conecte-se conosco


Polícia

Operação contra facção criminosa que atua na região de Cáceres é deflagrada pela Polícia Civil

Publicado

Assessoria | PJC-MT

A Delegacia Especial de Fronteira (DEFRON), da Polícia Judiciária Civil, com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Grupo Especial de Fronteira – GEFRON, 6º Comando Regional de Polícia Militar de Cáceres, Delegacia Regional de Cáceres e Sistema Penitenciário, desencadeou na manhã desta sexta-feira (30), a Operação “Organización”, onde foram cumpridos 29 mandados de prisão preventiva e 06 mandados de busca e apreensão domiciliar contra integrantes de uma facção criminosa que atuava na região da grande Cáceres.

Os trabalhos investigativos duraram seis meses e apontaram que a organização criminosa era formada em sua maioria por reeducandos de unidades prisionais do município.

A delegada de polícia Cinthia Gomes da Rocha Cupido, titular da DEFRON, coordenou as investigações. “Por meio de um trabalho técnico e intenso foi possível apontar o papel de cada membro dessa facção criminosa que está por trás da prática de crimes como roubo, tráfico de drogas, furtos, receptação, etc. Eles realizavam ‘filiação/batismo’, inclusive com números de suas respectivas matrículas, para a prática de diversos delitos”.

Restou comprovado no transcorrer das investigações que as ordens partiam de lideranças presas em Cáceres e eram repassadas para o “Conselho Final” da rua, que na hierarquia da organização, detinham maior poder de comando junto às lideranças intermediárias, intituladas como “vozes finais”, que repassavam as “ordens/visão” aos “disciplinas”, que executavam do lado de fora os crimes.

Leia mais:  Investigador proporciona tarde de alegria a criança de Pontes e Lacerda

Em procedimento de busca realizado no interior da Cadeia de Cáceres foi possível identificar a logística da facção. Abaixo de uma beliche – apelidada de “jega” – foi apreendido material farto da contabilidade de entrada e saída de dinheiro da caixinha e movimentação capitaneadas pelas “lojinhas/biqueiras” (bocas de fumo), que tinham como regra o fato de que os “boqueiros” só podiam fazer a aquisição de drogas de membros da própria facção ou por eles indicados, bem como, tabelavam o preço da droga a ser revendida.

A delegada Cinthia Cupido reforça que todas as lideranças, da maior a menor, foram presas durante a operação, que tem como principal vertente, impedir o crescimento e ramificações da facção em outras regiões”.

Os membros da organização criminosa possuíam funções específicas, com tarefas definidas, visando ganhar dinheiro para manterem a organização, com compra de armas e drogas para revenda, bem como proporcionar aos integrantes da facção , defesa jurídica durante Fase Processual.

Durante a operação foi presa uma advogada que atua em Cáceres e que, segundo as investigações, possui vínculo com integrantes da organização criminosa que ultrapassam os limites da relação advogado-cliente. A mulher de de 26 anos vai responder pelos crimes de falsa comunicação de crime, organização criminosa, associação para o tráfico, estelionato e roubo (por realizar, entre outros atos, levantamentos carros de luxo/caminhonetes que avistava em ambientes da alta sociedade e repassar à facção). Um representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), acompanhou o cumprimento do mandado. 

Leia mais:  Polícia Civil prende 4 por envolvimento com tráfico de drogas em Rondonópolis

A Operação “Organización” mobilizou cerca de 50 Policiais, e foram utilizadas 12 viaturas.

Os presos foram autuados pelos crimes de organização criminosa, Lei nº 12.850/2013, cuja pena varia de 03 a 08 anos), associação e tráfico de drogas, com pena prevista de 05 a 15 anos, roubo e estelionato, além de falsa comunicação de crime,

Os detidos permanecem à disposição da Justiça, reclusos na Cadeia Pública de Cáceres.

 

 

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Enfermeira é presa em flagrante por roubar kits para teste de covid da Santa Casa

Publicado

Com a profissional foram encontrados equipamentos de propriedade do hospital e testes da covid-19

Uma enfermeira de 44 anos foi presa em flagrante pela Polícia Civil na madrugada deste domingo (11.04) pelo crime de peculato cometido contra uma unidade hospitalar pública, na Capital. Com a profissional foram encontrados diversos kits utilizados para testagem da covid e também materiais de acesso venoso e nasal de uso estritamente médico-hospitalar.

A equipe plantonista da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) recebeu uma denúncia e seguiu na noite de sábado até o Hospital Estadual Santa Casa para checar as informações sobre uma servidora da unidade que estaria furtando testes de covid.

Na presença de uma recepcionista e de outras pessoas que estavam no local, os investigadores revistaram a bolsa da profissional e encontraram dentro de uma sacola plástica preta, diversos instrumentos e medicamentos utilizados para o teste de covid, sendo: 25 cotonetes em um envelope plástico lacrado; um frasco de reagente; 25 frascos para pipetagem; dois equipos macro gotas; dois equipos dupla via; quatro cateteres nasais tipo óculos de oxigênio e vários cateteres intravenosos de marcas diversas.

Os investigadores foram informados de que nenhum servidor do hospital tem autorização para retirar medicamentos ou instrumentos hospitalares da unidade.

A profissional foi encaminhada para a DHPP e alegou desconhecimento sobre a maioria dos objetos encontrados em sua bolsa, somente reconhecendo os cateteres nasais, que disse ter o costume de “manter em sua bolsa” para atender emergência de estabilização. Porém, em depoimento, ela respondeu que eram seus e que os utilizava em plantões particulares.

Leia mais:  PRF e Ibama fiscalizam transporte de produtos perigosos e emissão de poluentes na BR-163

Um profissional de enfermagem ouvido na delegacia confirmou que todos os materiais encontrados com a enfermeira são de propriedade do hospital e que os códigos que constam são de controle interno da farmácia da unidade, como forma de saber como está sendo utilizado. Ele informou ainda que a profissional detida tinha a função da triagem dos pacientes, o que não abrangia a realização de testes covid, que é realizada por enfermeiros próprios da unidade hospitalar. Ele destacou que servidor do hospital não tem autorização para sair com medicamentos ou instrumentos de trabalho.

A diretora do hospital compareceu à DHPP e também atestou a propriedade do material encontrado como sendo da unidade e frisou que os equipamentos de acesso venoso e nasal são de aquisição e uso estritamente médico hospitalar.

Outras informações coletadas pelos investigadores foram obtidas em conversa de aplicativo de mensagem do celular da enfermeira, que foi acessado pelos policiais com o consentimento formal dela e de seu advogado. Em um trecho de conversa entre ela e um médico para acertar o valor de uma visita, a enfermeira pergunta se será necessário levar os materiais ou o paciente já tem, pois caso tenha que levar, o valor cobrado será maior. “..vai ter que cobrar R$ 300,00 pois o material é muito caro e não consegue achar”, diz trecho do diálogo, conforme consta no auto da prisão em flagrante.

Leia mais:  Polícias Civil e Militar fecham comércio de drogas e prendem traficante em São Pedro da Cipa

Na mesma conversa, a enfermeira avisa ao médico que se ele precisar de qualquer material, “é só ele avisar que ela consegue também, pois quem não tem conhecimento hospitalar, pra comprar é complicado.”

Flagrante por peculato 

O delegado Caio Fernando Albuquerque, que atendeu o flagrante, explica que, mesmo sendo contratada da Santa Casa, por exercer suas funções em unidade pública hospitalar, ela é equiparada a servidora pública, conforme previsto no Artigo 327 do Código Penal.

“Deparamos com a situação de uma servidora pública, por equiparação, que, mesmo vendo, diariamente, toda a terrível situação a que passamos, agindo na contramão, objetivando interesses próprios, e valendo-se das facilidades que seu emprego proporciona, apropriou-se de testes para constatação da covid, e mais, apropriou-se de equipamentos de uso exclusivo médico hospitalar, estes já deveras escassos por conta do incontrolável aumento da pandemia”, pontuou Caio Albuquerque.

Com os elementos coletados, o delegado autuou a enfermeira em flagrante pelo crime de peculato (artigo 312 do CP) e encaminhou representação ao Poder Judiciário pela conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva.

O auto de flagrante será remetido à 2ª Delegacia de Polícia de Cuiabá, que dará sequência à investigação.

A enfermeira foi encaminhada para audiência de custódia da Justiça.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana