conecte-se conosco


Política

PF investiga esquema de ‘rachadinha’ na Câmara de Cuiabá

Publicado

Um inquérito sigiloso da Polícia Federal (PF) em Mato Grosso investiga a existência de um esquema de “rachadinha” na Câmara de Cuiabá, aos moldes do que foi descoberto na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e que ficou conhecido no país todo por conta da suposta participação do filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro.

A reportagem do jornal A Gazeta obteve, com exclusividade, todos os detalhes das investigações sigilosas. A apuração aponta que o líder do esquema seria o ex-vereador Vinicyus Hugueney (PP). De acordo com denúncias de ex-assessores, Vinicyus comprou 1.980 votos nas eleições de 2016. Além disso, Hugueney empregou quatro apoiadores na Secretaria Municipal de Trabalho e Desenvolvimento de Cuiabá e outros dois na Câmara do município.

Segundo estas denúncias, ficou acertado em uma reunião em um lava-jato logo após as eleições que todos seriam empregados e que devolveriam a maior parte dos salários para o vereador. O suposto esquema, a exemplo do que ocorre com as suspeitas sobre a família Bolsonaro, envolvia parentes, amigos e pessoas próximas do vereador. A apuração começou em 2017, quando Vinicyus ainda possuía cargo eletivo, na época dois ex-apoiadores foram até o Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) denunciar crimes como compra de votos durante as eleições de 2016, caixa dois e a famosa “rachadinha”.

Leia mais:  Acusadores criticam decisão do STF sobre 2º grau; defensores elogiam

Em depoimento prestado ao Ministério Público de Mato Grosso nos dias 1 e 2 de junho de 2017, os ex-assessores de Hugueney, P.A.P.O e F.R.E.C, contaram como funcionava o esquema de compra de votos e rachadinha e entregaram documentos como lista de eleitores cooptados, lista de lideranças que recebiam valores “por fora” entre outros arquivos anexados pela Polícia Federal.

P.O contou no dia de junho de 2017, que em 2016 recebeu um cheque de R$ 50 mil para sacar o valor e entregar a Vinicyus Hugueney e que o recurso seria para a compra de votos naquela eleição. Em seguida, ao ser eleito, Vinicyus ofereceu um cargo para P. na Câmara com um salário de R$ 4 mil. Deste valor, apenas R$ 1 mil ficaria com o assessor e o restante deveria retornar para o vereador. O assessor recusou a proposta e Vinicyus respondeu que “se não quer tem quem queira”.

Um dia antes do depoimento de P., o ex-coordenador de campanha de Hugueney, F. R. E. C, também delatou o antigo chefe. F. contou ao Ministério Público que trabalhou gratuitamente na campanha em 2016 com a promessa de que ganharia um cargo fantasma se o grupo vencesse a eleição.

Leia mais:  João Batista cria CPI da Previdência na Assembleia Legislativa

Ele explicou que era responsável pelo pagamento de 200 cabos eleitorais. Cada apoiador recebia R$ 600 pelos serviços. Deste total, apenas 6 pessoas apoiadores foram declarados na prestação de contas. Além disso, F. contou ter remunerado com R$ 50 cada uma das 2.560 pessoas contratadas para fazer boca de urna na data da eleição.

Comentários Facebook
publicidade

Política

“A isenção do IPVA vai ajudar 547 mil pessoas, especialmente a população que mais precisa”, afirma governador

Publicado

O governador Mauro Mendes afirmou que a isenção do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que será concedido a 547 mil mato-grossenses, irá beneficiar especialmente a população que mais precisa e tem sido mais afetada pela pandemia.

O projeto de lei que prevê a isenção foi enviado pelo governador nesta quarta-feira (14.04), e já recebeu aprovação dos deputados da Assembleia Legislativa. Assim que retornar ao Executivo, será sancionado.

“Agradeço muito aos nossos deputados pela sensibilidade e pela rápida aprovação do projeto. Essa atitude vai ajudar a aliviar o bolso e melhorar a vida de mais de meio milhão de mato-grossenses, especialmente a população que mais precisa”, agradeceu o governador.

Mauro Mendes explicou que entre os segmentos que não precisarão pagar o IPVA está a frota do setor de bares, restaurantes, eventos, vans escolares, hotéis e similares, casas noturnas, e também todos os proprietários de motocicletas de até 160 cilindradas e motoristas de aplicativo.

“Você que tem uma bizz, uma moto de pequeno porte, que usa esse veículo como transporte, bem como autônomos e motoboys, não precisarão pagar o IPVA em 2021. Dentro dessa isenção, estão também os táxis e motoristas de aplicativos, Uber, 99, todos estarão isentos de ter que pagar IPVA”, relatou.

Leia mais:  Presidente do Senado avalia matérias que devem ou não avançar em 2020

Saiba quem terá direito à isenção do IPVA:

 

Bares, restaurantes, setor de eventos

•motocicleta com potência de até 160 (cento e sessenta) cilindradas cúbicas;

•motocicleta com potência acima de 160 (cento e sessenta) até 300 (trezentas) cilindradas cúbicas;

•automóvel de passeio, cujo valor médio de mercado seja igual ou inferior a R$ 100.000,00 (cem mil reais);

•automóvel de carga ou misto;

•veículo terrestre de carga ou misto, jipe, picape e camioneta com cabine fechada ou dupla.

 

Motorista de aplicativos

•Automóvel de passeio, cujo valor médio de mercado seja igual ou inferior a R$ 100 mil

 

Setor de Transporte de Turismo e Escolar

•Empresas que utilizem veículos:

•a) para o transporte de fretamento turístico e contínuo;

•b) para o transporte escolar;

•Veículos devem estar autorizados pelos órgãos competentes e:

•A) Estarem na posse ou propriedade da empresa de transporte de fretamento turístico e contínuo, ainda que em nome de sócios;

•B) Estarem na posse ou propriedade de empresa de transporte escolar, ainda que em nome de sócios

Leia mais:  Mourão defende desvinculação de recursos do Orçamento da União

 

Pessoas físicas e microempresários individuais (autônomos) pequenas empresas do simples nacional

•motocicleta com potência de até 160 (cento e sessenta) cilindradas cúbicas

 

Hotéis e Similares

•motocicleta com potência de até 160 (cento e sessenta) cilindradas cúbicas;

•motocicleta com potência acima de 160 (cento e sessenta) até 300 (trezentas) cilindradas cúbicas;

•automóvel de passeio, cujo valor médio de mercado seja igual ou inferior a R$ 100.000,00 (cem mil reais);

•automóvel de carga ou misto;

•veículo terrestre de carga ou misto, jipe, picape e camioneta com cabine fechada ou dupla.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana