conecte-se conosco


Mato Grosso

Piloto que sofreu acidente no Pantanal morre no Rio de Janeiro

Publicado

Piloto da Força Nacional, Renato de Oliveira Souza, que se acidentou no Pantanal no dia 08 de outubro, morreu na madrugada desta terça-feira (27) no Rio de Janeiro. Ele havia sido transferido em UTI Aérea para o RJ no último dia 21, para continuar o tratamento perto da família. Na noite anterior (26), ele teve um quadro de falta de ar súbito, foi socorrido por uma ambulância, mas não resistiu. A suspeita, segundo informações da família, é de tromboembolismo pulmonar.

O secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, lamentou o falecimento e ressaltou o trabalho desempenhado pelo piloto em vida. “O Renato dedicou boa parte de sua vida na defesa da vida, e não foi diferente nesta última missão. Externamos nosso máximo respeito e admiração e nossos sentimentos aos familiares e amigos”.

Renato de Oliveira Souza era agende especial da Polícia Civil do Distrito Federal e fez parte da equipe da Força Nacional desde maio de 2016. Tinha 55 anos de idade e já atuou em vários estados, como Goiás, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Sergipe, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Ceará, Minas Gerais e Mato Grosso, comandando a aeronave Nacional 01.

Leia mais:  Consumidores podem acumular bilhetes até 31 de julho para concorrer a prêmios

Ele compôs a equipe enviada pelo Governo Federal para auxiliar o Estado mato-grossense no combate aos incêndios florestais, em setembro deste ano. Juntamente com dois integrantes da Força Nacional, foi vítima de acidente com um helicóptero e estava internado em um hospital de Cuiabá desde o dia do acidente, 08 de outubro.

No dia 21 deste mês, Renato decolou na UTI Aérea do Governo do Estado, equipada em aeronave do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), após receber autorização médica. O apoio também foi prestado no dia do acidente, com transporte das vítimas e acompanhamento do estado de saúde.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Igrejas e templos religiosos de Mato Grosso estão com o horário de funcionamento limitado

Publicado

Igrejas e templos religiosos de Mato Grosso estão com o horário de funcionamento limitado, por conta do novo decreto governamental com medidas de contenção à Covid-19. As celebrações e outras atividades nesses locais só podem ocorrer entre às 5h da manhã e às 19h, de segunda a sexta-feira. Nos finais de semana, o horário permitido é entre 5h e 12h.

Além disso, os líderes de cada segmento religioso devem ficar atentos às regras que limitam a quantidade de pessoas que podem participar de cada reunião. Conforme o decreto assinado pelo governador Mauro Mendes (DEM),  são permitidas, no máximo, 50 pessoas por encontro, respeitando sempre a ocupação de apenas 30% da capacidade do local.

Os cristãos católicos, neste momento, vivem o importante período religioso que antecede a Páscoa, conhecido como quaresma, que rememora os dias em Jesus ficou no deserto, jejuando e orando e foi tentado pelo diabo antes de iniciar sua vida como líder religioso.

De acordo com o censo de 2010, os católicos representam a maior população religiosa em Mato Grosso, com quase 2 milhões de fiéis. Em seguida vem os evangélicos, com quase 800 mil.

Leia mais:  Após trabalhar em apoio, professora passa em concurso e assume sala de aula

Apesar de o decreto ter ganhado respaldo jurídico do Tribunal de Justiça (TJ), devendo ser seguido em todos os municípios do estado, diversas lideranças têm pedido a flexibilização das normas para garantir a normalidade no funcionamento das atividades religiosas.

Na Câmara Municipal de Cuiabá, tramita um projeto de lei apresentado pelo vereador Eduardo Magalhães (Republicanos), que prevê a inclusão das igrejas e templos de qualquer denominação religiosa entre as atividades essenciais.

“As igrejas e templos realizam trabalhos de voluntariado na comunidade dando amparo a pessoas normalmente de baixa renda, incluindo aí população carcerária e indivíduos em situação de vulnerabilidade. Além da evangelização, as denominações religiosas mobilizam-se para auxílio de pessoas atingidas pela crise econômica ora em curso em função da pandemia da Covid 19”, argumenta o parlamentar.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana