conecte-se conosco


Entretenimento

Revista Playboy Portugal tem recorde de vendas com ensaio de brasileira

Publicado

A sensualidade e beleza brasileira estão sendo bem representadas em Portugal, graças a Fabiana Britto, uma brasileira apresentadora de uma TV italiana que arrasou no ensaio para a revista Playboy e, segundo a publicação, está tendo recorde de vendas
no país.

Leia também: Brasileiras fazem sucesso em edições gringas da Playboy


Fabiana Britto para a revista Playboy Portugal
Emanuele Jeane | CO Assessoria

Fabiana Britto para a revista Playboy Portugal

Fotografada pelas lentes de Emanuele Jeane, a brasileira de 30 anos exibiu todo seu charme no ensaio sensual
para a edição portuguesa da revista Playboy
, deixando em evidência seus atributos em mini lingerie, body decotado, e até completamente nua.

Leia também: Fim de uma era! Playboy deixará de ser vendida nas bancas

Mais sobre Fabiana Britto na Revista Playboy


Fabiana Britto para a revista Playboy Portugal
Emanuele Jeane | CO Assessoria

Fabiana Britto para a revista Playboy Portugal

Fabiana ficou conhecida após uma discussão com Paola Caruso quando debatiam sobre cirurgias plásticas durante um famoso programa da Europa.


Fabiana Britto para a revista Playboy Portugal
Emanuele Jeane | CO Assessoria

Fabiana Britto para a revista Playboy Portugal

A morena, que já fez uma participação especial no reality “Grande Fratello”, uma versão italiana de “Big Brother”, ficou reconhecida na terra da rainha ao ser consagrada como a única brasileira que conseguiu vender todas as suas revistas da Playboy. “Venci o estereótipo de má fama da mulher brasileira no exterior”, garante a apresentadora.

Leia mais:  Em clique raro, Adriana Esteves posa com fã em parque de Orlando

Na televisão Fabiana já trabalhou como assistente de palco durante dois anos. Além do sucesso na revista masculina, ela também traz no currículo participações no programa italiano de futebol “Quelli Che il Calcio”.

Atualmente a morena faz participações como comentarista no programa de fofocas e entretenimento “Pomeriggio 5”. Como modelo, Britto fotografou para um calendário editorial no clube de futebol italiano Associazione Calcio Milan. As fotos provocantes da morena serão divulgadas em breve, mas ela já deixa claro: “Os torcedores irão pirar com o resultado”. 

A sensualidade na web


Fabiana Britto para a revista Playboy Portugal
Emanuele Jeane | CO Assessoria

Fabiana Britto para a revista Playboy Portugal

O ensaio sensual de Fabiana também pode ser apreciado em seu perfil oficial do Instagram, onde ela compartilhou uma série se imagens picantes, além de vídeos provocantes sobre o trabalho.

Leia também: Revista Sexy tem recorde de vendas com capa de modelo plus size Débora Porto

Com 43 mil seguidores na rede social, a apresentadora faz questão de compartilhar fotos ousadas, que agradam os admiradores, e exibir seu corpão, o que deixa claro o porquê do sucesso e recorde de vendas na revista Playboy
Portugal.

Leia mais:  Intensidade de Joaquin Phoenix é maior destaque do 1º trailer de “Coringa”

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Isabel decide terminar namoro e se afastar de Felício em “Éramos Seis”

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Secretaria Municipal de Cultura recebe propostas artísticas para Virada cultural

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana