conecte-se conosco


Polícia

Polícia Civil prende trio envolvido em vários crimes e fecha desmanche em Nova Xavantina

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Um ponto de desmanche de veículo foi desarticulado e três homens foram presos, pela Polícia Judiciária Civil, na última quarta-feira (07.08), no município de Nova Xavantina (645 km a Leste),

A ação integrada das equipes de Nova Xavantina, Água Boa e Canarana, resultou também na apreensão de uma caminhonete carregada de produtos furtados, bem como no cumprimento de um mandado de prisão preventiva.

Os suspeitos, W.P.L. de 44 anos, conhecido como “Jacaré”, G.O.S.  30, e M.M. S.  21, foram autuados em flagrante pelos crimes de associação criminosa, furto qualificado, adulteração de sinal de veículo automotor e porte ilegal de arma de fogo e munições.

Em desfavor de W.P.L. também foi identificado uma ordem judicial de prisão preventiva em aberto, expedida pela Comarca de Ponta Porã (MS), pelo crime de tráfico de drogas.

Os indivíduos são apontados como autores de vários crimes cometidos em Nova Xavantina e Água Boa. Segundo apurado, os diversos furtos cometidos pela quadrilha eram praticados mediante arrombamentos, tendo como alvos residências, estabelecimentos comerciais, oficinas e galpões.

Durante diligências para apurar a subtração de máquinas e ferramentas em Nova Xavantina, os policiais civis lograram êxito em identificar os três suspeitos como envolvidos nos crimes.

Leia mais:  Polícia Civil prende receptador na posse de 39 reses de gado e 3 armas de fogo Boa

Conforme investigação, “Jacaré” estava novamente residindo em Nova Xavantina, e dessa vez, acompanhada dos comparsas G. O. S. e M. M. S., ambos do Estado do Pará.  O trio passava o dia em uma residência, e no período noturno saía para realizar os furtos.

De posse das informações, os policiais civis passaram a monitorar as proximidades da casa dos suspeitos, quando avistaram saído do imóvel sentido cidade de Água Boa, uma caminhonete F-1000 transportando na carroceria uma motocicleta sem placa, um compressor profissional e outras diferentes ferramentas.

Diante dos fatos, foi feito acompanhamento do veículo até a Rodovia BR 158, nas adjacências do Assentamento Banco da Terra, onde foi realizada abordagem da caminhonete com os três ocupantes.

Em ato contínuo, a equipe retornou no imóvel do suspeito, onde foi apreendida uma expressiva quantidade de objetos furtados, como três freezers verticais, bancada de mecânico, botijão de gás, ferramentas, entre outros itens.

O trabalho operacional contou com apoio dos policiais civis de Água Boa e Canarana, resultando na localizam de um ponto utilizado para desmanche de veículos e depósito de produtos furtados. No local, também foi apreendida uma arma de fogo, calibre 22 e várias munições, além de uma motocicleta com registro de furto ocorrido na cidade de Canarana.

Leia mais:  Com tornozeleira eletrônica, homem volta a prisão após ser flagrado pela PRF com veículo roubado

Diante do flagrante, os suspeitos foram conduzidos para delegacia, interrogados e autuados por associação criminosa, furto qualificado, adulteração de sinal de veículo automotor e porte ilegal de arma de fogo e munições.

Após a confecção dos autos, o trio foi encaminhado até a Penitenciária Major Zuzi Alves da Silva, permanecendo à disposição da Justiça.

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Operação descobre depósito de mais de R$ 350 mil em bebidas

Publicado

por

Assessoria  | PJC-MT

Mais de R$ 350 mil em bebidas sem o recolhimento do ICMS ao Estado de Mato Grosso foram apreendidos  na operação “Liber Pater”, realizada pela  Polícia Civil com a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), por meio de investigações da Delegacia Especializada em Crime Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz).

O depósito, localizado no bairro Jardim Marajoara, em Várzea Grande, foi descoberto na sexta-feira (23), após depoimentos de envolvidos na operação. No local, policiais civis e fiscais da Fazenda encontraram grande quantidade de bebidas armazenadas, que possivelmente entraram no Estado sem o recolhimento de tributos, e seriam comercializadas para estabelecimentos (mercados, supermercados, bares, distribuidoras) de Cuiabá, Várzea Grande e interior do Estado.

A propriedade do depósito ainda não foi identificada. O local foi apontado pelos presos ouvidos na operação, que teve 10 pessoas presas por força de mandados de prisão cumpridos.

A operação denominada, “Liber Pater”, foi deflagrada na manhã desta sexta-feira (23), para cumprimento de 11 mandados de prisão preventiva e 37 ordens de busca e apreensão. Foram seis mandados de prisão cumpridos em Cuiabá e quatro na cidade de Várzea Grande. Todos vão responder por integrar organização criminosa e crimes contra a ordem tributária, entre outros a serem delimitados até o final do inquérito policial. 

Leia mais:  Polícias Civil e Militar cumprem buscas e desarticulam tráfico no bairro Jardim Renascer

Uma pessoa, considerada líder da organização criminosa, segue foragida sendo procurada pela Polícia fora do Estado de Mato Grosso.  “Acreditamos que é questão de tempo até que seja efetuada dele, o único mandado ainda não cumprido. Temos uma equipe que já localizou a cidade onde está esse alvo”, informou o delegado  Sylvio do Vale Ferreira Júnior.

Os mandados foram expedidos para cumprimento em 13 cidades de Mato Grosso e 1 cidade do Estado de Tocantins, sendo elas: Cuiabá, Várzea Grande, Pontes e Lacerda, Comodoro, Jauru, Cáceres, Mirassol D’oeste, São José dos Quatro Marcos, Figueirópolis D’Oeste, Tangará da Serra, Campo Novo dos Parecis, Primavera do Leste, Juína e Palmas (TO), cidade que a 1.510 km de Cuiabá. 

A ação policial apura o comércio de bebidas quentes (Velho Barreiro, Jamel, Pirassununga, etc.), oriundas de outros Estados da Federação, desacompanhadas de notas fiscais, sem registro de passagem nos postos fiscais ou com simulação de trânsito para outros estados, mas com o descarregamento do produto no Estado do Mato Grosso.

Leia mais:  Com tornozeleira eletrônica, homem volta a prisão após ser flagrado pela PRF com veículo roubado

A fraude, conforme o delegado Sylvio do Vale Ferreira Júnior, adjunto da Defaz, se concretiza com a distribuição das bebidas quentes aos comerciantes espalhados pelo interior do Estado de Mato Grosso, sem qualquer recolhimento de tributos ou até mesmo sem quaisquer notas fiscais.

De acordo com o delegado Sylvio, a fraude promovida pela organização criminosa foi bem estruturada ao passo que faturou aproximadamente R$ 14 milhões com a venda de bebidas quentes. “O ICMS sonegado, a título de substituição tributária, em decorrência do ingresso desses produtos (bebidas quentes) de maneira irregular no Estado de Mato Grosso, perfaz o valor de aproximadamente R$ 4 milhões, segundo dados da Secretaria de Fazenda do Estado do Mato Grosso”, pontua o delegado.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana