conecte-se conosco


Política

Proposta de Max Russi visa combater obras inacabadas em MT

Publicado

Foto: Marcos Lopes

Durante a sessão de sabatina, para a indicação do novo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) nesta quinta-feira (21), o primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, o  deputado Max Russi (PSB), propôs uma ação conjunta entre a Casa de Leis, governo estadual, Ministério Público e a corte de contas. A intenção é organizar uma força-tarefa com o objetivo de identificar e aplicar soluções para obras inacabadas em Mato Grosso.

O parlamentar atribui seu discurso às dificuldades em que viveu, quando gestor do município de Jaciara, quanto a entraves burocráticos, problemas em repasses e liberação de recursos, que levam a atrasos consideráveis na execução das obras. Tais percalços, vivenciados por muitos prefeitos de MT, poderiam ser solucionados por meio de um trabalho conjunto.

"Vamos acabar com essas obras paradas em Mato Grosso. Vamos achar meios e formas de acabar com esses elefantes brancos, que existem em todos os municípios ", sugeriu o deputado.

Russi ressaltou que muitos gestores enfrentam problemas judiciais, por conta de irregularidades e convênios, que não podem ser executados. "Um grande trabalho, que será uma contribuição importante, pois são obras que estão se acabando e um dinheiro público, que foi empregado e está indo fora", recomendou.

Leia mais:  Deputados falam com servidores estaduais sobre votações na ALMT

O sistema Geo-Obras, criado pelo TCE para auxiliar fiscalização de contratos e fundamentado em informações declaratórias dos próprios gestores municipais, registra hoje mais de 18 mil obras cadastradas.  

Dessas, até agora, 418 constam como inacabadas. "Nesse pacote estão inclusos postos de saúde, escolas e creches. Precisamos de uma atitude mais efetiva, pois essas obras paradas rendem um impacto negativo muito grande a nossa sociedade", avaliou Max.

Em se tratando do assunto, dados fornecidos pela Secretaria de Estado das Cidades – SECID, apontam que Mato Grosso conta com 364 obras de pavimentação e edificação pública registradas. Apenas 98 estão em andamento, sendo 187 em situação incompleta e 79 paralisadas. Muitos desses casos estão atribuídos a problemas de repasses e adequações de projetos

Esse mesmo diálogo, levantando por Max Russi, foi promovido, no ano passado, pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Tribunal de Contas da União (TCU),  Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) e Supremo Tribunal Federal (STF), por meio de seu presidente e ministro Dias Toffoli.

Leia mais:  Unidades do Detran-MT nos shoppings de Cuiabá voltam a atender somente com agendamento

A intenção é a viabilização da retomada das  obras, que eventualmente estejam paralisadas no País. O encontro teve a participação dos ministros do TCU Benjamin Zymler, Augusto Nardes, Aroldo Cedraz e Bruno Dantas.

"É necessário sentar com os gestores, buscar esclarecer dúvidas e orientar. Assim pode ser realizado um trabalho resolutivo, quanto ao andamento e resolução de irregularidades, que impedem sua continuidade de muitas obras aqui no estado", reforçou o deputado.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano

Publicado

O presidente Jair Bolsonaro participou, na manhã deste domingo (9), de uma videoconferência com outros chefes de Estado e de governo para tratar das ações de apoio ao Líbano. Na última terça-feira (4), uma grande explosão na zona portuária de Beirute, capital do país, deixou um saldo de centenas de mortes e milhares de feridos. Ao detalhar as ações do governo brasileiro, Bolsonaro disse que convidou o ex-presidente Michel Temer, que tem ascendência libanesa, para coordenar a missão. 

“Nos próximos dias, partirá do Brasil, rumo ao Líbano, uma aeronave da Força Aérea Brasileira com medicamentos e insumos básicos de saúde, reunidos pela comunidade libanesa radicada no Brasil. Também estamos preparando o envio, por via marítima, de 4 mil toneladas de arroz, para atenuar as consequências da perda dos estoques de cereais destruídos na explosão. Estamos acertando, com o governo libanês, o envio de uma equipe técnica, multidisciplinar, para colaborar na realização da perícia da explosão. Convidei, como o meu enviado especial e chefe dessa missão, o senhor Michel Temer, filho de libaneses e ex-presidente do Brasil”, afirmou Bolsonaro.

Leia mais:  Fies 2020 encerra nesta sexta inscrições para a seleção do 1º semestre

Em nota, a assessoria de Temer informou que o ex-presidente “está honrado” com o convite. “Quando o ato for publicado no Diário Oficial serão tomadas as medidas necessárias para viabilizar a tarefa”, diz a nota.

A videoconferência foi iniciativa do presidente da França, Emmanuel Macron, e contou com a participação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, do presidente do Líbano, Michel Aoun, além dos líderes de países como Egito, Catar e Jordânia, entre outros. Em seu breve pronunciamento, Bolsonaro classificou a reunião como necessária e urgente, reafirmou suas condolências às famílias das vítimas da tragédia e destacou a relação histórica entre Líbano e Brasil.

“O Brasil é lar da maior diáspora libanesa no mundo, 10 milhões de brasileiros de ascendência libanesa formam uma comunidade trabalhadora, dinâmica e participativa, que contribui de forma inestimável com o nosso país. Por essa razão, tudo que afeta o Líbano nos afeta como se fosse o nosso próprio lar e a nossa própria pátria”, disse.

Ouça na Radioagência Nacional:

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana