conecte-se conosco


Entretenimento

Nova “Malhação” terá vida universitária e diálogo sobre contraste social

Publicado

Começou há algum tempo em Duque de Caxias, município da Baixada Fluminense, e em Ipanema, na Zona Sul Carioca, as gravações de “Malhação: Toda Forma de Amar”, próxima temporada da série da
Rede Globo
. A equipe iniciou as filmagens no final de fevereiro com takes em externos nos dois locais onde a trama é ambientada.

Leia também: Maisa se prepara para estrear programa no SBT: “me sinto poderosíssima”



Divulgação/TV Globo

“Malhação” nova temporada falará sobre as diferentes maneiras de amar

Criada por Emanuel Jacobina,  “ Malhação : Toda Forma de Amar” parte de uma revelação que muda os rumos da vida de Rita ( Alanis Guillen ). Na missa de sétimo dia da morte de seu pai, ela descobre que ele sequestrou sua filha, que ela acreditava ter morrido logo após o parto, e a levou para o Rio de Janeiro.

Leia também: Maria Melilo comanda talk show de entrevistas na web

Disposta a procurar pela bebê, que neste momento já tem mais de um ano de vida, Rita deixa sua cidade natal, Queimados, e se muda para Duque de Caxias, onde é acolhida pela amiga de sua falecida mãe, Carla (Mariana Santos), e seus dois filhos, Raíssa (Dora de Assis) e Thiago (Danilo Maia).

Leia mais:  Ex-“BBBs” deixam “Vídeo Show”, que faz novo rodízio de apresentadores

Apoiada pela família de Carla, Rita sai em busca de pistas sobre a filha e recebe a informação de que ela está sendo criada na Zona Sul carioca pelo casal Lígia (Paloma Duarte) e Joaquim (Joaquim Lopes), que adotaram a bebê e a cercaram de amor



Divulgação / TV Globo

“Malhação” nova temporada falará sobre as diferentes maneiras de amar

As dificuldades começam quando Rita têm de provar à Justiça que pode ser uma boa mãe para a criança. Essa busca vai expor os dois lados de uma guerra sem vencedores, afinal, a família adotiva também passa a sofrer com a situação.

Leia também: Um mês após a morte de Ricardo Boechat, Band ainda tenta se reerguer

Com previsão de estreia para abril na Rede Globo , ” Malhação – Toda Forma de Amar” terá uma trama baseada na convivência entre jovens de realidades tão diferentes quanto a Baixada Fluminense e Ipanema, com alguns deles já cursando a faculdade. Estão no elenco Julio Machado, Alanis Guillen, Gabriella Mustafá, Roberto Bomtempo, Karine Teles, John Buckley, Tato Gabus Mendes, Olívia Araújo, entre outros.

Leia mais:  “BBB 19” Maycon diz “sentir arrepio” com Rodrigo e Gabi e web se revolta

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Filósofo esloveno vê antifeminismo em desfecho de Daenerys em “Game of Thrones”

Publicado

por

Slavoj Žižek, prestigiado filósofo esloveno, aproveitou o final de “Game of Thrones” para fazer uma crítica reflexiva, em sua Coluna no Blog Boi Tempo , sobre a última temporada da série e deixou claro a insatisfação, principalmente, com o desfecho de Daenerys (Emilia Clarke).

Leia também: George R. R. Martin fala sobre desfecho da série de livros de “Game of Thrones”


Game of Thrones
Divulgação

Daenerys em “Game of Thrones”

O pensador ressalta que a indignação pelo fim decepcionante de ” Game of Thrones ” é além do enredo ruim, mas também pela psicologia ruim, que transforma a personagem de  Emilia Clarke em Rainha Louca e, segundo ele, não se justifica em termos da trajetória da personagem.

Leia também: Os problemas com Bran, o quebrado, como Rei ao fim de “Game of Thrones”

filósofo  diz ainda que os espectadores insatisfeitos têm um problema com embate do conflito interno entre Daenerys e os Stark. “Ela combina a rejeição de uma transformação radical com um velho tema antifeminista verificado nas obras de Hegel, Schelling e Wagner”, escreve ele. 

Leia mais:  “BBB 19” Maycon diz “sentir arrepio” com Rodrigo e Gabi e web se revolta

Slavoj ainda fez questão de criticar a postura que foi dada a personagem em seu diálogo com Jon Snow (Kit Harington). Segundo ele, o ponto mais baixo do diálogo é o momento em que a Mãe dos Dragões diz a Jon que se ele não consegue amá-la enquanto rainha, que reinaria o medo, classificando como um arquétipo embaraçosamente vulgar da mulher sexualmente insatisfeita que explode em fúria destrutiva.

Insatisfeito com o desfecho da personagem, principalmente com as explosões assassinas dela, ele reflete que tais ações são justificáveis quando o enredo é escrito por dois homens. “Rainha tresloucada é rigorosamente uma fantasia masculina”, garante Žižek.

Leia também: Como fica o hábito de ver séries depois do fim de “Game of Thrones”?

Ele ainda faz uma ponte entre Cersei (Lena Headey) e Daenerys, observando que, na série, ainda que a boa vença, o poder corrompe a mulher. Slavoj ainda cita o desaparecimento de Arya (Maisie Williams) e a permanência de Sansa (Sophie Turner), concluindo que marginalização das mulheres é um momento chave da lição liberal-conservadora geral do último episódio de ” Game of Thrones “.

Leia mais:  Com a Páscoa à vista, filmes religiosos ganham campo nos cinemas

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana