conecte-se conosco


Polícia

PRF detém 4 pessoas com mandados de prisão em Mato Grosso

Publicado

Mandados eram em razão de roubo, estelionato e pensão alimentícia

Em dois dias, entre domingo (28) e segunda-feira, a Polícia Rodoviária Federal (PRF), deteve 4 pessoas que possuíam mandados de prisão em aberto, durante fiscalizações nas rodovias federais que atravessam Mato Grosso.

No domingo, durante fiscalização na BR-174, em Vila Bela da Santíssima Trindade, a PRF prendeu um homem, de 46 anos, que possuía dois mandados de prisão, pelo crime de roubo. Ele foi encaminhado para Polícia Civil do mesmo município.

Já na madrugada de segunda-feira, foram cumpridos dois mandados de prisão por pensão alimentícia. O primeiro deles foi em fiscalização da BR-070, em Primavera do Leste, quando os policiais abordaram uma carreta conduzida por um homem de 30 anos. O segundo foi na BR-364 em Rondonópolis, em que um condutor, de 42 anos, possuía o mandado de prisão em seu desfavor. Nas duas situações, os encaminhamentos foram para a Polícia Civil, nos municípios das respectivas ocorrências.

Por último, durante fiscalização na BR-070, em Poconé, a PRF abordou um veículo com dois ocupantes (ambos 37 anos). Em consulta aos sistemas, foi verificado que havia três mandados de prisão, um em desfavor do condutor e dois em desfavor do passageiro, todos por estelionato emitidos no estado de Minas Gerais. Ocorrência encaminhada para Polícia Civil de Poconé.

Leia mais:  Polícia Civil prende grupo criminoso envolvido em golpes de estelionato

SECOM PRF MT

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Juiz aumenta valor de fiança a empresário para R$ 52,2 mil

Publicado

O juiz João Bosco Soares da Silva, da 10ª Vara Criminal da Capital, alterou a fiança do empresário Marcelo Martins Cestari, 46 anos, referente a sua prisão por porte ilegal de arma, no dia da morte de Isabele Guimarães Ramos, 14 anos. Em decisão proferida na manhã desta segunda-feira (3), o abono foi fixado no valor de R$ 52,2 mil (equivalente a 50 salários mínimos).

 

“No que se refere à atual situação financeira do averiguado, majoro/reforço, estabelecido pela autoridade policial ao então conduzido, para o patamar correspondente a 50 salários mínimos, totalizando atualmente o importe de R$ 52.240,00”, diz trecho da decisão desta segunda-feira (3).

A quantia é três vezes inferior à primeira decisão do magistrado decretada no dia 15 de julho. Na oportunidade, o juiz determinou o aumento da fiança imposta ao empresário. À época, foi determinado que Marcelo pagasse o equivalente a 200 salários mínimos, o mesmo que R$ 209 mil, por ter cometido, em tese, crime de posse ilegal de arma de fogo.

Leia mais:  Polícia Civil prende homem que tentou matar amiga de companheira a facadas

Marcelo é pai da adolescente de 14 anos que matou com um tiro, supostamente acidental, a adolescente Isabele Guimarães Ramos, da mesma idade, no dia 12 de julho, no condomínio de luxo Alphaville I, no bairro Jardim Itália, em Cuiabá.

No dia da morte, Marcelo chegou a ser preso, mas o delegado Olímpio da Cunha Fernandes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que à época investigava o caso, arbitrou fiança de R$ 1 mil. No entanto, dias depois, o titular da 12ª promotoria de Justiça Criminal, Marcos Regenold Fernandes, defendeu que o empresário teria de pagar o valor de R$ 104,5 mil.

Diante disso, o juiz João Bosco Soares da Silva, da 10ª Vara Criminal da Capital, determinou o aumento da fiança imposta ao empresário Marcelo Martins Cestari. De acordo com o magistrado, o homem deverá pagar o equivalente a 200 salários mínimos, o mesmo que R$ 209 mil, por ter cometido, em tese, crime de posse ilegal de arma de fogo.

Entretanto, o desembargador Rondon Bassil Dower Filho suspendeu os efeitos da decisão proferida pelo juiz João Bosco.

Leia mais:  Polícia Civil pede conversão de flagrante em preventiva de suspeito de atirar em enteados em Várzea Grande

 

Por: Hipernoticias

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana