conecte-se conosco


Saúde

Presidente garante entrada e Vereadores visitam obras do Hospital Municipal de Cuiabá

Publicado

Os vereadores de Cuiabá estiveram na manhã desta quinta-feira (03.01) na obra do Hospital Municipal de Cuiabá Dr. Leony Palma de Carvalho – HMC (novo pronto socorro). A visita foi requerida pelo presidente da Câmara, Misael Galvão (PSB), junto à Secretaria Municipal de Saúde (SMS). O secretário Luiz Antônio Possas de Carvalho acolheu o oficio e disponibilizou uma equipe técnica para mostrar o andamento das obras. Acompanharam os vereadores Joaquim Paiva de Paula, presidente em exercício do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Mato Grosso (CREA/MT) e André Nör, membro do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso e também uma equipe técnica do município.
Misael oficiou a secretaria de saúde e conclamou os vinte e quatro vereadores para acompanharem in loco as obras do HMC. “O papel do vereador tem que ser garantido, respeitamos o executivo, encaminhamos um documento solicitando a visita dos vereadores in loco e foram todos atendidos a contento. Com a visita obtivemos a garantia que até o mês de abril a obra será entregue por completo”, disse o novo presidente da Câmara.
Os vereadores observaram o andamento das obras que, segundo o secretário de saúde do município, estará operando com 100% da sua capacidade no aniversário de 300 anos de Cuiabá, em 8 de abril de 2019.
Neste primeiro momento foram observadas uma Ala Ambulatorial, que conta com recepção, sala de aplicação de injetáveis, sala de curativos e consultórios.
Joaquim Paiva de Paula, presidente em exercício do Crea-MT explicou que fiscaliza o exercício da profissão, e não constatou nenhuma irregularidade. “O Crea fiscaliza o exercício da profissão, aqui todos os engenheiros solicitados apresentaram a DRT, nós temos engenheiros civis, engenheiro eletricista, engenheiro mecânico, com relação ao exercício da profissão não constatamos nenhuma irregularidade”, afirmou.
O representante do CAU/MT – Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso, André Nör, disse que a responsabilidade de fiscalização é direcionada aos fiscais, mas também não observa nenhuma irregularidade e enfatizou o grau de importância da obra para o Estado. “A entrega parcial de obras acontece normalmente em várias ocasiões, em especial em uma obra deste porte, esta é uma obra de grande importância para o município e Estado”.
Toninho de Souza (PSD) entende que o Hospital vai desafogar os atendimentos que já estão sobrecarregados no Pronto Socorro de Cuiabá.
“Constatamos que a estrutura já está preparada para começar a funcionar gradativamente, isso nos deixa satisfeito, porque aos poucos o Pronto Socorro começa a ser transferido para esse local. Até o prazo do aniversario de Cuiabá, 8 de abril, nós teremos 100 % do Pronto Socorro funcionando em uma nova estrutura, com mais 315 leitos comuns e mais 60 leitos de UTI. A expectativa é não termos pacientes pelos corredores, com mais capacidade para atender não só Cuiabá, mas todo Estado do Mato Grosso”, disse o parlamentar.
Sargento Joelson (PSC) recordou o esforço feito para garantir a chegada do recurso e dar andamento à obra. “É preciso fazer um histórico do que aconteceu, tínhamos 100 milhões para terminar o Pronto do Socorro, esse dinheiro chegou através do Governo do Estado, que não repassou para o município, ficamos diante de um grande problema. Caso o Presidente Michel Temer (MDB) não inserisse essa obra em seu programa de governo, no final do ano, para mandar mais 100 milhões, ela não seria entregue. 100 milhões é praticamente um investimento anual do município. O que interessa para a população é que o local esteja pronto, hoje obtivemos uma garantia, que até o dia 8 de abril a obra será entregue por completo”, explicou Joelson.
Orivaldo da Farmácia (PRP), 2º secretário da Mesa diretora da Câmara, lembrou a fase inicial do projeto. “A ideia desta obra partiu do Governador Mauro Mendes (DEM), que na época era prefeito de Cuiabá, depois o governador Pedro Taques avalizou e o prefeito Emanuel Pinheiro deu andamento. A finalização veio com a União, através do Presidente Michel Temer (PR), com grande articulação do Senador Wellington Fagundes (PR) em conjunto com o Senador Blairo Maggi (PR) no remanejamento dos 100 milhões do Ministério do Transporte, para a Secretaria de Saúde. Nós cuiabanos temos que valorizar muito isso, se fosse somente o município não teríamos condições de concretizar a ação, esse Novo Pronto Socorro não é só dos cuiabanos, ele vai atender toda população do Estado do Mato Grosso”, avalia Orivaldo.
Diego Guimarães (PP) disse que a visita foi satisfatória somente no sentido da realização das atividades. “A atividade realizada foi satisfatória, mas estamos muito tristes, porque o prefeito inaugurou uma obra inacabada, constamos que a obra não está pronta”, asseverou.
Já o vereador Marcos Veloso (PV), 2º vice-presidente da Câmara Municipal avaliou a visita como positiva. “Uma oportunidade de conhecermos a realidade, o prédio se encontra com 90 % das obras conclusas, existem alguns acabamentos na parte já entregue, que penso ser normal em uma obra. Há 10 % a ser concluído, não temos como fugir a isso, o consórcio nos apresentou que mesmo tendo um prazo para entrega, que é até julho deste ano, eles conseguem chegar ao término até o dia 8 de abril. O que a Câmara Municipal vai fazer, nós vamos discutir agora com os vereadores a elaboração de uma comissão e estaremos acompanhando par e passo até a entrega final, como apresentado no cronograma até o dia 8 de abril”, ponderou Veloso.
Representando a comissão de saúde da Câmara, o Vereador Ricardo Saad (PSDB) voltou seus olhos para a gestão do HMC. “Ficaremos atentos ao término da construção, vamos também observar como será o modelo de gestão do Pronto Socorro, acompanhar o remanejamento das pessoas que estão no Pronto Socorro (velho) e na possibilidade de realização de um concurso público. Estou aqui há 36 anos e ainda não tinha acompanhado uma obra deste porte para saúde. É um ganho para cidade, um ganho para o Estado”.
Kero kero (PSL) mostrou-se feliz com o que viu. “Estou feliz com o que estou vendo, recebemos a notícia que em abril já teremos o pronto Socorro aqui, quem está doente vai ter uma maior possibilidade de recuperação em um ambiente como este, falta menos de 10% da obra para conclusão”.
De acordo com vereador Abílio Junior (PSC), a lei 6.012/2015, foi vetada pelo prefeito da época, mas a Câmara Municipal derrubou o veto e manteve a lei em vigência. Esta lei obriga que as obras sejam inauguradas a partir do momento que elas estiverem acabadas. “Minha sugestão é que coloquem para funcionar a parte que já está pronta, e Inaugurar somente ao término das obras, até porque isso é um instrumento para fazer com que o gestor tenha uma motivação de conclusão da obra”. Pondera Abílio.
Vereadores presentes: Misael Galvão (PSB), Toninho de Souza (PSD), Marcos Veloso (PV), Sargento Joelson (PSC), Felipe Wellaton (PV), Diego Guimarães (PP), Dilemário Alencar (Pros), Orivaldo da Farmácia (PRP), Elizeu Nascimento (DC), Adevair Cabral (PSDB ), Marcelo Bussiki (PSB ), Abílio Brunini (PSC), Ricardo Saad (PSDB), Luis Claudio(PP) e Kero Kero (PSL).
Secretaria de Comunicação
Câmara Municipal de Cuiabá
Imprimir Voltar Compartilhar:

Comentários Facebook
Leia mais:  Municípios terão R$ 51 mi para comprar equipamentos de saúde bucal
publicidade

Saúde

Servidores da Saúde e Meio Ambiente cobram reajuste e ameaçam greve

Publicado

por

O objetivo é forçar o Governo do Estado a cumprir a Lei de Carreira das categorias aprovadas em gestões passadas. O Estado afirma não ter recursos em caixa para o pagamento.

Os servidores estaduais da Saúde e do Meio Ambiente ameaçam deflagrar greve, ainda neste mês de junho, com objetivo de pressionar o governador Mauro Mendes (DEM) a conceder reajuste baseado em suas respectivas leis de carreira.

A situação é parecida com os servidores da Educação que estão em greve desde o último dia 27, por não terem o reajuste de 7,69% em ganho real, que foi aprovado na gestão do ex-governador Silval Barbosa.

O Estado alega que está impedido de conceder reajuste, por ter extrapolado os gastos com a folha salarial e estourado o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

No entanto, o Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde do Estado afirma que irá aguardar as manifestações da próxima sexta-feira (14), contra a reforma da Previdência, para convocar uma nova assembleia geral da categoria para deliberar sobre o tema.

Leia mais:  Prefeito Emanuel Pinheiro recebe primeiro lote de equipamentos do novo Pronto Socorro.

Eles querem fortalecer a greve da Educação e cobrar melhoria no Sistema Único de Saúde.

“O grande termômetro para a gente será essa paralisação na sexta-feira”, confirmou o presidente do Sisma, Oscarlino Alves.

Se confirmada, grande parte dos 3.700 servidores da Saúde, que atuam nas 30 unidades do Estado, deve aderir à greve. Apenas os setores essenciais e os serviços de urgência e emergência não seriam afetados.

Já o presidente do sindicato dos Trabalhadores em Entidades de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sintema), Germano Passos, declarou que os servidores da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) já aprovaram, em assembleia geral na última segunda-feira (10), um indicativo de greve, em razão do descumprimento da Lei de Carreira 10.596 de 2017.

Se aplicada, a lei garantiria um reajuste para categoria em 5,5% a partir de 1º de junho de 2019 e 6,40% previstos no ano que vem.

Porém, Germano destacou que aguarda uma reunião marcada com o Governo na próxima semana, para debater o assunto e somente depois os funcionários da Sema vão deliberar sobre o assunto, em assembleia geral.

Leia mais:  Atendimentos de hemodiálise são suspensos no Hospital Regional de Rondonópolis

“Uma greve não está descartada”, declarou.

O funcionalismo público de Mato Grosso deve parar nesta sexta-feira em um ato nacional contra a Reforma da Previdência.

Outro lado

O Palácio Paiaguás argumenta que está impedido, legalmente, de conceder o aumento salarial aos servidores públicos para que possa retornar aos limites de gastos com pessoal de acordo com o que estabelece a LRF. Além disso, segundo o Governo, a concessão do reajuste a folha salarial pode onerar o Estado em mais R$ 200 milhões, já que teria que cumprir com o mesmo pedido dos grupos de servidores lotados nas Secretarias de Fazenda (Sefaz), Meio Ambiente (Sema) e Educação, que exigem 5,5% e 4%, respectivamente.

Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana