hemodiálise no Pantanal Mato-Grossense”, descobriu que não havia quantificação do efeito da temperatura sobre a pressão arterial dos pacientes em hemodiálise e, consequentemente, para pessoas em hemodiálise em clima tropical, como é o caso do Brasil.

A pesquisadora constatou que outras variáveis clínicas também influenciam na pressão arterial, e esses dados serviram de ajuste para descobrir o efeito da temperatura.

Shaiana é professora no curso de Enfermagem da Universidade de Mato Grosso (Unemat), em Cáceres, e leciona disciplinas de Epidemiologia, Saúde do Trabalhador, Bioestatística e Evolução do Trabalho em Enfermagem e ainda é membro do projeto Mudanças Climáticas e Saúde Humana da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Leia mais:  Comissão aprova parecer e Plenário do Senado deve votar autorização nesta quarta-feira (04)

O efeito encontrado por ela aponta que “para o aumento de cada 1ºC na temperatura média externa, diminui em 0,73 mmHg (milímetro de mercúrio) a pressão arterial sistólica e 0,28 mmHg a pressão diastólica e o inverso também é verdadeiro. Se a temperatura diminuir 1ºC, aumentará 0,73 mmHg de pressão arterial sistólica e 0,28 mmHg na diastólica”.

Quer dizer, a cada 1 grau que a temperatura ambiente externa esquenta, a pressão arterial do indivíduo se torna mais baixa e a cada 1 grau que a temperatura esfria, a pressão arterial do indivíduo se torna mais alta.

Segundo a pesquisadora, a determinação do efeito da temperatura ambiente em graus sobre a pressão arterial dos pacientes em hemodiálise passa a oferecer aos profissionais de saúde referência para o controle da mudança da pressão arterial em função da temperatura.

E o quadro piora quando se leva em conta que a maior dificuldade no tratamento do paciente em hemodiálise é o controle da pressão arterial, e devido às mudanças climáticas a temperatura do ar está aumentando de uma maneira jamais vista. As variações de temperatura diárias são em média de 5 a 9 ºC em países de clima tropical.

Leia mais:  Servidores de municípios conveniados realizam treinamento para emissão de RG

Em Cáceres e nos outros municípios do bioma Pantanal a amplitude térmica é ainda maior, variando na média de 9,7ºC em um único dia, podendo chegar à máxima de 17°C de variação.

De acordo com a pesquisadora, o perigo mora nessas oscilações de temperatura. “Para pacientes em hemodiálise as alterações de pressão, tanto para alta como para baixa, são prejudiciais, por conta da sobrecarga cardíaca, o que pode levar a internações e à morte”, explicou Shaiana, que também ressaltou a importância de que sejam tomadas medidas de controle climático.  

Ela aconselha atenção e cuidados junto aos pacientes renais crônicos em hemodiálise para mudanças na temperatura. “É importante controlar mudanças bruscas, manter o paciente aquecido nos dias frios e controlar a temperatura interna do ambiente nos dias de calor”, esclareceu Shaiana.

Hemodiálise

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana