conecte-se conosco


TCE MT

Prefeitura de Figueirópolis D’Oeste deve promover melhorias na transparência

Publicado

Assunto:REPRESENTACAO INTERNA
Interessado Principal:PREFEITURA MUNICIPAL DE FIGUEIROPOLIS DOESTE
LUIZ CARLOS PEREIRA
CONSELHEIRO INTERINO
DETALHES DO PROCESSO
INTEIRO TEOR
VOTO DO RELATOR
ASSISTA AO JULGAMENTO

Julgada parcialmente procedente a Representação de Natureza Interna em desfavor da Prefeitura Municipal de Figueirópolis D’Oeste, gestão de Eduardo Flausino Vilela. O processo nº 12.230-0/2019 foi instaurado pelo Tribunal de Contas de Mato Grosso devido às falhas na transparência fiscal, como a não realização de audiência pública para demonstração e avaliação do cumprimento das metas fiscais, bem como a não publicação do Relatório Resumido de Execução Orçamentário e a não publicação do Relatório de Gestão Fiscal. A decisão, sob a relatoria do conselheiro substituto Luiz Carlos Pereira, ocorreu na sessão ordinária da 1ª Câmara de Julgamentos do dia 6/11.

Isso porque foi considerada sanada a impropriedade relacionada à realização de audiências públicas para avaliação do cumprimento das metas fiscais. Contudo foi reconhecida a ausência de publicação dos Relatórios Resumidos de Execução Orçamentária e dos Relatórios de Gestão Fiscal na imprensa oficial, afastando, contudo, a aplicação de multa.

Leia mais:  Medidas cautelares do TCE têm evitado desperdício de recursos públicos

Os conselheiros, acompanhando o relator, recomendaram à atual gestão da Prefeitura Municipal de Figueirópolis D’Oeste que proceda à correta publicação dos demonstrativos de execução orçamentária e de gestão fiscal da LRF, inclusive pela imprensa oficial, conforme a Resolução de Consulta n.º 05/2015-TP do TCE sob pena de, em caso de reincidência, incidir multa.

Fonte: TCE MT
Comentários Facebook
publicidade

TCE MT

Conselheiro é premiado por artigo científico sobre nova Lei de Proteção de Dados

Publicado

por

O conselheiro interino do Tribunal de Contas de Mato Grosso, Moises Maciel, recebeu certificação de excelência durante o I Congresso Internacional dos Tribunais de Contas, que aconteceu em Foz do Iguaçu (PR) entre os dias 11 e 14 de novembro. O artigo científico “Os Tribunais de Contas no exercício do controle face a nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais” foi premiado com o terceiro lugar entre outros 19 trabalhos acadêmicos.

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais foi aprovada no Brasil em 2018 e entra em vigor em agosto de 2020. Entre suas atribuições, a norma regulamenta as atividades de tratamento de dados pessoais, estabelecendo diversas regras para que empresas, organizações brasileiras e instituições públicas se adequem permitindo mais controle ao cidadão sobre o uso de suas informações pessoais.

Em seu artigo, o autor pontua que as Cortes de Contas não sofrem impactos negativos com a aprovação da Lei, uma vez que a própria normativa excetua os casos de exercício das funções fiscalizadoras e sancionadoras dos Tribunais de Contas. “Nesses casos, a lei prevê expressamente a inaplicabilidade da lei no sentido de não ser obrigatório o consentimento prévio do titular dos dados pessoais, no entanto, determina a observância dos princípios da finalidade, da necessidade, da proporcionalidade”, destaca em trecho de seu trabalho acadêmico.

Leia mais:  Situação da gestão anterior de Poconé é considerada em julgamento

Apesar de não limitar a atuação institucional, a normativa traz grande responsabilidade no trato com as informações gerenciadas pelas Cortes de Contas, de modo que seu uso deve atender exclusivamente ao interesse público, sem compartilhamento dos mesmos para outros fins. “O tema é urgente para que as instituições se adequem às normativas no intuito de proteger dados de cidadãos e promover a segurança jurídica de empresas e fiscalizados”.

Fonte: TCE MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana