conecte-se conosco


Entretenimento

Machismo no “Encontro”? Público cobra Fátima Bernardes por postura de convidada

Publicado

O programa
 da Fátima Bernardes 
desta sexta-feira (19) recebeu pais e mães entre os convidados para uma conversa  sobre como resolver os problemas de seu filho na escola. No entanto, no meio da atração, muitos espectadores enxergaram machismo no “Encontro” 
após
a resposta de uma mãe convidada.  

Leia também:Fátima Bernardes nega boatos de ter reformado casa do agressor de Jair Bolsonaro


Internautas apontam machismo no
Reprodução

Internautas apontam machismo no “Encontro”

“Seu filho estava aos beijos e amassos com uma colega da escola. O que fazer?”, perguntou Fátima Bernardes. A mãe de uma adolescente de 13 anos respondeu: “Acho que faltou um pouco com o respeito. Como menina e mulher, a gente tem que se valorizar”. Ela ainda completou: “A menina precisa se valorizar, como mulher. É primordial o valor”.  A frase causou grande repercussão e muitos alegaram machismo no “Encontro”
.

Leia também:Ludmilla comete gafes em homenagem a Dia dos Professores no “Encontro”

A apresentadora da atração não se manifestou sobre a resposta da mãe e o cantor Rodriguinho que também era um dos convidados afirmou que teria dificuldade ao saber que sua filha estaria namorando na escola.

Já outra das mães convidadas completou: “Eu falo para ela que hoje é normal, é tudo normal, mas a pessoa que vai te valorizar não vai achar tão normal assim. Quando a gente quer namorar mesmo, a gente não vai escolher aquela que ficou com o colégio inteiro”.

Leia mais:  David Brazil diz que “todas as vidas importam independente da cor” e é detonado

O assunto em poucos minutos tomou uma grande dimensão dentro das redes socias,  fazendo com que o programa fosse alvo de uma enxurrada de críticas. Veja a repercursão:

Leia mais:  Rafinha Bastos desabafa sobre críticas que tem recebido: “Não elegi o Bolsonaro”

Leia também:Fátima Bernardes curte domingo ao lado do namorado: “Por mais encontros assim”

O especialista que acompanhava a conversa ainda tentou amenizar a situção e disse que esse tipo de preconceito também ocorre com os garotos, contudo, muitos internautas ainda assim enxergaram machismo no “Encontro”.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  “Hoje tenho mais medo da traição do que da morte”, conta Marília Mendonça

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Com Tom Holland e Jake Gyllenhaal, Sony faz melhor painel da CCXP 2018

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana