conecte-se conosco


Entretenimento

Músicas com erros de português estão presentes entre os hits brasileiros

Publicado

Alguns hits brasileiros
são como chiclete, mas é melhor tomar cuidado, pois confiar demais na linguagem das canções pode ser prejudicial na hora de falar e escrever, afinal, músicas com erros de português aparecem com frequência nas paradas de sucesso.

Leia também: Graciele Lacerda derrapa no português e é criticada na web: “menas gordura”


Músicas com erros de português
Reprodução/ Instagram

Músicas com erros de português

Muitas vezes as  músicas com erros de português
passam despercebidas pelos ouvintes, mas é necessário estar sempre atento as letras, principalmente quando se deseja colocar uma canção na legenda de uma foto, por exemplo.

Leia também: Como seria a playlist ideal com músicas para ouvir na fossa em 2018?

Engana-se quem acha que tais erros são cometidos exclusivamente por novos cantores. Os experientes, ditos como ícones da música brasileira, são os que mais derrapam no português. Pensando nisso o iG Gente
separou uma lista com as canções que cometeram gafes com o idioma do País; veja:

Entre Tapas e Beijos


Músicas com erros de português: Entre Tapas e Beijos
Divulgação

Músicas com erros de português: Entre Tapas e Beijos

O final dos anos 80 foi marcado pelo hit Entre Tapas e Beijos
, de Leandro e Leonardo. Apesar de todo o romantismo sertanejo
e popularidade, a canção é marcada por uma frase para lá de redundante –  Se me manda ir embora/ Eu saio pra fora
. O fato de ‘sair’ já emprega automaticamente que vai ‘para fora’ de algo ou algum lugar, logo, não há necessidade do complemento da frase. 

Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás


Músicas com erros de português: Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás
Divulgação/ Reprodução

Músicas com erros de português: Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás

Quem também abusou da redundância foi Raul Seixas em  Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás
. Afinal,  ‘há dez mil anos’ já deixa explícito que é um fato no passado, portanto não há necessidade do complemento ‘atrás’.  Assim, o certo é somente ‘Eu nasci há dez mil anos’.

As Mina Pira


Músicas com erros de português: As Mina Pira
Reprodução/ YouTube

Músicas com erros de português: As Mina Pira

Em As Mina Pira, 
Fernando e Sorocaba usam gírias para rimar e se esquecem das regras do idioma nativo –  As mina pira, pira/ Toma tequila/ Sobe na mesa/ Pula na piscina. 
A frase se inicia no plural e segue totalmente no singular. Cá entre nós, que consertar esse erro não prejudicaria o sertanejo, que ficaria: ‘As minas piram, piram/ Tomam tequila/ Sobem na mesa/ Pulam na piscina’.

Leia mais:  Michelle Pfeiffer sobre atuar novamente como Mulher-Gato: “Seria incrível”

Antes de Dizer Adeus


Músicas com erros de português: Antes de Dizer Adeus
Reprodução/ Instagram

Músicas com erros de português: Antes de Dizer Adeus

Belo também deslizou na concordância. Em  Antes de Dizer Adeus
 o refrão –  Mas deixe os nosso sentimento/ Se entregar neste momento 
– deixa a todos confusos com relação a quantidade de sentimentos, já que o cantor começa com o plural ‘os’ e prossegue a frase no singular. Com o uso correto da gramática a frase fica: ‘Mas deixe os nossos sentimentos/ Se entregarem neste momento’.

Inútil


Músicas com erros de português: Inúltil
Reprodução/ Instagram

Músicas com erros de português: Inúltil

Inútil
é um dos grandes clássicos da banda Ultraje a Rigor. A canção é composta por frases que “assassinam o português”:  A gente não sabemos escolher presidente/ A gente não sabemos tomar conta da gente (…) A gente somos inútil
.

No entanto, os erros são nítidos, propositais e servem como críticas ao governo e a sociedade brasileira. Com o uso certo da linguagem a letra segue como: ‘Nós não sabemos escolher o presidente/ Nós não sabemos tomar conta de nós (…) Nós somos inúteis’.

Suíte 14


Músicas com erros de português: Suíte 14
Reprodução/ Divulgação

Músicas com erros de português: Suíte 14

Suíte 14
 , da dupla Henrique e Diego com participação do Mc Guimê, se tornou um dos hits brasileiros de sucesso em 2014, além de um grande exemplo de músicas com erros de português.

Nem todos os apreciadores da canção se deram conta da derrapada linguística no refrão da música –  Nós dois se amando e a lua por testemunha
. Como muitos outros cantores brasileiros, os sertanejos e o funkeiro também não se importaram com a concordância verbal, já que o correto é: ‘Nós dois nos amando’.

Telefone Mudo


Músicas com erros de português: Telefone Mudo
Divulgação

Músicas com erros de português: Telefone Mudo

Quase todo brasileiro já ligou o som no último volume pra escutar Telefone Mudo
, do Trio Parada Dura, mas muitos deixaram a “fossa” tomar conta do momento e nem perceberam a gafe no refrão –  Porque já estou cansado de ser o remédio pra curar o seu tédio, quando seus amores não lhe satisfaz
.  

Leia mais:  Ao lado da namorada, Ana Carolina passa semana “off” em spa médico

A palavra ‘satisfaz’ está um tanto quanto “perdida” na frase, já que seu uso correto é no plural – satisfazem – de modo a concordar com o ‘seus amores’.

Refém


Músicas com erros de português: Refém
Reprodução/ Instagram

Músicas com erros de português: Refém

Refém
, de Gusttavo Lima, também é um grande exemplo de erro ao usar o plural –  Só esses cabelos pretos me faz
bem.
Se são cabelos, mais de um, o correto é: ‘Só esses cabelos pretos me fazem bem’.

Arrasta


Músicas com erros de português: Arrasta
Reprodução/ Instagram

Músicas com erros de português: Arrasta

A recente parceria de Gloria Groove com Léo Santana pode até ser dançante e estar caindo na graça dos hits brasileiros, mas decepciona os professores de português com um refrão cheio de erros gramaticais –  Vou de rolê com as menina/ No baile nós tamo em casa/ Senta e rebola por cima/ Elas vai pra pista e embraza.



É trágico a quantidade de erro em um único refrão, que estaria correto se fosse corrigido para: ‘Vou de rolê com as meninas/ No baile nós estamos em casa/ Sentam e rebolam por cima/ Elas vão para pista e embrazam’.

Trap com Beijo


Músicas com erros de português: Trap com Beijo
Reprodução/ Divulgação

Músicas com erros de português: Trap com Beijo

Trap com Beijo
é a mais nova canção do Hungria Hip Hop, mas vem recheada de erros ao longo de sua letra. Com palavras abreviadas como ‘tô’ no lugar de ‘estou’ e ‘cê’ simplificando ‘você’, a música não se mantém fiel à concordância, começando pela parte –  Se seu beijo é em vão, sua mão não são, não dá pra perceber –
 trecho confuso, afinal, ele começa citando ‘mão’ (singular) e prossegue o pensamento no plural, dificultando assim a compreensão do que ‘não dá para perceber’, o beijo ou a mão?

Leia também: Let it go! Veja músicas famosas que fizeram sucesso após aparecerem em filmes

Essa canção não está na lista de músicas com erros de português
à toa, pois prossegue com novos deslizes como – Ontem eu vi ela na vitrine
– quando correto é ‘Ontem eu a vi na vitrine’. Ao final da letra mais uma gafe –  Meninas na cena, parece os balaio de Madrid
– novamente um sentido duplo: a palavra ‘cena’ se refere aos ‘balaios de Madrid’ ou as ‘meninas’? Seja qual for a resposta, ainda é preciso concertar a palavra ‘balaio’ para concordar com o plural de ‘os’.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Rap e música latina dominam lista dos melhoresdiscos internacionais do ano

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Cara de uma focinho da outra? Gillian Anderson surge como Thatcher em The Crown

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana