conecte-se conosco


Polícia

Polícia Civil capacita servidores para atendimento de mulheres e meninas vítimas de violência

Publicado

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil, por meio da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá, em parceria com a Coordenadoria de Polícia Comunitária, realizou na tarde de sexta-feira (07.12) o “I Painel de Debates sobre Violência Contra a Mulher”.

O evento foi direcionado a capacitação de servidores da PJC, preferencialmente, aos policiais que atuam nas unidades especializadas de defesa da mulher da  região metropolitana e interior, Delegacia Especializada de Defesa da Criança e Adolescente (DEDDICA), Plantões de Cuiabá e Várzea Grande, assistentes sociais e psicólogos da PJC, além do Conselho Estadual dos Direitos da  (CEDM) e os Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA), dos Direitos da Mulher (CMDM), dos Direitos da Pessoa Idosa (COMDIPI), e ainda Conselhos de Segurança (Consegs) e Clube de Mães.

Violência sexual

A abertura das palestras teve como tema o abuso sexual infanto-juvenil e foi ministrada pelo delegado coordenador de Polícia Comunitária da Polícia Judiciária Civil, Gênison Brito Alves Lima. “Os subssistemas de defesa de garantia do direito das crianças e adolescentes ainda precisam avançar para tratar, de fato, como prioridade, conforme preconiza o ECA, o atendimento a esse público, que é o mais vulnerável em nossa sociedade”.

“Precisamos com urgência absorver esse enfrentamento da violência sexual, a partir da criança e do adolescente. Notamos que na prática, a menina já é vitimada a partir do olhar do adulto sobre ela, um olhar malicioso. Depois que vira adolescente fica ainda mais explícita essa visão da garota como objeto de desejo”.

Leia mais:  Polícia Civil prende suspeito de compartilhar fotos nuas de mulheres após ameaçá-las em redes sociais

Feminicídio

A promotora de justiça Sasenazy Soares da Rocha Daufhenbach, do Núcleo das Promotorias de Violência Doméstica de Cuiabá, abordou o tema “feminicídio”. “O ciclo de violência, que as vítimas enfrentam antes de culminar na morte da mulher em razão do gênero, apontam para a necessidade do atendimento de qualidade desde as primeiras denúncias, com sensibilidade”.

A palestrante também tratou sobre a importância do local de crime e apresentou reflexões de casos ocorridos na região metropolitana.

Acolhida

A terceira exposição teve como reflexão o acolhimento às vítimas de violência e foi ministrada pela psicóloga Isabel Silveira, diretora-geral da Univeritas e ex-superintendente de Políticas Públicas para Mulheres de Mato Grosso.

“É possível comparar a violência doméstica a que acontece nos tempos de guerra. Ambas geram transtorno de estresse pós-traumático. Esse quadro gera forte impacto emocional, sensação de opressão. Na maioria dos casos a mulher não se recorda com clareza dos fatos, o que acaba gerando versões conflitante. Por isso o acolhimento inicial é fundamental para a superação desse trauma, destacou a palestrante.

Mobilização

O evento marcou a agenda de mobilização social dos 16 Dias de Ativismo, promovida pela Delegacia Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá (DEDM), em parceria com a Coordenadoria de Polícia Comunitária da Polícia Judiciária Civi.

A delegada titular da DEDM, Jozirlethe Magalhães Criveletto, destacou que além das atividades voltadas ao atendimento das mulheres, nos bairros da Capital, o foco deste ano foi a capacitação aos profissionais. “Pensamos em lançar esse olhar para os profissionais, de modo alcançar o ‘bem-acolher’ no cuidado das crianças e mulheres adultas e idosas”, afirmou.

Leia mais:  Foragido da justiça por matar ex-namorada tem prisão cumprida em Manaus

 

Avanços

O Diretor de Execuções Estratégias da Polícia Civil, Mário Dermeval Aravechia de Resende, destacou no evento os avanços da Instituição, mesmo diante de um cenário de crise econômica nacional, objetivando a melhoria das estruturas físicas das unidades que atendem mulheres vítimas de violência.

De acordo com o diretor todos os esforços estão sendo empreendidos buscando breve inauguração de novas delegacias especializadas. As cidades de Várzea Grande e Sinop tiveram inauguradas recentemente suas unidades. E em fevereiro de 2019 está prevista a inauguração de uma delegacia especializada em Cáceres, com mais de mil metros quadrados.

“Além disso, a medida protetiva eletrônica, que está sendo implantada nas cidades de Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis, é uma ferramenta importante para agilidade nos trabalhos de proteção às vítimas. Esse trabalho será efetivado em breve nos municípios de Tangará da Serra, Sinop e Cáceres”, explicou o diretor Mário Dermeval Aravechia de Resende.

 

O I Painel de Debates sobre Violência Contra a Mulher contou com a presença de representantes de outras instituições como a Defensoria Pública e a Polícia Militar. A abertura do evento foi realizada pelo Coral Vozes da Polícia Judiciária Civil.

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Após denúncia de técnica, PM cobra do MP investigação de morte de major em Cuiabá

Publicado

Técnica de enfermagem alega que Hospital São Judas não estaria fazendo atendimento adequado aos pacientes com Covid

Após denúncias feitas por uma técnica de enfermagem apontando negligência e maus-tratos contra o major da PM, Thiago Martins de Souza, de 34 anos, que morreu por complicações da Covid-19, a Polícia Militar de Mato Grosso encaminhou ofício pedindo investigação por parte do Conselho Regional de Medicina (CRM-MT) e Ministério Público Estadual (MPE).

O caso ganhou repercusssão nesta segunda-feira (5), depois que a técnica de enfermagem, Amanda Delmondes Benício, fez acusações contra o Hospital São Judas Tadeu, unidade particular onde o militar ficou internado por vários dias com agravamento de seu quadro de saúde até ser transferido para a UTI do Hospital São Benedito onde morreu do último sábado (3).

Em nota, a Corporação informou que o Comando Geral pediu aos órgãos competentes que façam uma apuração na esfera administrativa e criminal quanto à possível negligência sofrida pelo major que tinha 15 anos de serviços prestados à Polícia Militar e atuava como subcomandante do 24º Batalhão. “No mesmo ofício, o Comando Geral da PM solicita aos órgãos oficiados acima que lhe seja oportunizado o acompanhamento e/ou atualizada sobre tais apurações”, diz o comunicado.

Ainda de acordo com a Polícia Militar, essa providência foi adotada pela instituição por causa da gravidade das denúncias feitas pela profissional de enfermagem. Ela, além de fazer as afirmações para vários veículos de comunicação, também procurou a Polícia Civil e registrou um boletim de ocorrência relatando descasos no hospital privado, que teriam prejudicado a recuperação de pacientes infectados pela Covid-19.

Leia mais:  Foragido da justiça por matar ex-namorada tem prisão cumprida em Manaus

Em relação ao major da PM, a mulher disse o seguinte: “O major Thiago que está sendo seputado hoje, ele ficou por duas semanas no Hospital São Judas e ele estava saturando sim, mas ele ficou duas semanas praticamente jogado, sem tomar banho. Eu chegava brincando e falava assim: eu vou dar banho em vocês. Fiz uma extensão, peguei uma seringa de três, coloquei numa extensão enorme porque não tinha seringa e oxigênio pequeno. Então, com aquela conexão que eu fiz o paciente dava pra ir até o banheiro, sentar na cadeira de rodas e tomar banho na cadeira de banho”.

Em outra entrevista, ela prosseguiu descrevendo detalhes do que afirma ter presenciado no hospital privado, classificado por ela como “abandono” do paciente. “O Thiago falou assim: moça, eles vão me matar aqui dentro eu estou jogado, ninguém vem aqui. Ai foi uma fisioterapeuta pra fazer uma VNI nele. VNI é uma máscarta que em alguns lugares estão usado aquela máscara de nadador. Eu não entendo sobre essa máscara, só os fisioterapeutas. Ai ele gritou socorro, aquele socorro abafado, quando eu vi ele estava roxo, saturando 29, eu arranquei a máscara do Thiago, conectei outra máscara nele que joga oxigênio e pedi pra ele pronar, ai fui falando que ia dar tudo certo”.

Leia mais:  Polícia Civil prende homem por ameaças a mãe idosa em Denise

Em nota, o hospital negou as denúncias e afirmou que as acusações espúrias “foram proferidas por uma funcionária que trabalhou 50 dias na Instituição, e foi demitida na semana passada justamente por práticas dissonantes com as exigidas pelo Hospital e, por isso, utiliza-se dessa pauta com cunho de promover retaliação e vingança”.

A unidade hospitalar prometeu processar a mulher nas esferas cível e criminal.

CONFIRA A NOTA DA PM

O Comando Geral da Polícia Militar informa que está oficiando ao Conselho Regional de Medicina (CRM-MT) e ao Ministério Público Estadual (MPE) uma solicitação de apuração na esfera administrativa e criminal, respectivamente, da denúncia de possível negligência sofrida pelo major PM Thiago Martins de Souza durante internação em unidade hospitalar privada em Cuiabá.

No mesmo ofício, o Comando Geral da PM solicita aos órgãos oficiados acima que lhe seja oportunizado o acompanhamento e/ou atualizada sobre tais apurações. 

Esta medida está sendo adotada a partir de denúncias veiculadas em reportagens publicadas em diversos sites e outros órgãos de imprensa nesta segunda-feira-feira(05.04).

O major Thiago morreu no último sábado(03.04), por complicações decorrentes da Covid-19, em outra unidade hospitalar, da rede SUS, em Cuiabá, para onde foi transferido após agravamento do seu quadro de saúde e consequentemente necessidade de internação em Unidade de Terapia Intensiva(UTI).

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana