conecte-se conosco


Entretenimento

Na estrada com “Illegal”, Supla fala sobre política, maconha e briga com a mãe

Publicado

Detentor de estilo único e personalidade irreverente, Supla está viajando o mundo para divulgar seu último álbum, “Illegal”, que além de grande apelo social, contempla 16 músicas que ele canta em três línguas – inglês, espanhol e português -, tudo isso com intuito de projetar na indústria fonográfica atual uma obra universal, ou seja, sem fronteiras.

Leia também: Ícones do gênero, Supla e Ultraje a Rigor embalam festival de Rock no Hopi Hari

Supla arrow-options
Divulgação

Supla

“É um álbum bem político em relação à imigração, canto em espanhol, português e inglês, e quando canto nesses três idiomas é justamente para dar a ideia de ‘sem barreiras’”, declara Supla , que completa citando a música que dá nome ao projeto. “A mensagem é: Nenhum ser humano é ilegal, somos descendentes de algum ancestral”.

Leia também: Agno se declara e pede Leandro em casamento em “A Dona do Pedaço”

Com 35 anos de carreira, o Charada Brasileiro, como é conhecido, já cantou sobre muitos assuntos, questionado por quê resolveu abordar a imigração e a segregação, ele disserta. 

“É uma coisa que estamos vivendo, eu lembro que fiz a música [que dá nome ao álbum] quando fui a Los Angeles, eu precisava de uma semana para  sair do Brasil, ficar longe de tudo, fui simplesmente para descansar e fumar maconha”, relembra. 

“Eu já tinha vários vistos de trabalho, aí o parça [autoridade da fronteira] me deu mó canseira, então falei: ‘Estou vindo gastar meu dinheiro nos EUA, você devia deixar eu entrar porque fiz tudo legalmente, não sou ilegal’, depois disso, eu cheguei onde estava hospedado e escrevi essa música Ilegal”, continua o cantor. 

“Eu sei que é utópico mas deveria existir uma identidade que diz: ‘Você é um cidadão do mundo’, se têm uma coisa que Karl Marx fala, que vai para o socialismo, que ele têm em comum com o Paul Smith, que é do capitalismo, é a liberdade de ir e vir, até pelo fluxo do dinheiro mesmo, mas estamos vivendo tempos complicados”, reflete o intérprete de Garota de Berlim, fazendo referência às dificuldades que imigrantes têm para atravessar fronteiras.

Leia mais:  Osso duro de roer! Maycon Santos garante vaga no “BBB” após duas tentativas

Ao falar sobre a turnê mundial, que já passou, inclusive, pelo Rebellion Festival, considerado o maior evento de punk do mundo, o artista descreve a rotina na estrada. 

“Eu sobrevivo muito de música e as turnês, geralmente, são de quinta, sexta, sábado e domingo, ou seja, todo final de semana tem que tocar. Ainda bem que eu gosto muito do que eu faço, acho que é por isso que estou aí até hoje”, comenta.

Questionado sobre a diferença de tocar em  território nacional e no exterior, o artista não pestaneja. “A grande diferença é que eu sou famoso aqui, lá nos EUA e na Inglaterra não, é algo de muita batalha, para mim é muito legal tocar fora, é um desafio, ninguém sabe quem você é, dá um fogo no rabo. É um pinto duro mesmo, você vai que vai”. 

Antes de tocar no maior festival de punk do mundo, o roqueiro lançou uma música, Hard Times , do projeto S&V, que mantém em parceria com a norte-americana Victoria Wells. 

A canção fala sobre união e amor incondicional, e é uma homenagem notável à progenitora do cantor, Marta Suplicy , senadora da república (MDB). Indagado sobre o motivo de enaltecer a mãe por meio de sua arte, ele demonstrou respeito e sensibilidade.

Leia mais:  Thammy responde dúvida de fã sobre órgãos femininos: “Tirei tudo”

“Primeiro: eu nunca tinha homenageado ela em uma música, e segundo: eu fiquei meio brigado, não brigado… ela ficou meio chateada porque eu penso diferente em relação à política. Aí eu tive a infelicidade de dizer que meu pai era petista, minha mãe golpista e eu anarquista”, relembra ele, que completa: “Então eu falei: ‘Você tem razão mãe, fui um idiota’. Tudo isso caiu na mídia, e ela ficou chateada comigo”.

Continuando o assunto, o intérprete de Parça da Erva citou um trecho da música em homenagem à mãe e falou sobre a reação da mesma ao ver o projeto concluído. “Nosso amor é indestrutível, ela entendeu tudo e adorou a música”. 

Ao olhar para as raízes do roqueiro, é fácil notar que ele cresceu em um antro familiar que emana política. Filho de Eduardo e Marta Suplicy, correligionários brasileiros de grande destaque, ele nega que tenha vontade de se candidatar algum dia e afirma que deveria concorrer apenas quem realmente têm interesse de ajudar ao povo.

“Estamos vivendo tempos difíceis. Eu poderia ter me candidato a muito tempo ou criar um canal no Youtube e dar minha opinião todos os dias, mas prefiro falar nas minhas músicas”. 

Supla voando (mais) alto

Supla arrow-options
Divulgação

Supla

Leia também: Depois do Rock in Rio, Anitta dobra o valor do cachê para R$ 500 mil

Trabalhando no álbum “ Illegal ” desde 2018, Supla já têm planos para um sucessor. Misterioso, ele não revelou detalhes, mas o mesmo deve ficar para 2020 já que o roqueiro demonstra intenção de impulsionar mais músicas do atual trabalho. 

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Cinemas de Cuiabá suspendem sessões por tempo indeterminado

Publicado

por

Os quatro cinemas de Cuiabá suspenderam as sessões, por tempo indeterminado, a partir desta quinta-feira (19) na capital mato-grossense por causa da pandemia do coronavírus. A medida foi adotada pelo Cinépolis, do Shopping Estação e Três Américas, CineAraújo, do Shopping Pantanal, e Cinemark, do Shopping Goiabeiras.

Segundo a direção desses cinemas, a medida atende à recomendação de autoridades sanitárias. Dessa forma, se tornou inevitável o fechamento provisório das salas de cinema no país a partir desta quinta-feira.

Além dos cinemas, os shoppings, que antes funcionavam a partir das 10h, passarão a abrir ao meio-dia durante a semana. Os locais vão funcionar até as 20h. O horário vale tanto para as lojas quanto para a praça de alimentação e cinema.

Nos domingos e feriados as praças de Alimentação abrem das 12h às 20h, e demais lojas, das 14h às 20h. As medidas atendem a recomendações do poder público para a redução de circulação de pessoas.

Comentários Facebook
Leia mais:  Fairouz viaja para o Brasil para ficar ao lado de Dalila em “Órfãos da Terra”
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana