conecte-se conosco


Agricultura

MERCADO DE TRABALHO/CEPEA: Cresce número de pessoas que residem no campo e atuam fora da agropecuária

Publicado

Clique aqui e baixe o release completo em word. 

 

Cepea, 02/10/2019 – Entre 2012 e 2018, a participação de residentes do meio rural atuando em empregos não agrícolas cresceu de 41,5% para 47,5%. Essa é uma das conclusões da nova edição especial de estudo sobre mercado de trabalho do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP.

 

Segundo pesquisadores do Cepea, esse movimento refletiu principalmente a redução da PO rural agrícola (ocupada na agropecuária). Entre as atividades não agrícolas realizadas por residentes do meio rural, destacam-se as da indústria geral e do comércio.

 

A participação da agroindústria no total de empregos não agrícolas dos residentes rurais variou entre 8,4% e 9,8% de 2012 a 2018, não tendo apresentado uma tendência geral. E, entre as agroindústrias, destacam-se a agroalimentar e as indústrias de madeira, móveis de madeira, papel e celulose.

 

SALÁRIO – Em 2018, o salário médio esperado de um trabalhador rural no setor não agrícola era de R$ 1.191, apenas 11% superior ao rendimento médio no setor agropecuário. Segundo pesquisadores do Cepea, isso reflete o fato de que 49,9% dos residentes rurais ocupados no setor não agrícola estavam engajados em atividades com rendimentos médios iguais ou inferiores ao da agropecuária. Logo, o entendimento do emprego não agrícola como uma alternativa de melhores rendimentos para o residente rural deve ser visto com cautela, sobretudo quando a motivação para a mudança de atividade refletir fatores de expulsão da agropecuária, e não fatores de atração do emprego não agrícola.

Leia mais:  Cooperativas do Rio Grande do Sul pedem revisão de norma para acessar o programa de biodiesel

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o Mercado de trabalho do agronegócio aqui e por meio da Comunicação Cepea, com o prof. Geraldo Barros e com a pesquisadora Nicole Rennó: (19) 3429-8836 / 8837 e [email protected]

 

Comentários Facebook
publicidade

Agricultura

Exportação de milho do Brasil sobe 44% na primeira semana de dezembro

Publicado

As exportações de milho do Brasil atingiram média diária de 286,2 mil toneladas na primeira semana de dezembro, o que representa ritmo 44,3% superior à média de 198,3 mil toneladas por dia registrada no mês completo do ano passado, indicaram dados publicados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) nesta segunda-feira (7).

Colheita de milho, colheita de grãos

No acumulado da última semana, o país embarcou 1,14 milhão de toneladas do cereal, contra 4,16 milhões de toneladas em todo o mês de dezembro de 2019, de acordo com os números do governo.

As exportações brasileiras de soja, por sua vez, seguiram muito abaixo da média do último mês do ano anterior, após os enormes embarques de 2020 se concentrarem em meses anteriores.

Segundo a Secex, foram exportadas em média 30,1 mil toneladas da oleaginosa por dia na semana, ante média de 155,7 mil toneladas diárias em dezembro do ano passado.

Em relação à indústria extrativa, os embarques de minério de ferro alcançaram média diária de 1,6 milhão de toneladas até a primeira semana do mês, alta de 35,7% na comparação com a média de dezembro de 2019.

Comentários Facebook
Leia mais:  Valor Bruto da Produção Agropecuária de 2019 sobe para R$ 606,2 bilhões
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana