conecte-se conosco


Política

PF pede mais prazo para investigar senador por suposto caixa 2

Publicado

A Polícia Federal pediu mais prazo para concluir o inquérito que investiga o senador Wellington Fagundes (PL) pela prática de caixa 2 nas eleições de 2014.

 

Fagundes é acusado de ter recebido R$ 300 mil, fora da contabilidade oficial, para a campanha ao Senado. O caso foi delatado pelos empresários Joesley e Wesley Batista, sócios da empresa.

 

Essa é terceira vez que a PF pede mais tempo para concluir as investigações. A primeira solicitação foi feita em maio do ano passado e a segunda, em outubro.

 

Em despacho publicado nesta quinta-feira (28), a juíza Gabriela Carina Knaul de Albuquerque e Silva, da 51ª Zona Eleitoral de Cuiabá, determinou que o Ministério Público Eleitoral se manifeste sobre pedido da PF.

 

“Autos ao Ministério Público Eleitoral para apreciação do pedido de dilação de prazo. Retornando os autos e havendo concessão, remessa direta à Polícia Federal para prosseguimento das investigações, sem colheita de novo despacho”, determinou a magistrada.

 

Em outubro do ano passado, o  juiz Jorge Alexandre Martins Ferreira negou recurso do senador para decretar o sigilo do inquérito.

Leia mais:  AL firma convênio para transmissão da Rádio da Justiça do Trabalho

 

No recurso, Fagundes alegou que por ser “pessoa pública, com forte exposição na mídia”, a investigação da PF pode o submeter a “riscos de constrangimentos desnecessários, que em nada contribuiriam para o deslinde do feito”.

 

O magistrado rebateu o senador, afirmando que o inquérito policial não investiga fatos que, por sua própria natureza, pudessem gerar constrangimentos “além daqueles inerentes a qualquer procedimento de investigação criminal”.

 

Suposto caixa 2

 

O dinheiro teria sido recebido por Wellington por meio de Neri Geller, então ministro da Agricultura e atual deputado federal

 

Segundo os delatores, foi Florisvaldo de Oliveira, o “homem da mala da JBS”, que entregou o montante no gabinete do então ministro.

 

O repasse a Fagundes teria se dado no dia 5 de setembro de 2014.

 

Nesse período, ele já estava em campanha ao Senado, disputando a única vaga por Mato Grosso.

 

Em sua prestação de contas feita à Justiça Eleitoral não constam depósitos feitos pela empresa. Ao todo, ele declarou ter arrecadado R$ 8,7 milhões.

Leia mais:  Emanuel Pinheiro assina amanhã acordo de ajuda a Santa Casa

 

 

 

 

 

fonte: MidiaNews

Comentários Facebook
publicidade

Política

De na Folha de SP; Secretário de saúde pede ‘socorro’ a outros estados e tem pedido negado

Publicado

O secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, pediu socorro a lideranças de outros estados para que atendam aos pacientes com covid-19 que estão na fila de espera por Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Contudo, apesar da demanda, o pedido foi negado.

A assessoria da Secretaria de Estado de Saúde confirmou a solicitação e emitiu nota sobre o caso. Confira o comunicado na íntegra abaixo:

“A Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso (SES-MT) informa que solicitou o auxílio dos demais estados da federação para a possível transferência de pacientes com a Covid-19. Até o momento, não houve confirmação oficial por parte dos estados.

Atualmente, Mato Grosso registra 59 pacientes com Covid-19 à espera de um leito de Terapia Intensiva. É importante frisar que, considerando a universalidade do Sistema Único de Saúde (SUS), o estado de Mato Grosso prestou assistência aos pacientes de Rondônia em janeiro deste ano e cedeu UTIs para o tratamento de pessoas que esperavam por uma vaga.”

 

Comentários Facebook
Leia mais:  AL firma convênio para transmissão da Rádio da Justiça do Trabalho
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana