conecte-se conosco


Agricultura

Mapa incentiva debate sobre plantas bioativas no Rio Grande do Sul

Publicado

Teve início na última terça-feira (17), na cidade de Santa Cruz do Sul (RS), a 13ª Reunião Técnica Estadual sobre Plantas Bioativas e o 1º Congresso Sul Brasileiro de Plantas Bioativas. O objetivo dos eventos é fortalecer a cadeia produtiva e a rede de entidades envolvidas, aproximando todas as etapas da produção e proporcionando a troca de experiências, qualificação técnica e fortalecimento de parcerias.

Os eventos são simultâneos e acontecem até esta quinta-feira (19), no Auditório Central da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). A iniciativa conta com o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF), e tem como tema central “Ciência, Saberes e Práticas Tradicionais em Plantas Bioativas”.

A programação tem como base três eixos temáticos: Homeopatia e Fitoterapia – Princípios e Potencialidades, Plantas Medicinais na Saúde Pública e Meio Ambiente, Biodiversidade e Sustentabilidade a partir das Plantas Bioativas.

“Eventos como este, que estamos realizando a partir de importantes parcerias, são essenciais para a universalização do conhecimento e o estabelecimento de redes, para que as plantas bioativas ocupem lugar de destaque em nossa economia”, destaca o pró-reitor de Extensão e Relações Comunitárias da Unisc, Angelo Hoff.

Por meio de oficinas, debates e relatos de experiências, a ação busca proporcionar o compartilhamento de saberes entre populares e pesquisadores na produção de plantas bioativas, incluindo a agricultura familiar nas cadeias e arranjos produtivos do setor. Outro aspecto abordado no evento, é a inclusão da fitoterapia como prática de saúde no Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado do Rio Grande do Sul, amparada pela Política Nacional de Plantas Medicinais e Medicamentos Fitoterápicos.

O diretor do Departamento de Estruturação Produtiva da SAF, Avay Miranda, destacou os principais desafios na organização da cadeia produtiva das plantas bioativas no país. “O setor enfrenta gargalos a serem superados, tais como, a qualidade e a quantidade de plantas produzidas, a carência de conhecimentos específicos sobre cada cultura, a ausência de assistência técnica e extensão rural voltadas ao tema e acesso a mercados especializados”.

A 13ª Reunião Técnica Estadual sobre Plantas Bioativas e o 1º Congresso Sul Brasileiro de Plantas Bioativas são promovidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RS/Ascar), pela Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul (Seapdr), pela Unisc e pelo Mapa.

Plantas bioativas

Leia mais:  Recadastramento de pescadores deve começar em cerca de 30 dias

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), plantas bioativas são consideradas aquelas que têm alguma ação sobre outros seres vivos e cujo efeito pode se manifestar tanto pela sua presença em um ambiente, quanto pelo uso direto de substâncias delas extraídas, desde que mediante uma intenção ou consciência humana deste efeito.

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
[email protected]

Comentários Facebook
publicidade

Agricultura

Sobe lista de produtos com o desconto de agricultura familiar

Publicado

por

A lista com os bônus do Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF) deste mês elegeu apenas oito produtos com direito ao valor de desconto nas operações e parcelas de crédito rural. O cálculo dos valores é feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e tem validade até o dia 9 de maio. Nesta edição, os produtos que entraram na lista de bônus foram o maracujá, dos estados de Minas Gerais e Ceará, e a raiz de mandioca, de Pernambuco.


Entre os demais produtos, os que mais permitirão aos agricultores o recebimento da ajuda do governo federal são a cebola produzida no Rio Grande do Sul (45,21%), assim como o mel de abelha do Paraná (38,30%), a mandioca de Alagoas (33,45%) e a castanha-de-caju do Piauí (24,26%).

 

De maneira geral, houve uma elevação nos preços de mercado pagos aos produtores em todo o Brasil, o que reduziu a necessidade de uma lista maior de contemplados com o auxílio do PGPAF. Desta forma, recebem o bônus apenas os itens que seguem com dificuldades na comercialização, como a cebola gaúcha, que pela segunda vez este ano recebe o maior percentual.

Leia mais:  Premiação do Serviço Florestal a trabalhos acadêmicos terá presença da ministra

Os demais integrantes são banana, de Alagoas, o feijão caupi, do Pará, e a manga, da Bahia. Ficaram de fora da lista nesta edição a banana, da Paraíba, a castanha-de-caju, do Maranhão, o feijão caupi, do Tocantins e Maranhão, a manga, do Rio de Janeiro, o mel de abelha, do Rio Grande do Norte, a pimenta do reino, da Bahia, e a raiz de mandioca, do Pará.

O bônus do PGPAF é concedido quando o valor de mercado de algum dos produtos do programa fica abaixo do preço de referência, permitindo ao produtor utilizar o valor como desconto no pagamento ou amortização nas parcelas de financiamento no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Para saber detalhes, clique aqui e acesse a lista completa na portaria publicada no Diário Oficial.

Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana