conecte-se conosco


Cidades

Rapaz é executado após “ostentar” nas redes sociais ser membro do CV em MT

Publicado

Jean de Oliveira Silva, 19 anos, morreu e seu sobrinho, de 12 anos, foi baleado em um atentado na noite desta terça-feira (6) em Tapurah (a 428 Km de Cuiabá) por dois homens em uma moto. Segundo informações do boletim de ocorrência, as vítimas estavam sentadas em frente a casa quando o garupa da moto desceu atirando.

A esposa de Jean ouviu os disparos e saiu da residência. Na rua, encontrou o marido e o sobrinho caídos.

Já os criminosos fugiram em alta velocidade e não foram localizados.

O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado e as vítimas encaminhadas para uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da cidade. O jovem não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do hospital.

O menor, que também foi atingido, está internado, mas não corre risco de morte.

AMEAÇAS 

A mulher da vítima relatou que eles tiveram que se mudar de São José do Rio Claro (a 298 Km de Cuiabá) para fugir de membros do Comando Vermelho. Segundo ela, Jean teria publicado uma foto nas redes sociais fingindo ser membro da facção.

Leia mais:  Capacitação trará celeridade e qualidade à elaboração de projetos

O CV não teria gostado da brincadeira e passou a persegui-lo. A Polícia Civil investiga o caso.

Por: folhamax

Comentários Facebook
publicidade

Cidades

Governo regulamenta renegociação de dívidas com o Fies

Publicado

O governo federal regulamentou o programa que permite a renegociação de dívidas de financiamentos concedidos com recursos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A medida estava prevista na Lei nº 14.024/2020, sancionada em julho, que suspendeu o pagamento de parcelas do Fies até 31 de dezembro, em razão da pandemia de covid-19.

A resolução do Comitê Gestor do Fundo de Financiamento Estudantil, com as regras do programa, foi publicada hoje (22) no Diário Oficial da UniãoA medida vale para os contratos assinados até o segundo semestre de 2017 e para os débitos vencidos e não pagos até o dia 10 de julho deste ano, na fase de amortização, quando o estudante já concluiu o curso.

A resolução entra em vigor em 3 de novembro e a adesão ao programa poderá ser solicitada ao banco até 31 de dezembro e será efetuada mediante termo aditivo ao contrato de financiamento, podendo ser assinado eletronicamente pelos financiados e seus fiadores.

No caso de quitação, em parcela única, do débito vencido ou saldo devedor total, haverá redução de 100% dos encargos moratórios, desde que o pagamento seja feito até 31 de dezembro. Também poderá ser feita a liquidação do saldo devedor em quatro parcelas semestrais, até 31 de dezembro de 2022, ou 24 parcelas mensais, com redução de 60% dos encargos e pagamento a partir de 31 de março de 2021.

Leia mais:  Procon Municipal faz alerta sobre a venda de perfumes falsificados no comércio

Já os parcelamentos do saldo devedor feitos em 145 ou 175 parcelas mensais receberão redução de 40% e 25%, respectivamente, e os pagamentos começam a partir de janeiro de 2021. Em caso de prorrogação do estado de calamidade pública em razão da pandemia, ficará suspensa automaticamente a obrigação do pagamento da primeira parcela em janeiro, exceto no caso da liquidação total em parcela única.

O valor da parcela mensal resultante da renegociação não poderá ser inferior a R$ 200, mesmo que isso implique redução do prazo máximo de parcelamento. Os descontos concedidos no programa são referentes apenas aos encargos moratórios, permanecendo a cobrança dos débitos contratuais.

Será permitida apenas uma renegociação no âmbito do programa. Em caso de não pagamento de três parcelas consecutivas ou alternadas do saldo devedor renegociado, o cidadão perderá o direito ao desconto concedido sobre os encargos, e o valor correspondente será reincorporado ao saldo devedor do financiamento.

As pessoas que têm dívidas em discussão judicial e queiram aderir ao programa de regularização deverão renunciar em juízo à ação. Nesse caso, a renúncia sobre quaisquer alegações de direito é irretratável e não exime o autor da ação do pagamento de custas e honorários advocatícios.

Leia mais:  Polícia Civil detém casal por tráfico e fecha mais uma boca de fumo no bairro Tijucal

O Fies é o programa do governo federal que tem o objetivo de facilitar o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas. Criado em 1999, ele é ofertado em duas modalidades desde 2018, por meio do Fies e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

O primeiro é operado pelo governo federal, sem incidência de juros, para estudantes que têm renda familiar de até três salários mínimos por pessoa; o percentual máximo do valor do curso financiado é definido de acordo com a renda familiar e os encargos educacionais cobrados pelas instituições de ensino. Já o P-Fies funciona com recursos dos fundos constitucionais e dos bancos privados participantes, o que implica cobrança de juros.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana