conecte-se conosco


Política

Nortão: Deputado Elizeu declara apoio a pré-candidato de Sinop

Publicado

Em uma página de rede social, o deputado estadual Elizeu Nascimento (DC) – sargento da Polícia Militar, declarou nesta terça-feira (29), apoio ao pré-candidato a prefeito por Sinop (470 km de Cuiabá) delegado da Polícia Civil, Sérgio ribeiro Araújo (PSL).

Em 2018, Sérgio, foi um dos apoiadores da eleição de Jair Bolsonaro, no Nortão. No mesmo ano, o delegado também concorreu a eleição para deputado estadual em Mato Grosso e obteve mais de 10 mil votos pelo PPS, se tornando primeiro suplente em sua coligação.

Elizeu foi enfático em dizer que tanto ele como Sérgio, “colaboraram com a campanha do presidente, sem pedir nada em troca. Também afirma que muitos tentam se apresentar como políticos de direita atualmente e, pagam de apoiadores de Bolsonaro.”

“Deixo claro sempre, que estive na campanha do Presidente Bolsonaro por livre e espontânea vontade assim como o Delegado Sérgio, fizemos a campanha do presidente sem pedir nada em troca e não surfamos a onda Bolsonaro para nos elegermos deputados, apoiamos o presidente por acreditar, continuaremos nosso trabalho em defesa da população e mantendo nossa linha e postura de apoiar o que é melhor para Mato Grosso e no momento o presidente Bolsonaro segue tendo nosso respeito e nosso apoio, jamais iremos viver a puxar saco com postagens diárias até de um tossido do presidente, nossa linha sempre será ética e de total preocupação com a melhoria para nosso povo, independente da escolha do presidente a qualquer candidatura e não iremos atirar pedras a ninguém, como uns que não estiveram conosco no apoio a Bolsonaro em 2018 e agora faz juras de direita e fidelidade ao capitão”, declarou em uma nota, o deputado.

Leia mais:  Sancionada lei que criminaliza incentivo à automutilação

Também pretendem disputar o pleito este ano naquele município o Deputado Federal (MDB) Juarez Costa, prefeito por dois mandatos. O empresário Roberto Dorner (PSD) ex-Deputado Federal; Rosana Martinelli (PL) atual prefeita e, também o ex-prefeito e empresário, Dalton Martini (PP).

Conforme a assessoria do Tribunal Regional Eleitoral (TER), em março deste ano o município havia perdido mais de 13 mil eleitores porque tiveram seus títulos cancelados e, consequentemente perderam seus direitos de votar. Também em meados de março, o Tribunal Regional Eleitoral – informou que havia cerca de 11,6 mil eleitores irregulares, por falta da revisão biométrica.

Na época, apenas 1 mil procuram e, se regularizaram mediante a justiça eleitoral. Atualmente Sinop é o maior colégio eleitoral do Nortão com um total de 113 mil eleitores aptos a votarem.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Wellington Fagundes (PL-MT) afirma que as empresas brasileiras estão sobrecarregadas de tributos e de burocracia.

Publicado

A Comissão Mista Temporária da Reforma Tributária retomou suas atividades nesta sexta-feira (31) após mais de quatro meses de suspensão provocada pela pandemia de covid-19. O presidente da comissão, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), reiniciou os trabalhos comunicando que o ministro da Economia, Paulo Guedes, será ouvido na quarta-feira (5), às 10h. As reuniões são feitas remotamente, por videoconferência entre deputados federais e senadores.

Para Roberto Rocha, a reforma tributária é uma ferramenta indispensável para que o país volte para o caminho do desenvolvimento econômico e da geração de emprego e renda, especialmente depois dos efeitos negativos causado pelo coronavírus. Na opinião dele, o sistema tributário brasileiro é “um verdadeiro pandemônio tributário”.

Após iniciar a reunião, Roberto Rocha passou a condução do debate para o vice-presidente do colegiado, o deputado federal Hildo Rocha (MDB-MA), que passou a palavra inicialmente para o relator da comissão mista, o deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

O relator disse que a comissão terá de debater as PECs 110/2019 (do Senado) e 45/2019 (da Câmara), além da proposta do governo federal, cuja primeira parte  foi entregue há 10 dias ao Congresso Nacional. Para ele, os parlamentares têm o desafio de avançar “nesse debate complexo” pensando no cenário pós-pandemia. Aguinaldo Ribeiro disse acreditar que a reforma tributária vai ajudar o país a aumentar o PIB ano após ano. Em sua opinião, a reforma tributária tem que simplificar o sistema e torná-lo mais justo e transparente, o que dará segurança jurídica e confiabilidade ao Brasil.

Leia mais:  Licenciamento de veículos com placa final 1 vence em 31 de janeiro

Ribeiro disse que o Congresso tem que buscar uma reforma ampla que traga mudanças estruturais, pois o Brasil tem uma concentração de renda extrema e enorme desigualdade social. Ele acrescentou que a reforma precisa proporcionar mais equilíbrio fiscal, alavancar a geração de emprego e renda e ajudar a combater as mazelas sociais do país.

— Não basta a simplificação tributária, tem que haver mudanças estruturais que reduzam custos e preços e proporcionem crescimento econômico — salientou o relator.

“Justiça tributária”

O senador Major Olimpio (PSL-SP), primeiro vice-relator da comissão, afirmou que esse colegiado terá um papel fundamental para a história do Brasil. Ele disse que a discussão sobre uma reforma tributária vem desde 1988 e afirmou que o Parlamento não deseja aumentar a carga tributária.A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) disse concordar com a simplificação e a unificação tributária, mas afirmou que a “a justiça tributária é mais importante”. A senadora acrescentou que “os mais pobres do país são os que mais pagam tributos”. Em sua avaliação, a reforma tem que taxar a distribuição de lucros e dividendos e as grandes fortunas, além de reduzir a carga tributária do consumo e reformular a tabela do imposto de renda.

Leia mais:  Mauro já comanda reunião com staff

Por sua vez, o senador Wellington Fagundes (PL-MT) afirmou que as empresas brasileiras estão sobrecarregadas de tributos e de burocracia. Ele defendeu uma reforma tributária que promova distribuição de renda e justiça tributária e simplifique o país. Ele afirmou que as micro e pequenas empresas são as maiores geradoras de emprego do país, mas sofrem com a alta carga tributária e a burocracia.

 

 

 

Fonte: Agência Senado

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana