conecte-se conosco


Polícia

Operação integrada prende membros de organização criminosa em Mirassol D’Oeste

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Uma operação conjunta entre a Polícia Judiciária Civil e Polícia Militar no município de Mirassol D’Oeste, prendeu três homens e uma mulher em em flagrante por posse ilegal de arma de fogo e munições de uso restrito e organização criminosa. Dois outros conduzidos foram ouvidos na condição de testemunhas e liberados. 

A ação teve início na tarde de terça-feira (23) com um trabalho visando desarticular um grupo criminoso que atuava em roubo a veículos na região.

As investigações apontaram que no domingo (21) os criminosos praticaram dois roubos na cidade de Mirassol D’Oeste. Na primeira situação, em posse de arma de fogo subtraíram um veículo Chevrolet Cruze, porém, logo em seguida abandonaram o veículo, levando quantia em dinheiro e celulares. 

Em um segundo momento, na mesma data, o grupo roubou de um caixa de uma empresa de ônibus.

Os assaltantes já vinham sendo investigado desde o mês de agosto, quando praticaram três outros roubos a veículos. Eles chegaram a levar um caminhão subtraído para a Bolívia, não recuperado.

Leia mais:  Polícia Civil prende suspeito e esclarece furto na Guarda Mirim de Colíder

Os dois autores diretos dos roubos, identificados como G.A.T.G., conhecido como Harry Potter, e A.J.B. possuem residência em Cuiabá e Várzea Grande.

Após a prática dos delitos, os suspeitos foragiram para Bolívia de onde retornaram no último final de semana para a cidade de Mirassol D’Oeste com o objetivo de praticarem novos delitos, contando com o apoio de moradores locais. 

Com a informação de que contavam com o apoio de pessoas em uma residência localizada na cidade, equipes da Delegacia de Polícia, coordenadas pelo delegado Gutemberg de Lucena Almeida, em conjunto com Polícia Militar, abordaram os suspeitos e encontraram a arma utilizada nos crimes, dinheiro em espécie, além de celulares e outros objetos das vítimas.

As investigações prosseguem para apurar a participação do grupo em outros roubos em cidades vizinhas nos últimos meses e ainda a atuação de outros integrantes na quadrilha.

No ato da prisão, os assaltantes previamente se identificaram como membros de uma facção criminosa, com ramificação em outros Estados, e disseram que recebiam orientações de um presidiário.

Leia mais:  Polícia Civil prende 5º suspeito de roubar e sequestrar família em Juína

Conduzidos à delegacia foram autuados G.A.T.G., 20 anos, A.J.B., 24 anos, S.R.S., 38 anos, e V.R.S., 21 anos, tendo a autoridade policial representado pela conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva. Os suspeitos G.A.T.G e A.J.B. já possuíam mandados de prisão preventiva expedidos em decorrência da investigação dos crimes anteriores. Os presos foram encaminhados à Cadeia Pública local onde aguardam as decisões judiciais.

 

 

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Delegados de Mato Grosso ganham o maior salário do Brasil

Publicado

Um levantamento realizado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) mostrou que os delegados de Mato Grosso são os que ganham o maior salário da categoria no país. O salário mensal de um delegado da Polícia Civil no estado é de R$ 24,5 mil.

Enquanto o salário dos delegados de Mato Grosso é o maior do país, o vencimento de escrivães e investigadores – as outras carreiras da Polícia Civil-, está bem longe do primeiro lugar.

Para os escrivães, profissionais responsáveis pelo registro de ocorrências e pela documentação das investigações, o salário é de R$ 5,5 mil, o 11º no ranking brasileiro.

Já para os investigadores, policiais que coletam provas sobre os crimes, localizam e interrogam suspeitos e mantém a segurança dos locais de investigação, o vencimento inicial é de R$ 5,5 mil, o 9º maior na comparação com o mesmo cargo em outros estados.

Dados da Polícia Civil mostram que no quarto trimestre de 2020 havia 400 cargos para delegados, porém, 158 estavam vagos. Já para escrivão de polícia, são 1,2 mil vagas, mas só 2.056 ocupados. E para investigador são 4 mil vagas, com 1.944 cargos vagos.

Leia mais:  Polícia Civil prende 5º suspeito de roubar e sequestrar família em Juína

Por ser uma carreira típica de Estado, ou seja, que não podem ser substituída por profissional contratado, os cargos da Polícia Civil só podem ser ocupados através de concurso público. No entanto, para conseguir benefícios com o governo federal durante a crise, o Estado se comprometeu a não criar novos gastos até 2022, o que incluem os concursos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana