conecte-se conosco


Cidades

O mês de novembro tem sido marcado por fortes chuvas em Cuiabá

Publicado

O fim de tarde e começo da noite desta quarta-feira (28) foi marcado por muita chuva na Capital. O Instituto Nacional de Meteorologia registrou 67,8mm em apenas uma hora, entre 17 e 18 horas. Na hora seguinte choveu mais 12,2 mm totalizando 80mm de chuva em apenas duas horas. Acima de 50,1mm/h é considerada como muito forte.

Conforme monitoramento feito pela Defesa Civil Municipal, até o dia 27 de novembro, a precipitação foi de 361,2. Com a chuva de ontem, subiu para 441,2mm. Isto significa que em 28 dias já choveu mais que o dobro da média normal climatológica para o mês na região que é de 172,9mm. “Esse já é o maior índice acumulado para o mês de novembro nos últimos 37 anos. No mesmo período do ano de 1983 o registro de chuvas foi de 369,6mm. E a previsão para os próximos dias é de muita chuva. Então todo cuidado é pouco para evitar possíveis transtornos”, disse o diretor da Defesa Civil de Cuiabá, coronel Paulo Wolkmer.

Diante de uma situação de iminente perigo, explica o diretor, as pessoas devem manter a calma, procurar locais seguros e acionar os órgãos competentes para o devido socorro. “Evite se locomover pelas enxurradas, não se abrigue ou estacione debaixo de árvores, também não utilize equipamentos elétricos no caso de eles estarem molhados ou em locais úmidos, por causa das descargas elétricas. Isso são alguns cuidados que protegem a vida diante de uma tempestade,” reforça Wolkmer.

Leia mais:  Edital do 1º Concurso Público da Assistência Social será publicado no dia 12 de julho com 288 vagas

“Trabalhamos em conjunto com os demais órgãos de proteção e resgate no objetivo maior, que é resguardar a vida das pessoas. E para que isso seja mantido, precisamos da colaboração de todos. Um ponto crucial é a conscientização das pessoas como mecanismo de proteção, que começa antes destes períodos considerados críticos, como não jogar lixo nas ruas, pois esse lixo acaba indo para a rede de esgoto, causando entupimento dos bueiros, assoreamento ou enchimento da rede fluvial. Cada um precisa fazer sua parte para que tanto o meio ambiente e a vida sejam preservados”, completou o diretor.

 

Reparo em vias públicas – Diante do grande volume de água que caiu sobre a Capital, algumas vias tiveram suas estruturas danificadas. É caso, por exemplo, da Avenida Historiador Rubens de Mendonça (Av. CPA) – sentido bairro/centro, onde uma caixa de passagem de água pluvial rompeu, originando uma cratera na lateral da pista. A faixa atingida já foi interditada e sinalizada pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, que orienta os condutores a redobrarem a atenção.

Leia mais:  Prefeito entrega mais 300 títulos definitivos no bairro Drº Fábio I

Para sanar a demanda, a Secretaria Municipal de Obras Públicas montou um plano de atuação que deve ser iniciado ainda nesta semana. No local, a Pasta fará a reconstrução da estrutura que compõe o sistema de drenagem e, posteriormente o aterramento e estabilização do solo. A previsão é de que o trabalho dure aproximadamente quatro dias, levando em consideração as condições climáticas.

Outro trecho que receberá uma intervenção da Secretaria é o situado na Rua Barão de Melgaço, ao lado da Praça Rachid Jaudy. Na região, a Pasta iniciará ainda nesta semana o reparo em um buraco que se abriu no meio da pista.  A Secretaria continuará ainda o trabalho já iniciado na Avenida Dante Martins de Oliveira, onde uma caixa de passagem foi reconstruída, restando apenas o aterramento para finalizar o serviço.

Comentários Facebook
publicidade

Cidades

AL e polícia civil já investigam denúncias de maus tratos e negligência em hospital de Cuiabá

Publicado

Além da Polícia Civil que já abriu investigação contra o Hospital São Judas Tadeu para averiguar denúncias de negligência e maus-tratos contra pacientes, a Câmara Municipal de Cuiabá também vai apurar a situação diante da gravidade dos relatos feitos pela técnica de enfermagem, Amanda Delmondes Benício. Até o momento, os casos de quatro pacientes já são de conhecimento público.

Na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Elizeu Nascimento (PSL) apresentou requerimento, na sessão do dia 5 de abril, para que a técnica de enfermagem compareça ao Legislativo Estadual para esclarecer as graves denúncias feitas por ela num boletim de ocorrência na Polícia Civil e também em entrevistas para a imprensa. Depois que a profissional de saúde, que trabalhou durante 50 dias no hospital particular, denunciou o caso na Polícia Civil e na imprensa, familiares de alguns pacientes também estão registrando ocorrências policiais e buscando veículos de comunicação para relatar situações semelhantes.

A delegada Luciani Barros Pereira de Lima conduz a investigação preliminar instaurada pela Delegacia da Capital, situada no bairro Planalto. Ela ouviu a técnica de enfermagem no dia 7 de abril e garante que todas as denúncias feitas pela profissional serão apuradas.

Segundo informações, a Polícia Civil já teria conhecimento de pelo menos sete boletins de ocorrência registrados por familiares de pacientes vítimas de maus-tratos no Hospital São Judas Tadeu. Dentre os pacientes que passaram pelo hospital no período em que Amanda Delmontes ainda trabalhava no local, e que segundo ela, sofreram maus-tratos e foram negligenciados, estão o major da Polícia Militar, Thiago Martins de Souza, de 34 anos, que morreu em decorrência de complicações da Covid-19, na madrugada do dia 3 e o professor Toshio Doi, de 68 anos, que faleceu na madrugada do dia 10.

Leia mais:  Emanuel Pinheiro lança obra do primeiro hospital veterinário municipal público de MT

A técnica de enfermagem Amanda Delmondes afirmou que o professor Toshio Doi foi outra vítima de maus-tratos até ela intervir na situação. “No caso do senhor Toshio, tem a câmera, eu deixei a porta aberta e falei: vocês não vão deixar ele morrer não. Ele caiu da cama, eu fiz uma conchinha nele com lençol, a moça que recolhe sangue falou que vocês não podem fazer isso, ele não tem uma gase, mas eu vou tirar a gaze dele. Ela foi na sala do médico que só mandou levar. Pegou uma maca sem colchão, sem nada, eu ainda coloquei um travesseiro para que a cabeça dele não batesse. Ele estava roxo desfalecendo. O fisio falou que ele estava com a nova bactéria e nada poderia ser feito. Eu falei: pode sim”, contou ela.

Em nota, o presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, Juca do Guaraná Filho (MDB), confirmou que a Casa vai apurar as denúncias. Ele solicitou ao presidente da Comissão Permanente de Saúde, Previdência e Assistência Social, o vereador Dr. Luiz Fernando (Republicanos), para apurar denúncia de suposto maus-tratos que o servidor Toshio Doi e outros pacientes teriam sofrido bem como as demais denúncias feitas contra o hospital.

Leia mais:  Mega-sena desta quarta pagará R$ 27 milhões

DIÁRIAS DE ATÉ R$ 10 MIL 

Em entrevista à TV Cidade Verde, uma mulher que tinha familiar internado do no Hospital São Judas Tadeu, relatou que além de pagar R$ 10 mil na diária, ainda era preciso pagar medicamentos à parte se houvesse necessidade de inclusão no tratamento. Além, disso segundo ela, era cobrado mais R$ 150 por dia somente para alimentação do paciente.

Além da PC, Assembleia e Câmara de Cuiabá, o Conselho Regional de Medicina e também de Enfermagem apuram as denúncias. O hospital segue funcionando normalmente.

por: Folha Max

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana