conecte-se conosco


Cidades

Reparo na malha viária do Residencial Buriti é iniciado

Publicado

A Prefeitura de Cuiabá dá seguimento ao atendimento das demandas da operação Tapa-buraco. Nesta sexta-feira (23), a Secretaria Municipal de Obras Públicas, pasta responsável pela coordenação da ação, iniciou o processo de reparo da malha viária no bairro Residencial Buriti, situado na região Norte da Capital. Neste momento, uma equipe de operários atua no procedimento de limpeza das ruas para que, posteriormente, a massa asfáltica seja fixada no solo danificado. A previsão é de que o serviço completo seja finalizado no início da próxima semana.

De acordo com o secretário Venderlúcio Rodrigues, a execução da limpeza é necessária para que o excesso de terra e outros resíduos sejam retirados da pista pavimentada, assegurando que, ao efetuar o reparo, a massa seja fixada de forma eficiente. O secretário destaca ainda que, pensando em alcançar a maior durabilidade possível do serviço executado, a pasta tem utilizado o revestimento do tipo Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ), que é o tipo mais recomendado para intervenções em malha viária.  

Leia mais:  Primeira-dama comemora avanço histórico nas políticas públicas para mulheres em 2019

Rodrigues explica que a grande quantidade de chuvas torrenciais que têm caído nas últimas semanas, aliada ao fato da maioria das vias cuiabanas possuírem uma pavimentação antiga, são fatores preponderantes para o surgimento demasiado de buracos. Outro ponto considerado pelo secretário como importante dentro desse contexto é o fato de uma quantia considerável de ruas e avenidas da cidade terem sido constituídas sem a edificação do sistema de drenagem, fato que a atual gestão tem buscado corrigir.

“Estamos em um momento, em que quando tapamos um buraco outro acaba aparecendo em um novo lugar. É um tipo de demanda que não se resolve instantaneamente, mas sabemos que temos um compromisso de oferecer melhores condições à população e já estamos estudando maneiras de controlar esse tipo de situação. A Tapa-buraco é uma operação permanente que, mesmo após o fim da temporada de chuva, irá permanecer sendo realizada de forma intensificada ao longo da gestão”, conta Vanderlúcio.

A ação de infraestrutura é executada diariamente em diferentes regiões da cidade e atende uma média de 50 bairros por mês. O trabalho é feito com base em monitoramentos da Pasta e solicitações recebidas por meio do telefone (65) 3313-3051. Conforme a Secretaria, a ideia é que, durante o período chuvoso, as avenidas principais dos bairros sejam atendidas de forma prioritária, garantindo a fluidez no trânsito das vias mais movimentadas.

Leia mais:  CCPC terá atrações especiais e comerciantes reforçam estoques de brinquedos
Comentários Facebook
publicidade

Cidades

AL e polícia civil já investigam denúncias de maus tratos e negligência em hospital de Cuiabá

Publicado

Além da Polícia Civil que já abriu investigação contra o Hospital São Judas Tadeu para averiguar denúncias de negligência e maus-tratos contra pacientes, a Câmara Municipal de Cuiabá também vai apurar a situação diante da gravidade dos relatos feitos pela técnica de enfermagem, Amanda Delmondes Benício. Até o momento, os casos de quatro pacientes já são de conhecimento público.

Na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Elizeu Nascimento (PSL) apresentou requerimento, na sessão do dia 5 de abril, para que a técnica de enfermagem compareça ao Legislativo Estadual para esclarecer as graves denúncias feitas por ela num boletim de ocorrência na Polícia Civil e também em entrevistas para a imprensa. Depois que a profissional de saúde, que trabalhou durante 50 dias no hospital particular, denunciou o caso na Polícia Civil e na imprensa, familiares de alguns pacientes também estão registrando ocorrências policiais e buscando veículos de comunicação para relatar situações semelhantes.

A delegada Luciani Barros Pereira de Lima conduz a investigação preliminar instaurada pela Delegacia da Capital, situada no bairro Planalto. Ela ouviu a técnica de enfermagem no dia 7 de abril e garante que todas as denúncias feitas pela profissional serão apuradas.

Segundo informações, a Polícia Civil já teria conhecimento de pelo menos sete boletins de ocorrência registrados por familiares de pacientes vítimas de maus-tratos no Hospital São Judas Tadeu. Dentre os pacientes que passaram pelo hospital no período em que Amanda Delmontes ainda trabalhava no local, e que segundo ela, sofreram maus-tratos e foram negligenciados, estão o major da Polícia Militar, Thiago Martins de Souza, de 34 anos, que morreu em decorrência de complicações da Covid-19, na madrugada do dia 3 e o professor Toshio Doi, de 68 anos, que faleceu na madrugada do dia 10.

Leia mais:  Prefeitura de Cuiabá divulga calendário escolar do ano letivo de 2019

A técnica de enfermagem Amanda Delmondes afirmou que o professor Toshio Doi foi outra vítima de maus-tratos até ela intervir na situação. “No caso do senhor Toshio, tem a câmera, eu deixei a porta aberta e falei: vocês não vão deixar ele morrer não. Ele caiu da cama, eu fiz uma conchinha nele com lençol, a moça que recolhe sangue falou que vocês não podem fazer isso, ele não tem uma gase, mas eu vou tirar a gaze dele. Ela foi na sala do médico que só mandou levar. Pegou uma maca sem colchão, sem nada, eu ainda coloquei um travesseiro para que a cabeça dele não batesse. Ele estava roxo desfalecendo. O fisio falou que ele estava com a nova bactéria e nada poderia ser feito. Eu falei: pode sim”, contou ela.

Em nota, o presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, Juca do Guaraná Filho (MDB), confirmou que a Casa vai apurar as denúncias. Ele solicitou ao presidente da Comissão Permanente de Saúde, Previdência e Assistência Social, o vereador Dr. Luiz Fernando (Republicanos), para apurar denúncia de suposto maus-tratos que o servidor Toshio Doi e outros pacientes teriam sofrido bem como as demais denúncias feitas contra o hospital.

Leia mais:  Município aponta 'explosão' de casos de covid nas últimas 24h e ameaça de lockdown

DIÁRIAS DE ATÉ R$ 10 MIL 

Em entrevista à TV Cidade Verde, uma mulher que tinha familiar internado do no Hospital São Judas Tadeu, relatou que além de pagar R$ 10 mil na diária, ainda era preciso pagar medicamentos à parte se houvesse necessidade de inclusão no tratamento. Além, disso segundo ela, era cobrado mais R$ 150 por dia somente para alimentação do paciente.

Além da PC, Assembleia e Câmara de Cuiabá, o Conselho Regional de Medicina e também de Enfermagem apuram as denúncias. O hospital segue funcionando normalmente.

por: Folha Max

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana