conecte-se conosco


Polícia

Polícia Civil prende suspeitos de executar jovem em Várzea Grande por ordem de facção criminosa

Publicado

Assessoria PJC | MT

A Polícia Judiciária Civil, por meio da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), realizou a prisão na manhã desta sexta-feira (19) de dois suspeitos de executarem um jovem de 19 anos no município de Várzea Grande.

O crime ocorreu em 12 de março deste ano, no bairro Princesa do Sol. Na ocasião, Sidnei Abreu dos Santos foi executado em via pública com diversos disparos de arma de fogo a queima roupa.

O crime ganhou maior repercussão após um vídeo – gravado 45 dias antes do homicídio – viralizar nas redes sociais mostrando Sidney amarrado, pedindo perdão aos chefes da facção. Na filmagem, um homem não identificado efetua um disparo que atravessou as mãos da vítima. 

De acordo com o delegado à frente das investigações, Frederico Murta, da DHPP, o episódio teria sido apenas mais um “salve” (nome dado pelos membros da organização criminosa às punições por eles aplicadas por condutas não admitidas). “Além da realização dos atos de brutalidade, os criminosos replicam as gravações no sentido de impor o terror e o medo”, destaca.

Leia mais:  Polícia Civil deflagra operação para prisão de 128 envolvidos em fraude ambiental em MT

As investigações apontaram que Sidnei era usuário de drogas e praticava uma série de furtos e roubos em sua região, o que teria motivado não apenas as agressões gravadas, mas também seu homicídio, em março deste ano.

“No decorrer das investigações foram colhidos robustos elementos de convicção de que a morte de Sidnei teria sido decretada de dentro da cadeia, pelos chefes da organização criminosa, como punição pelos delitos que continuava a praticar”, explica o delegado Frederico Murta.

Foram empreendidos diversos esforços, com levantamentos de campo e utilização de ferramentas de investigação (inteligência), para a identificação dos dois executores do crime, resultando nas prisões efetuadas na manhã desta sexta-feira (19).

Prisões

Os suspeitos foram identificados como Welligton Machado, 23, e Pedro Wender Muniz dos Santos, conhecido como “Pedrinho”, 19. Ambos são integrantes de organização criminosa e foram presos no mesmo bairro onde o crime ocorreu (Princesa do Sol).

Os dois investigados tiveram seus mandados de prisão temporária cumpridos e serão encaminhados à audiência de custódia, ficando a disposição do Judiciário.

Leia mais:  Investimentos em inteligência reduziram em mais de 20% índices de crimes em MT

Welligton e Pedro serão indiciados por homicídio qualificado e por integrarem organização criminosa.

 

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Delegados de Mato Grosso ganham o maior salário do Brasil

Publicado

Um levantamento realizado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) mostrou que os delegados de Mato Grosso são os que ganham o maior salário da categoria no país. O salário mensal de um delegado da Polícia Civil no estado é de R$ 24,5 mil.

Enquanto o salário dos delegados de Mato Grosso é o maior do país, o vencimento de escrivães e investigadores – as outras carreiras da Polícia Civil-, está bem longe do primeiro lugar.

Para os escrivães, profissionais responsáveis pelo registro de ocorrências e pela documentação das investigações, o salário é de R$ 5,5 mil, o 11º no ranking brasileiro.

Já para os investigadores, policiais que coletam provas sobre os crimes, localizam e interrogam suspeitos e mantém a segurança dos locais de investigação, o vencimento inicial é de R$ 5,5 mil, o 9º maior na comparação com o mesmo cargo em outros estados.

Dados da Polícia Civil mostram que no quarto trimestre de 2020 havia 400 cargos para delegados, porém, 158 estavam vagos. Já para escrivão de polícia, são 1,2 mil vagas, mas só 2.056 ocupados. E para investigador são 4 mil vagas, com 1.944 cargos vagos.

Leia mais:  Nota PJC/MT  – TETO DELETRAN

Por ser uma carreira típica de Estado, ou seja, que não podem ser substituída por profissional contratado, os cargos da Polícia Civil só podem ser ocupados através de concurso público. No entanto, para conseguir benefícios com o governo federal durante a crise, o Estado se comprometeu a não criar novos gastos até 2022, o que incluem os concursos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana