conecte-se conosco


Política

Mais de 200 mulheres são atendidas em mutirão de consultas de mastologista

Publicado

O Hospital Estadual Santa Casa recebeu, na manhã de sabado, 285 pacientes que passaram por consultas em mastologia e, conforme indicação médica, realizaram os exames de mamografia e ultrassonografia. As pacientes foram selecionadas pelo sistema de regulação, sendo que boa parte dessas mulheres aguardavam pela realização do exame desde 2017.

O mutirão faz parte das ações promovidas pelo Governo de Mato Grosso, em parceria com a MT Mamma, que uniram forças para a Campanha do Outubro Rosa, mês de intensificação dos cuidados e alerta sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama.

Os atendimentos foram iniciados às 8h e as pacientes foram recepcionadas pelo Secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, a diretora do Hospital Estadual,  Danielle Carmona, e pelas representantes da MT Mamma – que incluiu na programação a música ao vivo e a oferta de café da manhã com pão, chá e suco às mulheres que aguardavam pelo serviço de saúde.

“Estamos em um mês inteiro dedicado à intensificação das ações e ampliação do diagnóstico do câncer de mama. Hoje, temos estrutura para realizar 300 consultas voltadas para pacientes que foram selecionadas no complexo regulador das cidades de Cuiabá Várzea Grande e outros 25 municípios que estão sendo atendidos”, disse o Secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, que acompanhou de perto os atendimentos realizados no hospital.

Em Mato Grosso, a Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica estima que 680 novos casos de câncer de mama podem ser diagnosticados para cada ano do biênio 2018-2019, com risco estimado de 48,98 casos a cada 100 mil mulheres em todo Estado. Os números mostram que, apenas em Cuiabá, são estimados aproximadamente 220 novos casos da doença, com um risco de 67,89 diagnósticos para 100 mil mulheres; o câncer de mama representa um percentual de 27,5% do total de casos de câncer.

Leia mais:  Energia fica 11,26% mais cara nesta segunda feira dia 08 em MT

Seguindo as recomendações da campanha, que sugere a realização do exame a partir do 40 anos, a servidora pública, Terezinha Ferraz Gomes, de 47 anos e moradora do município de Várzea Grande, passou pela consulta e realizou o exame de mamografia. A paciente elogiou o atendimento recebido no hospital e destacou a importância de realizar o exame.

“Fui bem atendida, foi muito bom, maravilhoso. É importante fazer este exame, pois quanto mais cedo a gente descobrir se tem alguma coisa é melhor para começar logo um tratamento”, disse a paciente.

A diretora do Hospital Estadual Santa Casa, Danielle Carmona, explicou que para ofertar uma agilidade no atendimento, a paciente passava pela consulta e já era encaminhada para a sala de exame, onde foram realizadas mamografia e ultrassonografia de mama.

“A ideia não era apenas realizar a consulta e fazer com que essa paciente voltasse para lista de regulação, mas também dar o atendimento na sua integralidade. Todas as pacientes que estão passando pela consulta e que demandarem exames de mamografia e ultrassonografia de mama, eles serão realizados tudo aqui no Hospital Estadual. Além disso, a continuidade dos atendimentos para os pacientes que necessitarem realizar biópsia, quimioterapia, radioterapia e cirurgia será realizada aqui na unidade”, explicou a diretora.

Outra paciente que recebeu o atendimento foi a senhora Isaura Aparecida Caldeira, moradora do município de Nova Santa Helena, cidade 622 km distante de Cuiabá, que aguardava há dois anos e finalmente conseguiu realizar o exame. A paciente explicou que recebeu uma ligação informando sobre o mutirão de exames.

Leia mais:  Governo e Fiesp firmam acordo para capacitação de detentos 

“Eu fui chamada, graças a Deus, eu recebi uma ligação no meu celular, era da Santa Casa, informaram que eu estava com o meu nome na lista para participar do mutirão. Fiquei muito feliz, pois estou esperando há dois anos por este exame, é muito gratificante estar aqui para ser atendida, principalmente pra gente que não tem condições de pagar no particular”, disse Isaura.

Campanha Outubro Rosa

A campanha Outubro Rosa é realizada todos anos no mundo inteiro com o objetivo de alertar a sociedade sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama. Além disso, a campanha visa à disseminação de dados preventivos e ressalta a importância de olhar com atenção para a saúde. Durante o mês, diversas instituições abordam o tema e alertam para a realização de exames preventivos que detectam o câncer precoce.

Câncer de mama

O câncer de mama é um tumor maligno que ataca o tecido mamário e é um dos tipos mais comuns, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Ele se desenvolve quando ocorre uma alteração de apenas alguns trechos das moléculas de DNA, causando uma multiplicação das células anormais que geram o cisto. Os especialistas dizem que a maior incidência da doença ocorre na faixa-etária dos 50 aos 69 anos. Para prevenir, visando ao diagnóstico precoce, é recomendado que a mulher realize o exame de mamografia a partir dos 40 anos.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Candidatos devem ficar atentos aos prazos com mudanças nas eleições

Publicado

por

Com a chegada da pandemia do coronavírus no país e com o crescente número de casos de contaminação e de óbitos na população, muitas questões tiveram que se adequar à nova realidade e uma delas foi o calendário das eleições para prefeito e vereador.

Antes previstas para 4 e 25 e outubro, foram adiadas para 15 e 29 de novembro, respectivamente para o primeiro e segundo turnos, onde houver, por decisão do Congresso Nacional, que aprovou na semana passada uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) alterando as datas do calendário eleitoral por causa da pandemia.

Para o advogado de direito constitucional, administrativo e eleitoral de Cuiabá, Ronan de Oliveira Souza essa mudança nas datas das eleições acabou mexendo com todo o sistema processual, eleitoral e também com a logística da Justiça Eleitoral.

“Eu vejo que houve uma necessidade essa mudança diante do cenário da qual estamos vivendo, com a questão da contaminação e também as medidas de segurança que devem ser levadas em consideração como forma de enfrentamento da doença”, disse.

Apesar de defender o calendário eleitoral, ele pondera que devido ao aumento de casos de coronanvírus, em especial em Cuiabá, a disputa poderia ser prorrogada para dezembro.

“Acredito que ainda ficou muito próximo o período eleitoral e que poderia ser prorrogado ainda para o mês de dezembro.

O estado tem vivido o pico da pandemia nos últimos dias e o pleito sendo realizado no último mês de ano daria uma maior margem de segurança para a população. Os atos posteriores às eleições são mais administrativos, sobre prestação de contas, ações de impugnação do mandato eletivo de um modo geral”, defende.

Leia mais:  Secretário diz que exoneração de efetivos não resolve problema de gastos com folha

Calendário eleitoral

O especialista explica algumas mudanças quanto ao prazo. A partir de 11/08, as emissoras ficam proibidas de transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato. Entre 31/08 e 16/09 é o prazo para a realização das convenções partidárias, inclusive de modo virtual.

Até 26/09, os partidos e coligações devem fazer o registro de candidaturas. Após o mesmo dia, terá o início da propaganda eleitoral – rádio, TV e internet – e também é o prazo para que a Justiça Eleitoral convoque partidos e representação das emissoras para elaborarem plano de mídia.

Ronam pontua que 27/10 é o prazo para partidos políticos, coligações e candidatos divulgarem relatório discriminando as transferências do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (Fundo Eleitoral).

Até 15/12, deverá ser feito o encaminhamento à Justiça Eleitoral do conjunto das prestações de contas e até 18/12 será realizada a diplomação dos candidatos eleitos em todo país, salvo nos casos em que as eleições ainda não tiverem sido realizadas.

‘Falácia com unificação das eleições’

Diante de um extenso debate sobre o adiamento das eleições ou a unificação com a disputa de 2022, o advogado especialista em direito eleitoral e professor universitário, Hélio Udson Oliveira Ramos, aponta que há uma falácia daqueles que defendiam o adiamento do pleito desse ano para unificação das eleições de todos os níveis (de vereador a presidente da república) daqui a dois anos.

“O que ocorreria seria a unificação das eleições e consequentemente a unificação dos Orçamentos em um Fundão Eleitoral para 2022”, escreveu no artigo intitulado “Democracia e eleições adiadas”.

Leia mais:  No Twitter, Bolsonaro defende internação compulsória de dependentes

O advogado também levanta o grau de dificuldade que os eleitores teriam para acompanhar sete eleições simultaneamente: vereador, prefeito, deputado estadual, governador, deputado federal, senador e presidente a república.

Os eleitores ficariam confusos, diz ele, ao “acompanhar, simultaneamente, durante os cerca de 45 dias de campanha eleitoral, os debates, as propostas, os programas versando sobre pautas tão diferentes e complexas como, macroeconomia, reforma da previdência social e reforma política,etc. (candidatos à Presidência da República e ao Congresso Nacional); Educação regional, tributação da cesta básica e dos combustíveis (ICMS) e segurança pública (candidatos aos Governos Estaduais e às Assembleias Legislativas); e asfaltamento de vias urbanas, iluminação pública e saneamento básico (candidatos às Prefeituras e às Câmaras de Vereadores), só para exemplificar”.

“Isso só nos fortalece na ideia de que a constância de eleições fortalece, e muito, a cultura democrática”, observa o professor.

Hélio Ramos lembra que essa não é a primeira vez que as eleições municipais acontecem em 15 de novembro.

Ele se referiu às eleições excepcionais para prefeitos das capitais dos estados, territórios estâncias hidrominerais, municípios considerados do interesse da Segurança Nacional que aconteceram em 1985. Naquela eleição, Dante de Oliveira foi eleito prefeito de Cuiabá pela primeira vez. Já os mandatos dos demais municípios foram ampliados em mais dois anos – e duraram de 1983 a 1.988, para que em 1986 pudessem ocorrer as eleições para deputados estaduais, senadores, governadores e deputados federais constituintes.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana