conecte-se conosco


Carros e Motos

Royal Enfield Bullet 500 ganha freio ABS na linha 2020

Publicado

source


Royal Enfield arrow-options
Divulgação

Royal Enfield Bullet 500 passa a ter mais segurança com freios a disco na roda traseira como item de série

A Royal Enfield acaba de anunciar a chegada de ABS e freio a disco na traseira da Bullet 500. O objetivo da marca é se enquadrar nas normas estabelecidas recentemente pelo Contran — a mesma que obrigou os freios combinados até nas motocicletas populares. O preço sugerido para o modelo topo de linha da fabricante é de R$ 19.990, nas concessionárias de São Paulo, Brasília (DF), Curitiba (PR) e Campinas (SP).

LEIA MAIS: Royal Enfield vai trazer as duas novas 650 cc ao Brasil, no início de 2020

O modelo, fabricado desde 1932 pela Royal Enfield , é um dos mais antigos do mundo ainda em produção. Apesar do visual distinto, tanto quadro quanto o motor são os mesmos presentes na Classic 500. Seu banco, porém, é inteiriço, as tampas laterais são quadradas e o para-lama traseiro é maior. Seu motor monocilíndrico de 499 cc de cilindrada, refrigerado a ar, de 27,2 cv e 4,2 kgfm.

Leia mais:  Lexus CT200h:  o Priusde luxo precisa evoluir

As suspensões seguem o padrão e o garfo telescópico com tubos de 35 mm de diâmetro e curso de 130 mm na dianteira, junto a dois amortecedores a gás na traseira. O curso de 80 mm e o ajuste na pré-carga das molas foram pensados para dar mais conforto. Com 190 kg de peso total, o chassi tubular tipo diamante faz, por sua vez, com que tenha rigidez.

LEIA MAIS: Royal Enfield Classic 500 Pegasus tem edição limitada de 60 unidades

Já o painel tem dois instrumentos redondos que ficam embutidos sobre a mesa superior da suspensão dianteira, onde também está o farol, duas luzes de posição e a chave de ignição. Nele, estão contidos velocímetro analógico com hodômetro total e as luzes-espia. Entre elas, três indicadores do sistema de injeção de combustível, do ABS e de alerta de reserva no tanque de combustível.

LEIA MAIS: Confira como anda a Royal Enfield Himalayan com apelo aventureiro

Vale lembrar que as novas Interceptor 650 e Continental GT 650 chegam ao Brasil no primeiro semestre de 2020. Ambas carregam o mesmo conjunto mecânico, mas a diferença está no estilo. A Interceptor segue um visual mais clássico, enquanto a Continental GT aposta em característica mais esportiva, inspirada nas café-racers. Entretanto, as maiores novidades da Royal Enfield são chassi e motor totalmente novos. Este último tem dois cilindros paralelos e 648 cc, que rende 74 cv e 5,3 kgfm.

Leia mais:  Carlos Ghosn renuncia a presidência da Renault e Jean-Dominique Senard assume

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
publicidade

Carros e Motos

Honda NXR 160 Bros é a moto com menor desvalorização no país

Publicado

por

source
Honda NXR 160 Bros arrow-options
Divulgação

Honda NXR 160 Bros é destaque no Selo de Maior Valor de Revenda da Agência AutoInforme

A Honda NXR 160 Bros é a campeã geral da 4º edição do Selo Maior Valor de Revenda -Motos. De acordo com a agência AutoInforme, que esteve à frente do estudo, a trail registrou uma perda de apenas 5,6% do seu preço após um ano de uso. Essa é a quarta vez consecutiva que o modelo vence a categoria de depreciação das duas rodas em 17 categorias.

LEIA MAIS: Yamaha mostra conceito que acelera de 0 a 100 km/h em 3 segundos

A pesquisa considerou a variação de preços anotada pelos 101 modelos zero quilômetros mais vendidos no Brasil, de 12 marcas. Além das montadoras vencedoras no prêmio, foram avaliados modelos das marcas Wuyang, Dafra , Haojue, Kymco e Suzuki.

A Honda foi a montadora mais premiada nesta edição, com vitória em oito categorias.Com o título deste ano, a marca levou 25 troféus, sendo quatro como campeã geral. Em seguida, no segundo posto mais alto do ranking, aparece a Yamaha com 11 certificações em quatro, mas apenas uma vitória nesta edição. Mais precisamente na categoria Naked acima de 800 cilindradas, com depreciação de 8%, após um ano de uso.

Leia mais:  Mercedes-Benz Classe A 250: sentimento de “quero um”

LEIA MAIS: Yamaha NMax é revelada com novo visual e mais equipamentos na linha 2020

Segundo Luiz Cipolli Junior responsável pelo Estudo de Depreciação, a valorização da moto depende de vários fatores: da potência, da marca, da rede de revendedores, do cuidado que a marca tem em relação ao pós-venda, ao segmento, a origem, ao fato de ter grande volume de venda, à sua aceitação no mercado. Para ele, o prêmio é importante para o consumidor e para as montadoras e importadoras.

LEIA MAIS: Suzuki Burgman elétrico inicia testes para o lançamento em 2020

O Estudo de Depreciação considerou os preços praticados no mercado de motos zero em outubro de 2018 (e não os preços de tabela) e comparou com o preço da mesma moto um ano depois, em outubro de 2019.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana