conecte-se conosco


Entretenimento

“No telejornalismo conheci o mel e o fel”, avalia Dony de Nuccio, ex-Globo

Publicado

Com passagens marcantes pela TV Globo e Globo News , o jornalista Dony De Nuccio se destacou bastante em 2019. Dony acabou se vendo em uma polêmica com sua saída conturbada da rede Globo . Pronto para novos desafios após sair da emissora carioca, De Nuccio conversou com o site Observatório da TV , onde contou como está o andamento das negociações com o SBT .

Leia também: Tensão na Globo: sindicato e funcionários organizam protesto na emissora

Dony de Nuccio
Reprodução/Instagram

Dony De Nuccio

“O SBT é uma empresa que admiro de longa data. Tem profissionais talentosos, um clima espetacular, um dono que é a maior referência da comunicação do País e um público fiel. Estamos conversando. Se vai dar namoro, casamento ou só amizade, o tempo dirá”.

Leia também: Vacas magras! Globo fica no prejuízo com Especial de Roberto Carlos

Logo após seu pedido de demissão, o jornalista afirmou que não demorou muito para receber ligações de outras emissoras. ”Depois de sair da Globo fui procurado por todas as principais emissoras de TV. Fiquei surpreso e agradecido pelo carinho e pela acolhida tão calorosa.”

Leia mais:  Ao vivo, Nicole Bahls surta e deixa programa da Record TV

Leia também: Após demissões, Globo reduzirá salários milionários de famosos

Ainda falando sobre sua saída da Globo e como avaliava seu pedido de demissão, ele desabafou: “No telejornalismo conheci o mel e o fel. O lado mais bonito e o mais podre dos bastidores da televisão . Foi lá que construí uma carreira incrível e vi desejos de infância se tornando realidade. Mas foi lá também que vivi o ataque mais injusto e canalha que presenciei em 8 anos de televisão. Invasão de privacidade, montagem de dossiê, quebra de sigilo fiscal, vazamentos seletivos. Nunca imaginei que estratégias desse tipo fossem usadas contra mim, muito menos que encontrassem respaldo em veículos de imprensa. Se aplicassem a todos os critérios que usaram para me julgar, não sobraria apresentador em bancada de telejornal para ler as notícias”.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Só de bota! Gracyanne Barbosa posa completamente nua

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Respiradores e equipamentos de proteção comprados pelo governo de MT chegam hoje

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana