conecte-se conosco


Brasil / Mundo

Novo comando das Forças Armadas divide opiniões entre oposição

Publicado

No congresso, a fala é de que a escolha do general Paulo Sérgio, que não era o favorito do presidente Jair Bolsonaro, reflete resistência da cúpula da instituição em politizar o ambiente do Exército

 

O clima político em relação às instabilidades nas Forças Armadas Brasileiras melhorou com o anúncio dos novos comandantes, feito na quarta-feira, 31. Fontes dos bastidores políticos do planalto dizem que a apreensão se desfez, sobretudo com a chegada do general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira no comando do Exército. O novo general deve seguir a linha de trabalho de seu antecessor general Pujol. Essa é a opinião de vários interlocutores, como o seu colega de patente, general Paulo Chagas. “Tenho certeza que o Paulo Sérgio vai dar continuidade ao trabalho que vinha sendo feito. Eu entendo que as Forças mandaram os cinco mais antigos, porque o melhor critério para as Forças Armadas é sempre o critério da antiguidade, porque não tem nenhum outro tipo de viés”, disse.

No congresso, a fala é de que a escolha do general, que não era o favorito do presidente Jair Bolsonaro, reflete resistência da cúpula da instituição em politizar o ambiente do Exército. O deputado federal Major Vitor Hugo, líder do PSL na Câmara, parabenizou os novos comandantes. Até a oposição comemorou o nome. O deputado petista Paulo Teixeira disse que a nomeação afasta o terraplanismo das Forças Armadas. Já no senado, Jorge Kajuru trouxe questionamentos sobre a situação. “Vamos seguir vivendo em democracia? Essa dúvida foi alimentada na véspera do 31 de março, após a saída do ministro da Defesa e a troca de três comandantes das Forças Armadas, sem uma informação oficial do Executivo, que tem no comando um ex-capitão do Exército eleito por voto direito, o que não era permitido no regime militar”, argumentou. No executivo, o vice-presidente Hamilton Mourão, também vindo do Exército, desejou sucesso aos novos comandantes.

Comentários Facebook
Leia mais:  Máscaras em aeroportos: o que muda e quais peças são permitidas para embarque
publicidade

Brasil / Mundo

Lula ultrapassa Bolsonaro na corrida para 2022

Publicado

A nova rodada da pesquisa XP-Ipespe sobre a disputa presidencial para 2022 mostra que, a cerca de um ano e meio da eleição presidencial de 2022, o ex-presidente Lula e o presidente Jair Bolsonaro permanecem tecnicamente empatados na liderança, mas agora com o petista numericamente à frente. Ele tem 29% das intenções de voto ante 28% de Bolsonaro. Sergio Moro e Ciro Gomes vêm na sequência, com 9% cada. No levantamento anterior, Lula tinha 25%, e Bolsonaro, 27%. Nas simulações de segundo turno, Lula também está numericamente à frente de Bolsonaro, com 42% a 38% — na pesquisa do início de março, Bolsonaro tinha 41% e Lula, 40%. Em outros cenários testados, o presidente Bolsonaro aparece empatado com Moro, ambos com 30%, e com Ciro Gomes, ambos com 38%. Foram realizadas 1.000 entrevistas de abrangência nacional nos dias 29, 30 e 31 de março. A margem de erro máxima é de 3,2 pontos percentuais para o total da amostra.

Comentários Facebook
Leia mais:  Posse de Jair Bolsonaro terá cobertura especial
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana