conecte-se conosco


Entretenimento

Priscila Fantin e Ricardo Tozzi recebem carinho de crianças com câncer

Publicado

Na tarde desta quinta-feira (18) Priscila Fantin, Bruno Lopes e Ricardo Tozzi, que estão no elenco de “Paixão de Cristo de Nova Jerusalém”, receberam o carinho de crianças com câncer do Instituto do Câncer Infantil do Agreste, de Pernambuco.

Leia também: Samara Felippo relembra tempos de “Malhação” com foto do fundo do baú

Leia também: Priscila Fantin desabafa sobre dieta e orienta: “Sempre respeitar seus limites”

À ocasião, os atores brincaram e tiraram muitas fotos com as crianças com câncer. O carinho entre e as crianças e Priscila Fantin  foi tão grande que uma delas pegou no sono em seu colo.

Leia também: Priscila Fantin exibe barriga sarada em noites de desfiles do carnaval de SP

Em outro momento, a menina que estava com Priscila Fantin abraçou e beijou muito Ricardo Tozzi . Os atores que visitaram as crianças com câncer estão em temporada com a peça ” Paixão de Cristo de Nova Jerusalém ” até o próximo sábado (20), em Pernambumco. 

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Leia mais:  Aziz ordena que Youssef vá para o Brasil em “Órfãos da Terra”
publicidade

Entretenimento

Filósofo esloveno vê antifeminismo em desfecho de Daenerys em “Game of Thrones”

Publicado

por

Slavoj Žižek, prestigiado filósofo esloveno, aproveitou o final de “Game of Thrones” para fazer uma crítica reflexiva, em sua Coluna no Blog Boi Tempo , sobre a última temporada da série e deixou claro a insatisfação, principalmente, com o desfecho de Daenerys (Emilia Clarke).

Leia também: George R. R. Martin fala sobre desfecho da série de livros de “Game of Thrones”


Game of Thrones
Divulgação

Daenerys em “Game of Thrones”

O pensador ressalta que a indignação pelo fim decepcionante de ” Game of Thrones ” é além do enredo ruim, mas também pela psicologia ruim, que transforma a personagem de  Emilia Clarke em Rainha Louca e, segundo ele, não se justifica em termos da trajetória da personagem.

Leia também: Os problemas com Bran, o quebrado, como Rei ao fim de “Game of Thrones”

filósofo  diz ainda que os espectadores insatisfeitos têm um problema com embate do conflito interno entre Daenerys e os Stark. “Ela combina a rejeição de uma transformação radical com um velho tema antifeminista verificado nas obras de Hegel, Schelling e Wagner”, escreve ele. 

Leia mais:  Aziz ordena que Youssef vá para o Brasil em “Órfãos da Terra”

Slavoj ainda fez questão de criticar a postura que foi dada a personagem em seu diálogo com Jon Snow (Kit Harington). Segundo ele, o ponto mais baixo do diálogo é o momento em que a Mãe dos Dragões diz a Jon que se ele não consegue amá-la enquanto rainha, que reinaria o medo, classificando como um arquétipo embaraçosamente vulgar da mulher sexualmente insatisfeita que explode em fúria destrutiva.

Insatisfeito com o desfecho da personagem, principalmente com as explosões assassinas dela, ele reflete que tais ações são justificáveis quando o enredo é escrito por dois homens. “Rainha tresloucada é rigorosamente uma fantasia masculina”, garante Žižek.

Leia também: Como fica o hábito de ver séries depois do fim de “Game of Thrones”?

Ele ainda faz uma ponte entre Cersei (Lena Headey) e Daenerys, observando que, na série, ainda que a boa vença, o poder corrompe a mulher. Slavoj ainda cita o desaparecimento de Arya (Maisie Williams) e a permanência de Sansa (Sophie Turner), concluindo que marginalização das mulheres é um momento chave da lição liberal-conservadora geral do último episódio de ” Game of Thrones “.

Leia mais:  Após oito anos fora do Exaltasamba, Péricles e Thiaguinho cantam juntos

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana