conecte-se conosco


Entretenimento

Pabllo Vittar é anunciada como headliner da Parada LGBTQ+ de Nova York

Publicado

Nesta quarta-feira (13) a cantora Pabllo Vittar, de 24 anos de idade, foi anunciada como headliner da Parada LGBTQ+ de Nova York, nos Estados Unidos. O desfile é considerado um dos maiores do mundo e este ano acontecerá entre os dias 29 e 30 de junho.

Leia também: Pabllo Vittar aparece só de cueca e ferve as redes sociais


Pabllo Vittar é anunciada como atração principal da Parada LGBTQ+ de Nova York, nos Estados Unidos
Reprodução Instagram

Pabllo Vittar é anunciada como atração principal da Parada LGBTQ+ de Nova York, nos Estados Unidos

No evento, Pabllo Vittar não estará sozinha. A cantora se apresentará junto da icônica Grace Jones e a aclamada rapper Teyana Taylor. “Estamos muito animados de criar essa experiência de mais de um dia, que dialoga com muitos frequentadores do evento, durante uma das maiores paradas LGBT do mundo”, disse o diretor de planejamento da Parada LGBTQ+, Chris Frederick, em reportagem da Out Magazine .

Leia também: Pabllo Vittar usa look com manchetes de jornais relacionadas à homofobia

Em reação ao anúncio, Grace Jones festejou na internet: “Não poderia estar mais animada de me apresentar para a comunidade LGBTQIA+ que me apoiou por tantos anos. Será uma celebração de tudo que esta comunidade representa e entrará para a história”.

Leia mais:  Prima de Patrícia Poeta sensualiza em ensaio de Natal no Bella da Semana

No Twitter, Pabllo comemorou retuitando notícias sobre o evento e mandando um pequeno “Alô” para os nova iorquinos. A artista latina Amara La Negra e o DJ Johnny Dynell se juntarão a Pabllo, Grace e Teyana na noite de sábado (29). As atrações de domingo ainda serão anunciadas pela organização do evento.

A vida e carreira de Pabllo Vittar


Pabllo Vittar é anunciada como atração principal da Parada LGBTQ+ de Nova York, nos Estados Unidos
Reprodução/Instagram

Pabllo Vittar é anunciada como atração principal da Parada LGBTQ+ de Nova York, nos Estados Unidos

 Desfrutando de uma agenda de shows lotada, a artista vem aproveitando seu tempo para divulgar seu segundo álbum de estúdio, o “Não Para Não”. Até então, apenas três músicas de seu novo projeto ganharam vídeo clipe, sendo elas Problema Seu, Seu Crime e Buzina .

Leia também: Pabllo Vittar fala pela 1ª vez sobre rixa com Anitta: “A gente não é amiga”

Além dos shows e divulgação de seu projeto musical, Pabllo Vittar também tem investido tempo em publicidade para grandes marcas e postagens nas redes sociais.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Filósofo esloveno vê antifeminismo em desfecho de Daenerys em “Game of Thrones”

Publicado

por

Slavoj Žižek, prestigiado filósofo esloveno, aproveitou o final de “Game of Thrones” para fazer uma crítica reflexiva, em sua Coluna no Blog Boi Tempo , sobre a última temporada da série e deixou claro a insatisfação, principalmente, com o desfecho de Daenerys (Emilia Clarke).

Leia também: George R. R. Martin fala sobre desfecho da série de livros de “Game of Thrones”


Game of Thrones
Divulgação

Daenerys em “Game of Thrones”

O pensador ressalta que a indignação pelo fim decepcionante de ” Game of Thrones ” é além do enredo ruim, mas também pela psicologia ruim, que transforma a personagem de  Emilia Clarke em Rainha Louca e, segundo ele, não se justifica em termos da trajetória da personagem.

Leia também: Os problemas com Bran, o quebrado, como Rei ao fim de “Game of Thrones”

filósofo  diz ainda que os espectadores insatisfeitos têm um problema com embate do conflito interno entre Daenerys e os Stark. “Ela combina a rejeição de uma transformação radical com um velho tema antifeminista verificado nas obras de Hegel, Schelling e Wagner”, escreve ele. 

Leia mais:  Dany Bananinha posa completamente nua  para o “Pele Project”

Slavoj ainda fez questão de criticar a postura que foi dada a personagem em seu diálogo com Jon Snow (Kit Harington). Segundo ele, o ponto mais baixo do diálogo é o momento em que a Mãe dos Dragões diz a Jon que se ele não consegue amá-la enquanto rainha, que reinaria o medo, classificando como um arquétipo embaraçosamente vulgar da mulher sexualmente insatisfeita que explode em fúria destrutiva.

Insatisfeito com o desfecho da personagem, principalmente com as explosões assassinas dela, ele reflete que tais ações são justificáveis quando o enredo é escrito por dois homens. “Rainha tresloucada é rigorosamente uma fantasia masculina”, garante Žižek.

Leia também: Como fica o hábito de ver séries depois do fim de “Game of Thrones”?

Ele ainda faz uma ponte entre Cersei (Lena Headey) e Daenerys, observando que, na série, ainda que a boa vença, o poder corrompe a mulher. Slavoj ainda cita o desaparecimento de Arya (Maisie Williams) e a permanência de Sansa (Sophie Turner), concluindo que marginalização das mulheres é um momento chave da lição liberal-conservadora geral do último episódio de ” Game of Thrones “.

Leia mais:  Otaviano Costa publica foto de Flávia Alessandra de biquíni na Tailândia

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana