conecte-se conosco


Entretenimento

Produções brasileiras lideram as estreias nos cinemas neste fim de semana

Publicado

Quinta-feira é o dia oficial de atualizar a lista de filmes para assistir no cinema no fim de semana. Nessa quinta-feira (12), os cinemas ficam repletos de filmes brasileiros em cartaz. “Vai Que Cola 2 – Começo”, “Legalidade” e “Divaldo – O mensageiro da paz” são algumas das produções brasileiras que estreiam.

Leia também: Comédias românticas vivem renascença no cinema com fase empoderada

Cinemas: Estreias desta quinta=feira (12) arrow-options
Montagem

Cinemas: Estreias desta quinta=feira (12)

  • Vai Que Cola 2 – O começo

arrow-options
Divulgação

“Vai Que Cola 2” conta como os pensionista da Dona Jo se conheceram

Sem Paulo Gustavo, “ Vai Que Cola 2 – O Começo ” chega aos cinemas para mostrar como era a vida de Jéssica (Samantha Schmütz), Ferdinando (Marcus Majella), Máicol (Emiliano D’Ávila) antes deles viverem na pensão da Dona Jo (Catarina Abdala).

Foi graças a Terezinha (Cacau Protásio) que essa turma se reuniu, pois ela decidiu organizar uma grande feijoada no Morro do Cerol e foi nesse dia que todos eles se conheceram. O filme se passa antes do “Vai que cola – O Filme”, lançado em 2015.

  • Legalidade

arrow-options
Divulgação

“Legalidade” mostra o Brasil de 1961

“  Legalidade  ” conta a história do Brasil de 1961, quando Jânio Quadros renuncia à presidência do país, o vice-presidente João Goulart torna-se o sucessor natural ao cargo. Porém, alguns setores da sociedade, liderados por militares, pediam o impedimento da posse de Jango, pois temia as posições de esquerda do vice.

Liderado por Leonel Brizola (Leonardo Machado), o movimento Legalidade é criado para garantir a posse do vice-presidente, colocando grande parte do Rio Grande do Sul contra o núcleo do exército. Em meio aos caos tanto da política como da sociedade, um triângulo amoroso é formado entre Cecília (Cleo Pires) , Luis Carlos (Fernando Alves Pinto) e Tonho (José Henrique Ligabue).

  • “Divaldo – O mensageiro da paz”

arrow-options
Divulgação

“Divaldo – Mensageiro da paz” estreia nesta quinta (12)

Leia mais:  Boicote tardio de Gaga a R.Kelly gera debate incômodo e multifacetado na música

Tendo que lidar com a mediunidade desde os quatro anos, Divaldo (Bruno Garcia) sempre foi rejeitado pelas outras crianças e reprimido pelo pai (Caco Monteiro). Ao completar 17 anos, ele decidiu usar seu dom para ajudar as pessoas.

Foi ao mudar-se para Salvador, com o apoio da mãe (Laila Garin) e sob a orientação de sua guia espiritual, Joanna de Ângelis (Regiane Alves), que Divaldo se se torna um dos médiuns mais importantes de todos os tempos.

Leia também: Estreias da semana: “It: Capítulo 2” promete movimentar cinemas

  • Drama nas telonas

arrow-options
Divulgação

“Peterloo”, “Quem você pensa que eu sou” e “Rainha de copas” chegam aos cinemas nesta quinta (12)

Em “Peterloo” conta a história sobre o marcante episódio na história britânica: o massacre de Peterloo, em 1819. Foi quando o exército do Reino Unido atacou civis que se manifestavam pacificamente em prol da democracia, na Praça St. Peter, em Manchester.  Já em “Quem você pensa que eu sou” Claire (Juliette Binoche) cria um perfil falso e lá “vive” uma bela jovem de 24 anos, que acaba se apaixonando pelo amigo de seu marido.

No filme “Rainha de Copas”, uma mulher compromete sua carreira e sua família quando ela seduz seu enteado adolescente e precisa tomar uma decisão irreversível, com consequências fatais. Em “Adeus à noite”, Muriel recebe seu neto em casa e fica intrigada com o comportamento dele. Ela descobre que ele está mentindo e que na verdade, Alex está se preparando para uma outra vida.

arrow-options
Divulgação

“Adeus à noite” e “O fim da viagem, o começo de tudo” também estreiam nesta quinta (12)

Leia mais:  Apontada como affair de José Loreto, Marina Ruy Barbosa sepronuncia na web

Em “O fim da viagem, o começo de tudo”, a jovem Yoko está com sua pequena equipe de TV no Uzbequistão para filmar um novo episódio para o programa de variedades que apresenta. Yoko tem um jeito discreto e tímido, mas os desafios culturais e pessoais que ela experimentará ao longo da viagem mudam sua visão da vida.

  • Outras estreias

arrow-options
Divulgação

“Abigail” e “Marés” estreiam nesta quinta (12)

Em “Abigail e a cidade perdida”, narra a história de uma cidade que teve suas fronteiras fechadas após uma epidemia tomar conta do lugar. Abigail (Tinatin Dalakishvili) teve seu pai levado da cidade após ter sido afetado por essa doença misteriosa e quando decide ir atrás dele, ela descobre que tanto ela como a cidade possuem poderes mágicos.

“Marés” conta a história de Valdo (Lourinelson Vladmir), um fotógrafo que está se separando da esposa, Clara (Julieta Zarza), com quem tem uma filha de três anos. Após anos no alcoolismo, ele se vê em uma situação arriscada para não perder a guarda da filha.

arrow-options
Divulgação

“Tsé” e “A música do tempo” chegam aos cinemas

“Tsé” é um documentário sobre a judia polonesa Tsecha Szpigel, que aos 14 anos foi atirada pela janela de um trem em movimento pela própria mãe para salvá-la. O trem estava a caminho do campo de extermínio nazista de Sobibor e por isso, Tsé precisou se reinventar para sobreviver.

Fechando a lista de estreias nos cinemas dessa semana, o documentário “A música do tempo” que mostra um espetáculo do grupo de música antiga do Centro de Artes da Universidade Federal Fluminense, depois de mais de trinta anos de atividade e com a proximidade da aposentadoria da maioria de seus músicos.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Apontada como affair de José Loreto, Marina Ruy Barbosa sepronuncia na web

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Em noite marcante, Billie Eilish faz história no Grammy e desbanca Taylor Swift

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana