conecte-se conosco


Política

Pós- Covid – Botelho segue em recuperação ao tratamento da Covid-19

Publicado

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado Eduardo Botelho (DEM), retornou à Cuiabá nesta terça-feira (28). Nos últimos dias, ele esteve em São Paulo, onde ficou internado numa Unidade semi-intensiva para se tratar de lesões nos pulmões provocadas pelo novo coronavírus.

O deputado vai aproveitar o recesso parlamentar nesta semana para concluir o tratamento e retomar as atividades na próxima segunda-feira (03).

Passado o susto, Botelho retorna agradecido das orações que recebeu e do apoio da família e amigos, em especial, da sua esposa Sônia Botelho, que o acompanhou durante todo o tratamento hospitalar.
“A minha cura está em primeiro lugar em Deus e também no carinho e conforto da minha esposa”, afirmou Botelho.

Botelho aproveita para chamar a atenção sobre a gravidade dessa doença que já fez milhares de vítimas no Brasil. E alerta sobre a necessidade de continuar os cuidados para conter o avanço da doença, ainda mais com o retorno das atividades comerciais. O parlamentar também aproveitou para fazer o alerta nas suas redes sociais sobre o perigo do coronavírus.
“Amigos, quero deixar uma mensagem para todos, essa doença é séria e atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pela COVID-19, então a melhor atitude é adotar medidas preventivas, respeitem os protocolos de isolamento social”.

Leia mais:  "Indignado com tentativa de me envolver", diz Collor sobre operação

Comentários Facebook
publicidade

Política

Wellington Fagundes (PL-MT) afirma que as empresas brasileiras estão sobrecarregadas de tributos e de burocracia.

Publicado

A Comissão Mista Temporária da Reforma Tributária retomou suas atividades nesta sexta-feira (31) após mais de quatro meses de suspensão provocada pela pandemia de covid-19. O presidente da comissão, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), reiniciou os trabalhos comunicando que o ministro da Economia, Paulo Guedes, será ouvido na quarta-feira (5), às 10h. As reuniões são feitas remotamente, por videoconferência entre deputados federais e senadores.

Para Roberto Rocha, a reforma tributária é uma ferramenta indispensável para que o país volte para o caminho do desenvolvimento econômico e da geração de emprego e renda, especialmente depois dos efeitos negativos causado pelo coronavírus. Na opinião dele, o sistema tributário brasileiro é “um verdadeiro pandemônio tributário”.

Após iniciar a reunião, Roberto Rocha passou a condução do debate para o vice-presidente do colegiado, o deputado federal Hildo Rocha (MDB-MA), que passou a palavra inicialmente para o relator da comissão mista, o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

O relator disse que a comissão terá de debater as PECs 110/2019 (do Senado) e 45/2019 (da Câmara), além da proposta do governo federal, cuja primeira parte  foi entregue há 10 dias ao Congresso Nacional. Para ele, os parlamentares têm o desafio de avançar “nesse debate complexo” pensando no cenário pós-pandemia. Aguinaldo Ribeiro disse acreditar que a reforma tributária vai ajudar o país a aumentar o PIB ano após ano. Em sua opinião, a reforma tributária tem que simplificar o sistema e torná-lo mais justo e transparente, o que dará segurança jurídica e confiabilidade ao Brasil.

Leia mais:  Melhorias de estradas e infraestrutura de escola foram solicitadas pelo deputado Paulo Araújo

Ribeiro disse que o Congresso tem que buscar uma reforma ampla que traga mudanças estruturais, pois o Brasil tem uma concentração de renda extrema e enorme desigualdade social. Ele acrescentou que a reforma precisa proporcionar mais equilíbrio fiscal, alavancar a geração de emprego e renda e ajudar a combater as mazelas sociais do país.

— Não basta a simplificação tributária, tem que haver mudanças estruturais que reduzam custos e preços e proporcionem crescimento econômico — salientou o relator.

“Justiça tributária”

O senador Major Olimpio (PSL-SP), primeiro vice-relator da comissão, afirmou que esse colegiado terá um papel fundamental para a história do Brasil. Ele disse que a discussão sobre uma reforma tributária vem desde 1988 e afirmou que o Parlamento não deseja aumentar a carga tributária.A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) disse concordar com a simplificação e a unificação tributária, mas afirmou que a “a justiça tributária é mais importante”. A senadora acrescentou que “os mais pobres do país são os que mais pagam tributos”. Em sua avaliação, a reforma tem que taxar a distribuição de lucros e dividendos e as grandes fortunas, além de reduzir a carga tributária do consumo e reformular a tabela do imposto de renda.

Leia mais:  Deputado Romoaldo Júnior é submetido a um cateterismo e quadro de saúde é estável

Por sua vez, o senador Wellington Fagundes (PL-MT) afirmou que as empresas brasileiras estão sobrecarregadas de tributos e de burocracia. Ele defendeu uma reforma tributária que promova distribuição de renda e justiça tributária e simplifique o país. Ele afirmou que as micro e pequenas empresas são as maiores geradoras de emprego do país, mas sofrem com a alta carga tributária e a burocracia.

 

 

 

Fonte: Agência Senado

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana