conecte-se conosco


Cidades

Riva cita 71 empresas e alega que Maggi criou novo sistema de Mensalinho na AL

Publicado

Em delação premiada, o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, José Geraldo Riva, réu em ações criminais e por improbidade, revelou suposto pagamento de mesadas a 38 deputados com valores que totalizam R$ 175 milhões. Segundo o político, o esquema se estendeu por mais de duas décadas, desde 1995, e ganhou ‘nova sistemática’ na gestão Blairo Maggi (PP/2003-2010), que posteriormente ocupou o cargo de ministro da Agricultura no governo Michel Temer.

De acordo com o delator, em 2003, quando assumiu o Executivo de Mato Grosso, o ex-governador decidiu que a propina deveria ser empenhada como suplementação orçamentária da Assembleia Legislativa e paga também a deputados de oposição. Até então, os acertos estariam a cargo do Executivo, por meio da liderança da bancada, e beneficiavam apenas parlamentares que compunham a base de apoio do governo.

“Esses repasses passam a ser feitos pela Assembleia, esses pagamentos de propina, em um acordo firmado pelo governador Blairo Maggi”, revelou Riva em declaração gravada. A articulação para garantir a continuidade do ‘mensalinho’ teria ficado a cargo do ex-deputado Renê Barbour, que faleceu em 2007, e na época atuava como líder do governo na Casa Legislativa.

De acordo com Riva, a participação de Barbour foi ‘imprescindível’ para a manutenção dos pagamentos. “O deputado Renê Barbour afirmava para o governador Blairo Maggi que era praticamente impossível liderar uma bancada para conseguir uma maioria sem o pagamento dessas vantagens, que eram pagas anteriormente pelo governo e que o governador Blairo Maggi resistia em não querer pagar”, afirmou Riva. “Aí, foi quando encontramos a forma, por sugestão do governador Blairo Maggi, de repassar esses valores para a Assembleia e a Assembleia fazer esse repasse por lá”.

Leia mais:  Prefeitura de Cuiabá inicia processo de implantação do 1º Programa de Residência Médica 100% público

EMPRESAS

Em sua nova versão, o suposto esquema de pagamento de propinas aos deputados passou a ser feito mediante notas fiscais falsas ou superfaturadas emitidas por empresas que devolviam parte da receita recebida. Pelo menos 71 estabelecimentos, alguns comandados por políticos através de ‘laranjas’, teriam participado da operação.

“Naturalmente que, para fazer esses repasses, a Assembleia teria que recorrer a algum tipo de desvio, através da emissão de notas de empresas de prestação de serviço simulado”, explicou. O superfaturamento, todavia, não se verificava no preço do material, mas, no montante. “A quantidade da nota geralmente era muito superior ao valor fornecido e algumas empresas sequer forneciam material”.

Junto de seu acordo, Riva apresentou uma série de documentos, incluindo supostas notas fiscais frias, atas de sessão de pregão de companhias que alimentavam o esquema e cópias de ordem de pagamento para empresas suspeitas. “Inicialmente, é importante dizer que existem alguns documentos: por exemplo, algus depósitos bancários feitos na conta de deputado, atestado de material em que os deputados atestavam o recebimento desse material, mas, na verdade, esses materiais não eram entregues. Era um pano de fundo para o desvio do valor. E, mesmo em relação a alguns serviços, também vamos encontrar algumas notas promissórias e cheques que eram, na verdade, antecipação de valores”, afirmou o ex-presidente da Assembleia Legislativa.

Leia mais:  Prefeitura realiza audiência pública para apresentação da LOA 2020

Riva afirma, ainda, que o novo modelo se manteve na gestão de Silval Barbosa (MDB/2010-2014) à frente do Palácio Paiaguás ‘com a mesma forma também, utilizando de factorings (fomento mercantil), de agiota’. Posteriormente as dívidas eram pagas com a utilização de empresas fornecedoras de materiais ou de prestação de serviço, o mesmo ‘modos operandi’ que abastecia o ‘mensalinho’ normalmente.

Barbosa foi denunciado pelo Ministério Público Federal na semana passada por corrupção e associação criminosa após ex-deputados terem sido flagrados em vídeo recebendo propinas em espécie do então chefe de gabinete do ex-governador, em dezembro de 2013, uma semana antes do Natal. O ex-governador também fechou acordo de delação premiada quando foi preso, em 2017.

OUTRO LADO

A reportagem entrou em contato com a defesa do ex-governador Blagio Maggi e aguarda resposta. O espaço está aberto para manifestações.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO DÉLIO LINS E SILVA JÚNIOR, QUE DEFENDE O EX-GOVERNADOR SILVAL BARBOSA

O assunto tratado pelo Senhor Riva foi objeto do anexo 3 da colaboração de Silval Barbosa, estando ele à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos.

Comentários Facebook
publicidade

Cidades

Vereador de VG tem 50% dos pulmões comprometidos

Publicado

Licenciado da Câmara de Várzea Grande desde o dia 30 de março deste ano para atuar na linha de frente contra o coronavírus, o médico Miguel Angel Claros Paz, conhecido como Dr. Miguel, e vereador pelo PSDB, foi infectado pela Covid-19 e está com 50% dos pulmões comprometidos. Aos 58 anos, ele é considerado integrante do grupo de risco que pode ter complicações com a doença por ser obeso e sedentário, mas garante que está bem, na medida do possível e segue em tratamento domiciliar. Também não pretende buscar uma unidade de saúde, apesar da insistência dos familiares.

O médico e vereador explicou que iniciou o tratamento com medicamentos no dia 10 deste mês quando sentiu os primeiros sintomas da Covid-19. Inicialmente, sentiu um cansaço, averiguou que sua saturação do oxigênio estava em 82% e já entrou em repouso.  Ao verificar novamente a saturação percebeu que subiu para 85% e teve a certeza que estava infectado pelo novo coronavírus.

Comentários Facebook
Leia mais:  Pedal Solidário arrecada alimentos para garantir Ceia de famílias carentes
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana