conecte-se conosco


Política

Misael Galvão reafirma total compromisso de apoiar trabalhadores de aplicativo uber

Publicado

Motoristas lotaram na manhã de hoje a galeria da Câmara Municipal, na expectativa de votação de projeto que eventualmente garanta benefícios à categoria e não a sobrecarregue com taxas. Por falta de entendimento, o projeto foi retirado de pauta pelo líder do prefeito no Parlamento, Luís Cláudio, para rediscussão de vários itens.
O vereador e presidente do próximo biênio do Legislativo da capital, Misael Galvão, afirmou hoje (18) que os trabalhadores de aplicativo uber podem contar com seu total apoio e dos demais pares da Casa de Leis para acessar os benefícios pretendidos na profissão, ainda não acordados legalmente. O peso das taxas impostas sobre os motoristas de aplicativo foi um dos pontos contundentes dessa discussão em plenário e imbuída de forte animosidade por parte dos profissionais do setor. Exaltação que levou o presidente Justino Malheiros a pedir cautela para a própria segurança dos presentes na galeria. “Vamos ter prudência. Se esta divisória quebrar, vocês e outras pessoas podem se machucar”.
Também participaram dessa reunião com os motoristas de aplicativo os vereadores Luís Cláudio, líder do prefeito, e Dilemário Alencar. Todos sublinharam a importância de um entendimento consensual. Na galeria do Legislativo, Misael Galvão reiterou a importância de manutenção de uma linha de diálogo transparente e coerente entre eles e o Legislativo.
“Procedo de uma liderança dos camelôs. De onde eu vim, tudo o que nosso grupo obteve foi à custa de muito diálogo, sempre pautado numa linha de justiça. Isso realmente nos levou a alcançar resultados almejados coletivamente. Representamos a sociedade cuiabana determinados a colaborar – no que for possível – para que seus anseios justos se reflitam em realidades futuras”.
O vereador citou ainda que o Parlamento abriu suas portas aos trabalhadores de aplicativo para melhor dialogar com o Executivo.&nbsp “Eu e outros colegas de Parlamento participamos de muitas reuniões. Mas, creio, prevalece a impressão de que os temas propostos não foram discutidos na íntegra com a maioria dos aplicativos. Então, é imperioso discutirmos&nbsp a fundo tudo aquilo que tem gerado dúvidas e insatisfações nesse segmento. É um ganha pão honesto e merece respeito e apoio de toda a sociedade”.
Segundo o parlamentar, pelo diálogo sempre é possível estender um panorama de agrado geral dos trabalhadores. “Não precisamos ficar apreensivos se, hoje, não houve nenhum avanço pretendido. Isso porque, amanhã ou depois, as coisas podem ser resolvidas serenamente, sem conflitos. O mais importante é que nenhuma decisão será imposta “goela abaixo”, a fim de prejudicar a categoria”.
O vereador Luís Cláudio reiterou as palavras de Misael Galvão e disse que, na condição de líder do prefeito na Câmara, irá retirar o projeto de pauta, para nova reavaliação. Trabalho a ser feito a duas mãos, com a participação dos trabalhadores de aplicativo, salientou. “Podem confiar no seguinte: este Parlamento não tem a menor intenção de prejudicá-los, pelo contrário. Vamos reestudar o projeto para chegarmos a um consenso satisfatório. Vocês têm nosso respeito e admiração são trabalhadores honestos e esforçados”.
Para um dos motoristas de aplicativo uber, Roque da Silva, também presente à reunião, a categoria apenas deseja ser justiçada. “Não dispomos de nenhum benefício, apesar de pagarmos taxas e mais taxas, cobradas automaticamente no ato da contratação dos serviços de transporte. Os taxistas têm vários benefícios, conforme a lei dispõe. Já os motoristas de aplicativo, não têm nenhum. Não é justo isso, convenhamos. Não temos sequer carteira assinada, nenhum tipo de apoio. Deve ser ressaltado que não discordamos de pagar taxas, desde que elas também se revertam em benefícios à categoria”.
João Carlos de Queiroz/Elizângela Tenório – Secretaria de Comunicação Social – CMC

Leia mais:  Operação Verde Brasil: multas aplicadas na Amazônia somam R$36 milhões

Imprimir Voltar Compartilhar:  

Comentários Facebook
publicidade

Política

IPVA 2020 poderá ser quitado no último trimestre do ano

Publicado

por

Proprietários de veículos com placa finais 4 e 5; 6 e 7; e 8, 9 e 0 ganharam mais tempo para pagar o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) referente ao exercício de 2020. Isso porque o Governo de Mato Grosso prorrogou novamente o prazo de vencimento do tributo, em razão dos reflexos financeiros causados pela pandemia da Covid-19 na economia de forma geral e, por consequência, na renda de muitos contribuintes mato-grossenses.

“É uma forma do governo minimizar, e ajudar muita gente que talvez esteja em dificuldade por conta das consequências econômicas na vida. É uma forma de aliviar o caixa das empresas, dos cidadãos. Há aqueles que já pagaram porque tinham condições, mas aqueles que não pagaram porque tinham dificuldade vão ter mais este fôlego com mais essa medida que o governo está fazendo para ajudar na pandemia”, explicou o governador Mauro Mendes ao anunciar a medida, na manhã de terça-feira (02.06).

O Executivo já havia alterado o calendário de vencimento do IPVA 2020 para aliviar as contas dos cidadãos e o caixa das empresas, prorrogando a cobrança por 60 dias. Com a nova medida, o IPVA que venceria no período de março a junho foi postergado para o último trimestre deste ano, ou seja, outubro, novembro e dezembro.

Leia mais:  No Senado, CCJ vai priorizar propostas do Plano Mais Brasil

A medida foi publicada por meio do Decreto 506/2020 nesta terça-feira (02), na edição extra do Diário Oficial, que trouxe as novas datas de vencimento. De acordo com Decreto, o IPVA dos veículos com placa final 4 e 5 que venceria no mês de maio, passou para o mês de outubro; placa final 6 e 7 que venceria em junho, passou a ter o prazo até novembro; já as placas 8, 9 e 0 que venceriam no mês de julho, passam a ter o prazo estendido até dezembro de 2020.

O secretário de Fazenda, Rogério Gallo, explica que a alteração no vencimento do IPVA 2020 é um benefício concedido pelo Governo que trará um fôlego a mais nas finanças dos comerciantes, empresários e pessoas físicas. “Os efeitos da pandemia estão demorando mais do que o inicialmente previsto, então para aliviar o caixa dos contribuintes nesse momento de dificuldade econômica o Governo resolveu dar mais uma prorrogação”, afirma.

De acordo com o secretário, os cofres públicos sofrerão um impacto financeiro com o adiamento da cobrança do IPVA. “Nós já tínhamos recebido uma parte dos recursos do IPVA, dos veículos com placas finais 1, 2 e 3. Com essa prorrogação teremos um impacto de, pelo menos, R$ 450 milhões que ficam prorrogados para o final do ano. É de fato um impacto imediato no caixa do Estado e das prefeituras”.

Leia mais:  Audiência pública define ações políticas para fortalecer atenção básica de saúde

Além de prorrogar a cobrança do IPVA que venceria nos meses de março, abril, maio, junho e julho, o Governo postergou também o vencimento dos parcelamentos já realizados, incluindo os referentes a exercícios anteriores, celebrados no âmbito da Sefaz e da Procuradoria Geral do Estado (PGE).

 

Em relação aos parcelamentos em andamento, as parcelas que venceriam nos meses de março a junho serão suspensas automaticamente pela Sefaz. O saldo remanescente será divido em três parcelas, sem acréscimo de juros e multa, com vencimento para outubro, novembro e dezembro. A data limite para pagamento da primeira parcela será até 30 de outubro.

De acordo com a Sefaz, o sistema do IPVA está sendo parametrizado e as novas datas de vencimento estarão disponíveis nos próximos dias.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana