conecte-se conosco


Cidades

Repórter cai de ponte e fratura os dois tornozelos durante reportagem

Publicado

O repórter Jandir Martins, da TV Cidade, afiliada da Record TV no Mato Grosso, passou por uma cirurgia após sofrer um acidente ao vivo enquanto fazia uma reportagem para o programa “Cidade Agora” na semana passada. As informações são do UOL.

Jandir levou um tombo após se pendurar em uma ponte e cair de uma altura de cerca de 4 metros às margens de um córrego. Ele trincou os dois tornozelos e terá que ficar 60 dias em uma cadeira de rodas.

O cinegrafista José Roberto Pires, que registrava a reportagem, acionou o Samu para socorrer o repórter após a queda. O Corpo de Bombeiros resgatou Jandir e o levou ao Hospital Regional de Rondonópolis, onde ele foi submetido a uma cirurgia de urgência.

Durante o trajeto, o repórter chegou a gravar um vídeo para acalmar os fãs e os familiares.

“Estou aproveitando para avisar minha família, meu filho, que está tudo bem. Uma possibilidade de fratura apenas, mas a dor já melhorou bem, não está doendo tanto. Foram ministradas duas medicações nesse transporte aqui”, disse Jandir deitado em uma maca na ambulância.

Comentários Facebook
Leia mais:  Secretaria Municipal de Saúde abre campanha Novembro Azul nesta sexta-feira (1º)
publicidade

Cidades

Justiça determina que unidades do IFMT em Barra do Garças e Confresa façam adequações de acessibilidade

Publicado

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) deverá promover adaptações que suprimam todas as barreiras arquitetônicas que impossibilitam o pleno acesso das pessoas com deficiência (PcD), mediante a realização de reformas em suas unidades nos municípios de Barra do Garças (MT) e Confresa (MT). As medidas foram determinadas pela Justiça Federal por meio de sentença definitiva, a partir de ação civil pública (ACP) ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra a instituição de ensino.

Conforme levantamento do MPF em inquérito civil, que resultou no ajuizamento da ACP, foi constatada ausência de condições estruturais para a acessibilidade de deficientes físicos nas referidas unidades, como rampas, banheiro adaptado e calçadas adequadas. A ausência contraria a legislação referente a portadores de deficiência para a Administração Pública.

O IFMT, por sua vez, apresentou contestação, alegando a ausência de omissão estatal, inviabilidade orçamentária para implementar as adaptações, bem como necessidade de os recursos financeiros estarem previstos em lei orçamentária.

A Justiça Federal, na decisão, destaca a Portaria nº 3.284/03 do Ministério da Educação (MEC), que estabelece requisitos mínimos de acessibilidade para fins de credenciamento de instituição de ensino superior. Dentre os requisitos estão eliminação de barreiras arquitetônicas para circulação do estudante, reserva de vagas em estacionamentos nas proximidades das unidades de serviço, construção de rampas com corrimãos ou colocação de elevadores, facilitando a circulação de cadeira de rodas, adaptação de portas e banheiros com espaço suficiente para permitir o acesso de cadeira de rodas, colocação de barras de apoio nas paredes dos banheiros, e instalação de lavabos, bebedouros e  telefones públicos em altura acessível aos usuários de cadeira de rodas.

Leia mais:  Secretaria Municipal de Saúde abre campanha Novembro Azul nesta sexta-feira (1º)

Além disso, apesar do orçamento destinado à unidades do IFMT ser baixo, não exime o diretor de implementar as medidas de acessibilidade, reservando parcela desse numerário para atender essa necessidade básica. Principalmente pelo fato de alguns reparos como, a construção de rampas de acesso a calçadas, demandarem custo módico.

Nesse sentido, a Justiça Federal afirma que a “alegação da requerida de que os recursos destinados ao IFMT são descentralizados a todos os campi localizados no Estado de Mato Grosso, sendo que os respectivos diretores detêm a função de ordenadores de despesa, facilita de sobremaneira o planejamento e a execução dessas políticas”.

Dessa forma, o IFMT deverá elaborar relatório circunstanciado no prazo de 120 dias, das medidas passíveis de serem adotadas de imediato, bem como o planejamento orçamentário das verbas a serem destinadas para adaptação de acessibilidade do campus nos exercícios financeiros posteriores com as respectivas obras, devendo submeter o documento a parecer do MPF.

Clique aqui e confira a íntegra da sentença.

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal

Leia mais:  Servidores sem crachá devem solicitar identificação funcional até dia 03 de junho
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana