conecte-se conosco


Agricultura

Ministério analisa inscrições da segunda edição do Selo Mais Integridade

Publicado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está finalizando o processo de análise dos relatórios apresentados pelas empresas e cooperativas inscritas no edital 2019/2020 da premiação do Selo Mais Integridade. O Selo é destinado às empresas e cooperativas do agronegócio que promovem ações de sustentabilidade, responsabilidade social e prevenção à corrupção.

A iniciativa do Ministério em reconhecer empresas e cooperativas que adotem práticas concorrenciais éticas, de responsabilidade social e sustentabilidade, se inserem no âmbito do Programa de Fomento à Integridade da Controladoria Geral da União (CGU). O Mapa foi o pioneiro entre os ministérios do setor produtivo na adoção deste tipo de incentivo.

No processo seletivo deste ano, 25 empresas concluíram a inscrição e apresentaram material completo das três áreas de avaliação: anticorrupção, responsabilidade social e sustentabilidade, com foco ambiental. Caso atinjam os critérios previstos no regulamento, todas poderão ser premiadas.

O edital deste ano exigiu certidão de regularidade fiscal das empresas já premiadas na edição anterior e certidão negativa de multas ambientais, além de requisitos mais detalhados da área de anticorrupção.

“Estamos dando continuidade às ações de fomento à integridade para as empresas e cooperativas do agronegócio. Isso demonstra a preocupação do Ministério com a pauta anticorrupção e ambiental”, disse Cláudio Torquato, Chefe da Assessoria Especial de Controle Interno do Mapa.

Leia mais:  Projeto Rural Sustentável já capacitou mais de 25 mil produtores rurais na Amazônia e Mata Atlântica

A documentação enviada está sendo analisada pela equipe técnica da Secretaria-Executiva do Comitê Gestor do Selo. A análise se encerra no final do mês de setembro e será submetida aos membros do comitê. A reunião de deliberação do resultado será realizada em 17 de outubro (Dia da Agricultura) e a premiação ocorrerá na segunda quinzena de novembro.

O Comitê Gestor do Selo é formado por representantes de instituições privadas (Alliance for Integrity, Bolsa de Valores do Brasil – B3, Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA,  Confederação Nacional da Indústria – CNI, Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social – Ethos e Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB) e públicas (Ministério da Agricultura, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa e Ministério da Controladoria-Geral da União – CGU).

Segundo a equipe técnica, entre os critérios que as empresas apresentam mais dificuldades de comprovação, são os dados dos relatórios de sustentabilidade e da área de treinamento do código de conduta de empregados e dirigentes.

A equipe também está trabalhando para aprimorar os requisitos do edital para o próximo ano, a fim de atrair uma maior participação das cooperativas no processo de premiação, e ainda está levantando informações sobre os impactos do uso do Selo sobre a imagem e o trabalho das empresas que já foram premiadas.

Leia mais:  Cooperativas são importantes para mulheres do campo, mas poucas têm poder de decisão

Objetivos

O Selo tem por objetivo reconhecer as iniciativas do mercado nacional que promovam relacionamento íntegro e ético entre si e com o setor público; e  mitigar riscos de ocorrência de fraudes e corrupção nas relações entre os setores público e privado ligado ao agronegócio.

No ano passado, 11 empresas foram premiadas com o Selo de Integridade do Mapa. São elas: Produquímica Indústria e Comércio (SP), Adama Brasil (PR), Adecoagro Vale do Ivinhema (MT), Baldoni Produtos Naturais Comércio Indústria (SP), Rivelli Alimentos, Indústria e Comércio de Alimentos Supremo (MG), Iharabras Indústrias Químicas (SP), Bunge Alimentos (SC), Rio Branco Alimentos S.A  (Pif Paf Alimentos – MG), Tropfrutas dos Brasil  (Leão Bebidas – SP) e Old Friends Agropecuária (RS).

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
[email protected] 

Comentários Facebook
publicidade

Agricultura

Exportação de milho do Brasil sobe 44% na primeira semana de dezembro

Publicado

As exportações de milho do Brasil atingiram média diária de 286,2 mil toneladas na primeira semana de dezembro, o que representa ritmo 44,3% superior à média de 198,3 mil toneladas por dia registrada no mês completo do ano passado, indicaram dados publicados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) nesta segunda-feira (7).

Colheita de milho, colheita de grãos

No acumulado da última semana, o país embarcou 1,14 milhão de toneladas do cereal, contra 4,16 milhões de toneladas em todo o mês de dezembro de 2019, de acordo com os números do governo.

As exportações brasileiras de soja, por sua vez, seguiram muito abaixo da média do último mês do ano anterior, após os enormes embarques de 2020 se concentrarem em meses anteriores.

Segundo a Secex, foram exportadas em média 30,1 mil toneladas da oleaginosa por dia na semana, ante média de 155,7 mil toneladas diárias em dezembro do ano passado.

Em relação à indústria extrativa, os embarques de minério de ferro alcançaram média diária de 1,6 milhão de toneladas até a primeira semana do mês, alta de 35,7% na comparação com a média de dezembro de 2019.

Comentários Facebook
Leia mais:  Análise do cadastro rural deve ser automatizada, disse Valdir Colatto
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana