conecte-se conosco


Cidades

Saiba como usar o dinheiro extra do 13° salário e não passar por apertos

Publicado

O final de ano se aproxima e com ele chega um alívio financeiro para muitos brasileiros: o 13º salário. Em um ano atípico, consequência da pandemia do novo coronavírus, muitas famílias viram as contas de casa apertarem e aguardam ansiosas pelo benefício.

 

Para Reinaldo Domingos, PhD em educação financeira e presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), apesar de o 13º não ter sido criado propriamente para aliviar apertos no final do ano, ele foi pouco a pouco sendo incorporado no orçamento das famílias, situação que se agravou ainda mais num cenário de crise.

 

Pensando nisso, além de Reinaldo Domingos, presidente da Abefin, o R7 Economize conversou com Teresa Tayra, educadora financeira, para preparar dicas sobre como utilizar o 13º da melhor forma possível, de acordo com as suas necessidades.

 

Dívidas

Para Domingos, dinheiro extra não deveria ser utilizado para quitar dívidas, mas, infelizmente, essa é realidade de boa parte da população brasileira, especialmente por conta da pandemia.

 

Segundo ele, não se deve sair correndo, sem pensar, para ajustar as contas.

 

É necessário entender o que se deve, qual o real fôlego para negociação e buscar credores. No entanto, “é preciso ter cuidado para não fechar acordos que não conseguirá honrar, se complicando ainda mais”.

Leia mais:  Ministro fala sobre sistema de integridade e secretária é homenageada em Congresso

 

É o que afirma Teresa também. De acordo com a educadora financeira, bons passos a se seguir são:

• Mapear o orçamento;
• Verificar se o padrão de vida está de acordo com a renda; e
• Buscar a renegociação.

Presentes de Natal

Receber o 13º na conta, mas sair às compras com cartão de crédito é uma estratégia adotada por muitos brasileiros. Porém, é um movimento que pode gerar a chamada ‘bola de neve’.

 

Teresa sugere algumas dicas para ajudar a controlar os gastos e evitar abusos nas compras:

• Prepare uma lista do que pretende comprar;
• Quem vai presentear; e
• Quais os limites de valores.

 

Reinaldo Domingos reforça a importância de se planejar, mas ressalta que o ideal é inserir a ceia de Natal e os presentes já no orçamento financeiro mensal.

 

Assim será possível poupar o 13º para realizar algum objetivo ou se proteger de possíveis perdas de emprego e redução salarial.

 

Reserva de emergência

O cenário de grande incerteza para 2021, tanto economicamente, quanto politicamente, é um sinal de alerta para o brasileiro passar a construir uma reserva de emergência, segundo Domingos.

Leia mais:  Governo permite que funcionário demitido seja recontratado em menos de 90 dias

 

“Você nunca sabe o que vai acontecer. Para ter um bom início de 2021, respirando um pouco mais, é bom ter a certeza de que tem um dinheiro guardado”, afirma o presidente da Abefin.

 

Para Teresa, esse é um esforço que vale a pena. Principalmente porque o início de ano traz consigo alguns gastos que afetam o orçamento da família. Entre eles:

• IPVA;
• IPTU;
• Matrícula de escola;
• Material escolar; e
• Uniforme escolar.

 

Investir

Outra opção dada pelos especialistas é investir.

 

No entanto, é preciso saber, antes de tomar qualquer atitude, qual é o seu objetivo com aquele investimento: uma viagem, a compra de um carro, a aquisição de um imóvel, e por aí vai, diz Domingos.

 

Além disso, Teresa destaca a importância de saber se o investimento é de curto, médio e longo prazo.

 

Esse passo é importante pois seu objetivo pode variar de um, até dez anos, o que requer paciência e, acima de tudo, planejamento.

Comentários Facebook
publicidade

Cidades

Teste da vacina Coronavac segue em busca de voluntários em MT

Publicado

O estudo clínico ProfisCOV, que consiste na testagem da vacina Coronavac e conduzido em 16 centros pelo Brasil, segue em busca de voluntários em Mato Grosso. O projeto, desenvolvido pelo Instituto Butantan e operacionalizado localmente pelo Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM-UFMT/Ebserh), iniciou os trabalhos no Estado em outubro. A vacina é desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Life Science.

Para tornar-se voluntário, os seguintes pré-requisitos são obrigatórios: ser profissional da saúde com registro em conselho de classe (médico, enfermeiro/técnico em Enfermagem, nutricionista, fisioterapeuta, biólogo, psicólogo, assistente social, biomédico, farmacêutico, bioquímico, dentista, fonoaudiólogo, técnico em Radiologia e terapeuta ocupacional), maior de 18 anos, atuação direta com pacientes de covid-19 e residir em municípios da Baixada Cuiabana: Cuiabá, Várzea Grande, Acorizal, Chapada dos Guimarães, Nossa Senhora do Livramento e Santo Antônio de Leverger. Os candidatos podem ter ou não contraído a doença.

“Até agora, foram atingidos 30% dessa meta. Para agilizar a disponibilização da vacina para a sociedade, o engajamento e participação dos voluntários são fundamentais”, atesta o coordenador local, professor Cor Jesus Fontes. O ProfisCOV conta com apoio logístico e de divulgação das Secretarias de Estado de Saúde (SES) e Municipal de Saúde de Cuiabá (SMS).

Leia mais:  Procon Municipal orienta sobre os cuidados nas compras do Dia dos Pais

Além dos indicadores promissores, a Coronavac tem sido reconhecida por sua segurança na literatura científica da área da Saúde. “Até o momento, nenhum evento adverso grave ocorreu durante todo o período de testagem”, frisa o coordenador local.

Para quem tem interesse em participar do ensaio como voluntário, o contato com o HUJM deve ser realizado a partir dos telefones (65) 3615-7319 e (65) 98466-5246, ou WhatsApp (65) 98466-5246. Mais informações também podem ser obtidas através do e-mail: [email protected] e [email protected] Todos os interessados devem responder ao questionário de avaliação disponível na página do Instituto Butantan, pelo link (https://app.profiscov.com/home-public) .

Metodologia e acompanhamento
Cada voluntário receberá duas doses da vacina. A primeira no dia da inclusão na pesquisa e a segunda, entre duas a 3 semanas após. Como será um ensaio randomizado, a probabilidade de receber placebo será de 50%, em relação 1:1, em estudo triplo cego. Nenhum evento adverso grave de relevância foi registrado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana